quarta-feira, 30 de maio de 2012

Psiquiatria, uma indústria da morte?

    Bem, hoje vamos falar sobre um assunto polêmico, que é a chamada antipsiquiatria. Creio que grande parte das pessoas ainda não sabem do que se trata. Então vamos começar pelo começo...(mas sem muito bla bla bla, pois a minha intenção é ser o mais simples possível).
    O que é a psiquiatria? É um ramo da medicina que procura tratar as desordens e sofrimentos mentais, por muitos chamadas de loucura. A palavra  psiquiatria vem do grego e quer dizer: "arte de curar a alma". Só o  significado já é tema de um debate e tanto, pois como se cura a alma com medicamentos e outros procedimentos?
    Já a loucura, de uma maneira geral, são comportamentos e pensamentos considerados anormais pela sociedade. Não vou aqui falar também sobre o que acho sobre o assunto, pois é um tema bastante subjetivo, pois a loucura para uns pode não ser loucura para outros. Nos vídeos que posto no youtube, separei alguns trechos do filme "O Alienista", que nos faz refletir sobre esse assunto de uma maneira divertida. Se puderem, assistam o filme completo. 
                                                              
 
                                                               
    Então, o que é a antipsiquiatria? Podemos dizer que é um movimento criado(inclusive por alguns psiquiatras) que coloca em questão alguns procedimentos e idéias adotados pela psiquiatria, como, por exemplo:
-tratar e classificar praticamente todas as desordens emocionais e mentais como doenças.
-a origem biológica de alguns transtornos emocionais e mentais
    A antipsiquiatria afirma também que alguns psiquiatras tem envolvimento com a indústria farmacêutica, principalmente nos Estados Unidos. Para falar de uma maneira simples, eles afirmam que os psiquiatras ganham dinheiro ao classificarem novas doenças, para assim, criarem mais medicamentos para serem consumidos. Ainda afirmam que esses remédios são liberados da fase de testes muito mais rapidamente com a ajuda desses psiquiatras. Logo abaixo o vídeo fala de uma maneira geral sobre o assunto. Ele foi feito em Portugal, mas dá para entender o que foi dito, e a parte que está em inglês vem com legendas. 
    Bem, e eu, como portador de esquizofrenia, o que acho disso tudo? Não vou me colocar no meio do muro, mas, para mim, tanto a psiquiatria como a antipsiquiatria estão sendo radicais. A psiquiatria, por generalizar alguns sentimentos e comportamentos como doença, e a antipsiquiatria ao afirmar que não existem fatores biológicos que alterem o estado mental de uma pessoa. 
    Em relação à psiquiatria, acho que existe um exagero ao se encontrar uma classificação para todos os tipos de comportamentos e sentimentos que não estão dentro do que é considerado normal pela sociedade. Transformou-se tristeza em depressão, timidez em não sei lá o que e outras coisas mais. Tanto é que o manual de diagnóstico de distúrbios mentais cresceu bastante nos últimos anos. Após vários anos lidando com vários psiquiatras, a sensação que me passaram é que tudo o que se passa na mente humana é biológico ou químico. 
    Acredito que existam os maus profissionais na área de saúde mental, que aproveitam a fragilidade emocional dos pacientes, para aumentarem o lucro da indústria farmacêutica, principalmente nos Estados Unidos, onde a maioria dos medicamentos para transtornos mentais são criados. Se existe uma banda podre na política, na religião, na polícia, por que não haveria na psiquiatria? A indústria farmacêutica visa o lucro, assim como a automobilística, ao afirmar que você será uma pessoa melhor se adquirir tal carro, ou como a indústria de cosméticos, que promete o elixir da eterna juventude em poucas aplicações de cremes milagrosos. 
    Mas não posso deixar de dizer, com a experiência que tive, que existem profissionais bem intencionados na psiquiatria, e inclusive devo minha melhora, em grande parte, a esses profissionais. Só achei completamente errado o primeiro psiquiatra que tive, pois ele diagnosticou e me receitou os medicamentos em menos de dez minutos, sendo que, no momento da consulta eu já estava me sentindo bem, pois o surto já tinha passado, só estava um pouco assustado com tudo o que havia acontecido. Acho que o que eu mais precisava naquele momento era de esclarecimento e explicações sobre o que é a esquizofrenia. Já tinha ouvido falar nesse nome, mas não tinha a mínima ideia do que se tratava. 
    Em relação à antipsiquiatria, acho que eles pecam em afirmar que não existe fatores biológicos que causem desordens mentais. Assim como pode existir um figado que não funciona corretamente e que não produza insulina suficiente, causando a diabetes, pode haver um cérebro que tenha um mau funcionamento, não produzindo certas substâncias, como a serotonina, causando assim uma depressão, ou então produzindo dopamina em excesso, que é a teoria mais aceita hoje em dia para tentar se explicar a esquizofrenia. 
    Sem contar que existem fatores genéticos que talvez podem contribuir para o surgimento da esquizofrenia. Muitos amigos que tenho e que são portadores de esquizofrenia, tem ou tiveram parentes com o mesmo transtorno. Minha mãe tinha algum transtorno mental, pelo que me lembro do comportamento dela. Lembro-me do dia em que ela teve uma crise, e foi levada a um hospital, mas, infelizmente, minha avó não aceitou o diagnóstico do médico. 
    Ainda existe a questão de que o cérebro envia impulsos elétricos para o resto do corpo, e acho que, se o mesmo não fizer isso direito, pode ocorrer uma falta de ânimo para realizar as tarefas do dia a dia. Há alguns anos atrás, vi uma reportagem na tv que mostrava uma mulher que foi curada da depressão implantando um marcapasso no cérebro. Ela dizia que ficou 100% curada da depressão. Veja a reportagem:
    Mas, já pensou se a bateria acabar em uma festa? As pessoas irão perguntar:
- O que você tem? você estava tão bem!  Ai a mulher irá responder:
- É que a minha bateria arriou!
    Os cientistas teriam então que implantar uma espécie de tomada na pessoa, para recarregá-la. Assim, quando a bateria acabar, é só conectar o recarregador na pessoa e pronto!
Brincadeiras a parte, se a mulher se sentiu melhor com isso, não vejo por que não fazer o procedimento. Faria a mesma coisa no lugar dela, e faria qualquer coisa também para me livrar definitivamente da esquizofrenia. 

    A minha intenção ao colocar este post não é a de colocar as pessoas contra a psiquiatria e contra os medicamentos, mas sim alertar para que as pessoas pensem duas vezes antes de tomarem um antidepressivo, quando na verdade estão apenas tristes, por um motivo real e verdadeiro. Também alerto que coloquem os prós e os contras na hora de tomar um remédio para dormir, pois eles não irão fazer com que os problemas que estão lhe tirando o sono desapareçam.  Basta olhar o caso do Michael Jackson, que, com o tempo se tornou dependente desses medicamentos, e, como os mesmo já não faziam efeito,  teve um triste fim, pois só conseguia dormir a base de anestésicos. 
    Acho que houve uma grande melhora no tratamento dos transtornos mentais, pois é melhor tomar um medicamento do que ter parte do seu cérebro destruída por um picador de gelo e um martelinho, como era feita na lobotomia. Acredito que num futuro próximo serão criados medicamentos com menos efeitos colaterais, pois existem pessoas sérias e bem intencionadas na psiquiatria sim. Só espero que o interesse e a ganância da indústria farmacêutica não atrapalhe isso. 
    Bem, obrigado por visitarem o blog, o post foi extenso, pois o assunto é muito polêmico. Desculpem-me os possíveis erros de português. Não sou formado em letras, não sou psiquiatra. Sou apenas um portador de esquizofrenia, que se acha no direito de se expressar livremente. 




sábado, 26 de maio de 2012

O vírus nosso de cada dia

    Na postagem anterior, relatei um pouco sobre a mania de perseguição que também me acompanha  no mundo virtual. A paranoia de que o meu pc está sendo monitorado o tempo todo é enorme, o que me obriga a escanear o computador quase que diariamente, em busca de vírus. E até que hoje em dia existe um bom motivo para isso, pois o que não falta são hackers mal intencionados, querendo roubar seus arquivos ou até mesmo senha de bancos. E tem cara que gosta só de "zoar" o seu pc, com algum arquivo malicioso que deixa a sua máquina completamente maluca ou lenta. Hoje mesmo fui vítima de um, ainda bem que o antivírus conseguiu detectá-lo a tempo. Foi no orkut(ainda uso ele), quando não resisti a tentação e cliquei em um link que um "amigo" me enviou, contendo supostas fotos da Carolina Dieckmann.E  ainda tem aqueles hackers engraçadinhos que só querem invadir a sua conta no orkut ou facebook para postar algumas maledicências.. 
    Como gosto de ler artigos sobre pc's achei interessante compartilhar os meus parcos(não é porcos, existe essa palavra sim rsrs) conhecimentos sobre antivirus e segurança na internet. 
    Primeiro os antivírus, gratuitos né?:
    O mais popular é o avast, mas também é o mais chato, aquela voz informando que as definições de vírus foram atualizadas quase me matam do coração, ainda bem que hoje em dia tem que calá-la nas configurações do antivírus. 
   Existem diversos outros antivírus gratuitos por ai: o Panda, o Avira, o AVG, etc.... E tem os antivírus pagos. Até pensei em achar um antivírus pago piratão, mas o medo de vir algum vírus no antivirus piratão não me deixa usá-lo. 
    A minha paranoia virtual é tão grande que resolvi dividir o HD em três partes, para colocar dois sistemas operacionais, e a parte restante deixo para colocar os meus arquivos. Assim, posso deixar um sistema só para ser zuado mesmo, para experiências e para tentar baixar jogos piratas. Ou seja, se tiver vírus não tem problema, já que o sistema principal só uso para acessar a internet e programas mais sérios. E se a parte para as experiências estiver completamente zuada, ai volto a formatar de novo. Hoje em dia formatar um pc ou notebook não é mais um bicho de sete cabeças. Infelizmente, devido a alguns técnicos mal intencionados, temos que procurar ter o maior conhecimento possível sobre os equipamentos, para não sermos enganados e assim aumentarem bruscamente o orçamento do conserto de sua máquina. Em São Paulo, um técnico ficou famoso na internet por não ter cobrado a limpeza de um celular, pois o orçamento anterior para ser feito a manutenção do aparelho estava em 180 reais. 
    
    A maioria dos pc's quando formatados já vem com um programa antivírus instalado. O que a maioria dos técnicos esquecem é que existem programas espiões, que os antivírus não detectam. São os chamados malwares, que não atrapalham o funcionamento do pc, mas monitora a navegação da pessoa na internet. Um bom programa para combater essas pragas é o malwarebytes.
    E ainda existem os bankers, que são vírus específicos para roubar senhas de banco e de suas redes sociais. Não se preocupem, que ai já tem a solução. 

    Mesmo com esses cuidados, não estamos 100% protegidos, pois a cada dia novos vírus são criados, e, assim como acontece na vida real, as vacinas são criadas algum tempo depois.  Então nada de abrir emails suspeitos e links prometendo maravilhas (mesmo se for das fotos da Carolina Dieckmann). Outro dia recebi um email dizendo que continha fotos da traição de minha mulher. Quem dera se eu tivesse pelo menos uma louquinha para me aturar aqui. 
      Uma outra dica: se não temos conhecimento na área, não devemos sair removendo tudo o que os programas antivírus detectam: eles não são perfeitos, e podem ser relatados arquivos falsos suspeitos, ou seja, o antivírus "pensou" que o arquivo era um vírus, mas na verdade você sabe que não é. 
    Então, como costumo dizer, o melhor antivírus é o próprio usuário do computador. Evite baixar programas de sites desconhecidos ou de terceiros. Baixe os programas no site oficial, ou seja, da empresa que criou o programa que você deseja baixar. Nada de abrir emails de  bancos, pois os bancos não enviam emais. E não existe milagre na internet, ofertas miraculosas, que você foi sorteado para ganhar um iphone plus gold super. 
    Nesse site tem dicas legais sobre segurança na internet:
    Bem, o assunto de hoje fugiu um pouco do tema que costumo abordar, mas não custa nada ajudar a quem não tem muito conhecimento nessa área. Espero que tenham gostado das dicas e até o próximo post.                                                                                               

quinta-feira, 24 de maio de 2012

A mania de perseguição que me persegue

    De uma maneira simplificada, podemos dizer que mania de perseguição é a sensação que o indivíduo tem de que está sendo perseguido, monitorado, observado ou ameaçado por outras pessoas.     É bastante inconveniente essa situação, que causa grande prejuízo à vida social do indivíduo, levando o mesmo a evitar lugares públicos. Afinal, quem irá a um show, com milhares de pessoas, se o mesmo tem a sensação ou até mesmo a certeza (em sua mente) de que as pessoas não estão vendo o show e sim observando-o? Ir ao supermercado para mim é um pouco chato e quase não saio de casa. Em um vídeo que postei no youtube, cheguei a dizer que as minhas camisinhas estão com o prazo de validade vencido.     Desculpem-me se, às vezes escrevo como se fosse um psiquiatra ou um psicólogo, a minha intenção é a de escrever um texto o mais simples possível e na visão de quem tem o transtorno. Se fosse para ler termos mais científicos, o melhor seria ler o cid, que é o código internacional de doenças. Mas, de tanto ler artigos a respeito do comportamento humano, acabei pegando essa mania. Ou será que de médico ou de louco todo mundo tem um pouco?     Bem, vamos falar  sobre como é a minha mania de perseguição. Se fosse para avaliá-la, acho que estaria no grau 7, numa escala de zero a dez. Saio de casa o mínimo possível, e constatei que o caso era realmente grave quando parei de frequentar estádios de futebol, para ver o time do meu coração jogar. Desconfio quando alguém me oferece algo para comer, pensando que o alimento poderia estar envenenado. Quando estava surtado morando nas ruas, cheguei a vomitar algumas vezes os alimentos que as pessoas me davam. 
    O meu pc também ficou com mania de perseguição e hipocondríaco, chego a escaneá-lo quase que diariamente. Uso dois antivírus, para me precaver, mas não os deixo ativo, pois isso pode gerar conflitos entre eles. Um, que é mais leve, uso para ficar na proteção em tempo real. O outro eu uso para fazer escaneamento geral do sistema. Assim, se o antivìrus ativo não detectar um vírus, o que faz o escaneamento talvez possa detectar, pois os bancos de dados não são os mesmos. Também tenho um programa que detecta programas espiões(malwares), que não são considerados vírus, mas são programas maliciosos que podem infectar o seu computador e colher informações sobre suas senhas das redes sociais e até bancárias... 
 Por falar em senhas, também tenho um programa específico para detectar vírus que são usados para roubar senhas de bancos, apesar de não ter grana nenhuma em nenhuma merda de banco. Ser pobre às vezes tem suas vantagens né? Penso que o meu pc está sendo monitorado 24 horas por dia pela polícia, tenho até receio de adicionar menores de idade no orkut ou no facebook. Bem, chega de falar sobre informática, em um outro post darei umas dicas e os links para baixar os programas que citei. 
    Fora do mundo virtual, a coisa é complicada também. Quando ouço duas pessoas rindo, penso que estão zombando de mim. Se elas ficam muito sérias também, penso que é por minha causa. 
    Penso até hoje que o INSS está monitorando os meus passos, pois me aposentei em função do transtorno, e acho que eles pensam que eu estava mentindo e que tinha conseguido um laudo comprado para me aposentar. 
    Em relação à polícia, sinto algo parecido também, apesar de não ter nenhum motivo para isso. É um sentimento estranho, que não sei como explicar. Admiro o trabalho da polícia e gostaria que em cada esquina tivesse um policial para melhorar a nossa segurança. Já fui roubado algumas vezes, então, quando vejo policiais nas ruas, me sinto mais seguro de um lado, mas por outro, a mania de perseguição surge do nada em minha mente e me sinto um pouco desconfortável. Se um policial olhar para mim e falar no rádio de comunicação então, chega a me dar vontade de ir até ele e mostrar minha identidade...
    Em relação aos evangélicos, já tive algo parecido, hoje nem tanto. Mas tinha certeza em minha mente que eles não gostavam de mim, e que afirmavam que eu era adepto das coisas do "tinhoso". 
    Nos supermercados a situação é mais complicada ainda. Já tenho a sensação de estar sendo observado, e nestes estabelecimentos realmente existem as câmeras! Ai a mania de perseguição sobe assustadoramente e fica bem perto do grau dez. Certo dia, quando entrei no supermercado, o segurança olhou para mim e falou algo no rádio de comunicação. A vontade que eu tinha era de perguntar se ele não tinha ido com a minha cara, se estava me achando com cara de ladrão. 
    Essas são apenas algumas das situações em que a mania de perseguição me deixa um pouco chateado. Ando sério pelas ruas, não olhando muito para os lados, e acho que isso causa uma certa antipatia nas pessoas. Já me chamaram de "mintido" por causa disso. Então, quando alguém ver uma pessoa toda séria andando pelas ruas, com um olhar fixo, sem olhar para os lados, não a julguem como antipática, talvez ela tenha essa tal de mania de perseguição. Nos surtos que tive esse delírio foi a tal ponto que cheguei a morar nas ruas por um tempo, numa tentativa de fuga dos inimigos que só estavam em minha mente, mas isso é um assunto para outras postagens. 
    Como disse no post anterior, já tentei alguns medicamentos. A mania de perseguição realmente ia embora, mas junto com ela ia todo o meu ânimo e alegria de fazer qualquer coisa. Então o jeito é seguir o caminho do meio, deixando de lado os medicamentos mais fortes e tomando os mais fraquinhos, e tentando me abster deles na medida do possível. Não estou recomendando isso a ninguém, pois isso exige um pouco de autoconhecimento. 
    Espero que tenham gostado do post, e comentem a vontade e deem sugestões. Se alguém tiver uma solução para que a mania de perseguição pare de me perseguir pode comentar aí embaixo. 
    

domingo, 20 de maio de 2012

Remédios: tomá-los ou não tomá-los?


                                                     

Eis a questão

    Tomar ou não tomar os "maleditos" antipsicóticos? Bem, se lermos as bulas desses medicamentos por completo, provavelmente não iríamos nem pensar em colocar essas pílulas ou drágeas em nossas bocas. As bulas de alguns antipsicóticos e antidepressivos chegam a se parecer com um livreto, relatando uma enorme variedade de efeitos colaterais e reações adversas.     
  Costumo dizer que os medicamentos são um mal necessário em alguns casos, e não tem como apelar para a homeopatia, pelo menos no caso de urgência em um surto psicótico. Particularmente, não me dei bem com nenhum medicamento para esse transtorno. Sonolência, desânimo, acatisia (que é uma vontade louca de sair andando por ai sem rumo), são alguns dos efeitos que senti ao longo desses anos de batalha para uma estabilização.
     Alguns remédios realmente deixaram minha inquieta mente mais tranquila, mas o preço pago foi caro demais: a imensa vontade de simplesmente não fazer nada, de ficar o dia inteiro na cama. A sensação era de que eu estava com uma dengue permanente. Estava me sentindo um robô, tanto no aspecto físico (ficava muito lento), como no aspecto emocional (estava meio sem graça, como se as emoções estivessem sido cortadas em minha mente).  E também não achava graça em nada.... 
  O que faço então para lidar com essa questão? Sigo o caminho do meio, ou seja, não deixo de tomar os remédios, mas também não tomo os mais dopantes e também procuro tomar dosagens bem baixas.  Com isso, me sinto obrigado a andar com uma cartela de diazepan no bolso como um s.o.s em casos de emergência, pois não me sinto bem em lugares cheios de gente. Tento tomar a menor quantidade e dose dos antipsicóticos para ter algum ânimo no dia a dia, mas tenho que me policiar todos os dias para ver se não estou saindo muito da realidade.     
    Faz algum tempo que não tenho surtos graves, mas a mania de perseguição ainda me persegue. Em um outro post, contarei como é complicado viver imaginando que está sendo observado o tempo todo pelas pessoas ou por câmeras. Hoje me conheço razoavelmente bem e sei até onde posso me abster dos medicamentos. Sei as situações que me estressam e procuro evitá-las na medida do possível. Além de querer me sentir mais disposto, também quero continuar a me emocionar, rir ou chorar, coisas que, com os medicamentos mais fortes, eu não conseguia sentir. Não estou aqui fazendo uma campanha contra os antipsicóticos e incentivando as pessoas a fazerem o mesmo que eu fiz. Cada caso é um caso, ainda mais em se tratando de esquizofrenia. 
lobotomia
    Acredito que os medicamentos atuais são uma boa melhora em relação ao que era praticado antigamente em casos de esquizofrenia. Me refiro a lobotomia, uma técnica que consiste em destruir uma parte do cérebro, usando um picador de gelo e um martelo. O procedimento era feito perto do olho, um pouco acima do canal lacrimal. Os resultados não eram tão satisfatórios assim, e era mais usado em casos graves, para silenciar os portadores de esquizofrenia, que ficavam completamente sem nenhum tipo de emoção.
    Espero que a medicina continue avançando para um dia ainda acharmos os antipsicóticos atuais e seus efeitos colaterais um atraso e uma brutalidade, assim como pensamos acerca da lobotomia e outros métodos antiquados para tratar os mais variados transtornos mentais. 
    
    


sábado, 19 de maio de 2012

Por que escrever um blog?



   Há cerca de oito meses atrás postei alguns vídeos no youtube falando sobre esquizofrenia. Estava super entusiasmado pois havia acabado de fazer meu cursinho de informática e aprendido a usar um computador aos 40 anos de idade.
   Mas, infelizmente, não me sentia à vontade em frente de uma  câmera e, como escrevo melhor do que falo, resolvi criar esse blog. Estava chateado, pois na época havia ocorrido a tragédia do "atirador de Realengo", em que um homem entrou em uma escola com uma arma (ou duas) e matou várias crianças inocentes. No dia seguinte, após a tragédia, um "psiquiatra" chegou a afirmar em uma emissora de TV que o indivíduo era portador de esquizofrenia. Me estranha o fato de um profissional da saúde mental conseguir "diagnosticar" uma pessoa com base apenas no noticiário televisivo.... Se já é difícil dar um diagnóstico presencialmente após várias consultas imagine se baseando em apenas notícias dadas na TV aberta... 
    Acredito que esse rapaz  poderia ser um psicopata, pois o que ele fez foi muito friamente calculado com bastante antecedência e não foi fruto de um surto psicótico. 
    Há pouco menos de um mês, ocorreu um outro fato lamentável envolvendo transtornos mentais. Um homem matou pelo menos três pessoas na cidade de Garanhuns, cometendo depois o ato de canibalismo com os corpos das vítimas.

        Em relação ao atirador de realengo, não posso afirmar se foi comprovado ou não se ele era portador de esquizofrenia. Já o canibal de Garanhuns, realmente ele tomava medicamentos e fazia tratamento para controlar a esquizofrenia. Inclusive, ele chegou a registrar em cartório um livro em que relatava suas visões e sobre a sua infância. Embaixo vai o link do livro dele, chamado "revelações de um esquizofrênico". Por favor não confundam com o livro que escrevi, chamado "Mente Dividida" e com o subtítulo "Memórias de um esquizofrênico". 
    Não estou aqui para defender as pessoas que cometeram crimes alegando problemas mentais. Creio que, se representam perigo à sociedade, devem cumprir a pena como qualquer cidadão normal
    Agora faço-lhes uma pergunta: as penitenciárias estão superlotadas de "loucos" ou de pessoas supostamente "ditas normais"? Homens que mataram suas companheiras simplesmente por que não aceitaram o fim do relacionamento e que pensavam que, se não fossem deles, não seriam de ninguém. Crimes dos mais variados níveis de crueldade são praticados por pessoas consideradas normais pela sociedade. E o casal nardoni, o que dizer? Existe algum motivo para se atirar uma criança de um prédio? 
    Gostaria de dizer que 1% da população sofre de esquizofrenia. É bastante gente. Faça as contas, considerando a população de sua cidade ou até mesmo a mundial. São pessoas que trabalham, estudam ou que se aposentaram devido à gravidade do caso, mas que tem suas qualidades e defeitos como qualquer ser humano. Alguns podem até serem agressivos quando estão em crise, mas a verdade é que a maioria dos esquizofrênicos fazem mais mal a si mesmo do que para outras pessoas. 
    Provavelmente, você conhece ou deve ter conhecido algum portador de esquizofrenia, só que não sabe disso. Por causa do preconceito e da falta de informação, a maioria dos portadores não revelam publicamente que tem esse transtorno. Já perdi alguns amigos quando revelei que tinha esquizofrenia, mas não desisto de tentar mudar o conceito que a maioria das pessoas tem sobre ela. Logo abaixo tem uma reportagem sobre a esquizofrenia feita no programa do Jô Soares, inclusive gostaria de parabenizá-lo, pois não é a primeira vez que ele aborda esse tema em seu programa. 



   
    Abraços a todos e até a próxima postagem. Podem comentar a vontade, fazendo perguntas e dando sugestões sobre o assunto.