quarta-feira, 21 de junho de 2017

Vamos fugir...

 
    Praticamente um mês sem postar nada. Ideias e ideais até que aparecerem, mas a energia que antes me acompanhava só a vejo diminuindo a cada dia.
    Quem acompanha o blog sabe o problema que estou passando devido à uma lesão no meu pé esquerdo. Dinheiro faz falta, mas andar na minha opinião é muito mais importante. Andar até atualmente estou andando, mas dói tudo que é articulação e músculos, devido ao fato de ter que poupar a articulação do dedão. São três anos andando de forma incorreta à espera de um atendimento digno pelo sus. Somente agora consegui uma palminha própria para o problema, mas que não resolveu absolutamente nada e ainda deu uma forte dor no joelho direito.
    A psiquiatra me indicou um "novo" medicamento, afirmando que o mesmo não daria sono e outros efeitos colaterais indesejáveis. Claro que não aceitei, não foi por falta de tentativas que não estou tomando atualmente um antipsicótico. Desisti de qualquer medicamento desse tipo depois da frustrada tentativa com a olanzanpina, que me deixou dois dias dormindo direto. O que mais me desanimou é que o medicamento é muito caro. Se por acaso me desse bem, iria ser uma luta continuar conseguindo pelo sus, já que ultimamente até o haldol anda faltando, e que custa dez centavos o comprimido...
    É aquele velho ditado: se ficar o bicho pega, se correr o bicho come"... Sem antipsicóticos não saio de casa por causa das paranoias, mas também com eles não iria sair, pois ficaria dormindo boa parte do dia e da noite, como um vizinho que tenho e que ronca um bocado alto, ainda bem que o meu quarto é um pouco distante do dele.
   E quem acompanha o blog há mais tempo sabe o quanto não gosto das drogas antipsicóticas, as lícitas, e que também muito menos aprecio as drogas ilícitas. Mas não sou moralista, quem quer usar sustentando o próprio vício e sem prejudicar a vida alheia que faça essa escolha, sabendo que isso poderá lhe trazer vários problemas de saúde, inclusive mental.
    Já fui diversas vezes em São Thomé das Letras, e lá tinha muito hippie que gostava de dar umas pitadas na erva danada. Não sou e nem quero ser o dono da verdade, os hippies abrem mão de várias coisas para terem essa liberdade de escolha, sustentando o vício com o artesanato que fazem. E quem sou eu para falar o que é certo e o  errado. Já experimentei algumas vezes há muito tempo atrás e aquela "paz" que a droga prometia dar eu tinha de verdade em meu coração e na minha mente. Usei e vi que não precisava daquilo.
    Não gosto do ambiente que cerca as drogas e nem o comércio dela. Em 2012 saí de Ipatinga pois o local onde morava estava tomado pelo tráfico de drogas. Tinha um vizinho que mandava os usuários de crack fazerem fila para comprar a droga. Só faltava distribuir a senha.
     Era um aluguel barato, o quarto era espaçoso e perto do restaurante popular. E o dono me fazia um preço muito bom. Mas de que adiantava ter aquilo se não tinha a paz? Não pensei duas vezes e vendi "tudo" o que eu tinha: o pc novo dual core de 4gb e com processador i3, a tv de tubo, o home theather, o frigobar e outros pertences. Vendi tudo baratinho e comprei uma mochila e uma barraca para sair livremente por onde eu quiser. Se é para correr riscos e não ter paz, melhor morar na rua, por que pelo menos não pagamos aluguel. Mas não me arrependi de nada do que fiz e faria até de novo, se não fosse o problema no meu pé.
   Infelizmente as drogas estão em todo lugar. Depois das andanças, resolvi me aquietar um pouco e aluguei um quartinho aqui em Belo Horizonte. Tudo ia muito bem até aparecer um usuário de drogas que roubou tudo o que viu pela frente para sustentar o seu vício: botijão de gás, dinheiro, playstation 2 do vizinho, e outras coisas mais. Só não roubou o que eu tinha pois eu ficava praticamente o dia inteiro no meu quarto e a porta era de ferro. Uma vez até chegou a tentar roubar o modem da casa, mas para o azar dele estava no meu quarto e corri para o modem assim que a net caiu, pois ele já estava desligando o aparelho.
    Depois disso fui para um outro local, e, para a minha infelicidade, havia um usuário de droga que levava pessoas para a casa e aí ficavam até duas horas da madrugada conversando alto sendo que em uma oportunidade saiu uma briga e sobrou até para a cadeira de plástico. A dona do imóvel quis cobrar a cadeira de todos os moradores. E os caras são tão folgados que nem assumiram a cadeira quebrada, ou seja, temos que dormir na hora que eles dormem e ainda pagar pelos estragos que fazem na casa. Não fiquei mais do que 30 dias no local. Saí alegando que o mesmo era muito quente, pois o sol batia praticamente o dia inteiro nele. Mas a proprietária quis me passar para o andar debaixo, onde não batia o sol, e era onde os usuários de drogas ficavam conversando a noite inteira. Aí não achei uma outra desculpa e falei a verdade: é uma situação complicada essa de ter que contar a verdade, não se sabe qual será a reação do usuário. Mas ele teve uma conversa comigo e viu que tentei ocultar o fato, mas não tinha como mais inventar desculpas.
    Depois de mais essa tentativa, aluguel um outro quarto, em novembro do ano passado, mas sem antes perguntar para a proprietária a posição que ela tinha em relação as drogas. Como ela afirmou que não aceitava o uso de drogas no local, resolvi mudar, e é onde moro atualmente.
   No começo foi tudo às mil maravilhas. Sem drogas, sem confusão, apenas um ou outro atrito que acontece em locais onde várias pessoas moram. Mas, um certo dia apareceu um novo morador. Achei estranho o fato dele não trabalhar, apesar de afirmar que tinha uma profissão. Mas assim como eu, quase não saía da casa... O cheiro da erva já dava para ser sentido nos primeiros dias, e, com o tempo, um entra e sai de pessoas desconhecidas. Primeiro assoviavam do lado de fora, e, ele de dentro da casa respondia com outro assovio. Com o tempo, algumas pessoas permaneciam na casa até de madrugada, falando e dando gargalhadas. O sossego e a tranquilidade foram embora. Não quero e nem pretendo consertar o mundo, mas deveriam pelo menos alugar uma casa para que não se atrapalhe o sono e a vida dos outros moradores.
   Gasto quase metade do meu salário para pagar o aluguel, e acho que deveria ter o direito de escolher morar onde não tenha drogas. Cheguei a pensar em morar em alguma república evangélica ou algo parecido, mas gosto de andar sem camisa e de bermuda nos dias de calor. E às vezes, bem raramente falo meus palavrões, principalmente quando machuco ou levo uma pancada. Já terei que procurar um outro local, se meu pé estivesse bom já teria começado as minhas andanças novamente. Computador, tv, som a gente vende e compra de novo, o que não tem preço é a paz.
Mas de que adianta perguntar se o proprietário tolera as drogas? Com essa crise as pessoas estão aceitando todo mundo que aparece. É verdade que alguns são rígidos, mas os que achei o aluguel era além do que posso pagar.
   Tenho saudades das minhas andanças, tive muitos perrengues, mas poderia mudar de lugar quando aparecesse algo ou alguém inoportuno: bastava desmontar a barraca e pronto. E foi a época em que melhor me senti tanto fisicamente como mentalmente. As andanças são o melhor antipsicótico que já encontrei, não recomendo a ninguém que faça a mesma coisa, pois cada um tem a sua maneira de ser.
Algumas pessoas já entraram em contato comigo querendo fazer essas viagens comigo, mas infelizmente no meu caso a solidão é a melhor companhia. São experiências únicas e que não podem ser compartilhadas, a não ser pelos escritos e vídeos.
   Às vezes chego a pensar se o melhor não seria o autoextermínio. De que adianta essa vida, sem poder andar sem sentir dor? Que vida é essa que estou vivendo? Preso pelas minhas próprias paranoias e sem condições físicas de fazer o que mais gosto? Não tenho coragem de pular de um prédio, de me atirar na frente de um carro. Pagar um assassino de aluguel não seria uma boa, pois só iria confiar se fosse possível pagar depois do serviço prestado...
     O cara que é chegado nas drogas aqui onde moro até chegou a ouvir um conselho de um amigo:
    - Ele te enfrenta por que talvez não tenha medo de você...
    Realmente não tenho medo, nem da morte tenho medo. E já vi a morte em um dos meus surtos. Estava perambulando pela BR durante a noite quando vi uma sombra idêntica a da morte deslizando pela BR. Na primeira vez que a vi confesso que fiquei um pouco arrepiado, mas não era um medo, era um espanto, se é que existe alguma diferença. Não saí correndo, apenas observando a sombra deslizar pela Br até sumir. E continuei a caminhar normalmente até vê-la novamente, e desta vez nem um fio de cabelo meu ficou arrepiado. Iria conversar com ela numa boa caso ela se aproximasse de mim. Mas ela foi embora como da primeira vez, talvez não tenha encontrado quem estava procurando.
    Esse vizinho no momento está meio calado. Talvez esteja bolando algo contra mim, ou talvez não. Já retirou sua antena da "skygato". Talvez seja para colocar um outro vizinho contra a minha pessoa, pois ele vende a skygato para outras pessoas. Creio que se fizerem uma votação na casa sobre quem deve sair tudo pode acontecer, mas creio que irão optar pelo cara que sabe fazer mais amizades e eu que procuro ser uma pessoa correta seria o eliminado.
    Será sempre a fuga uma solução? Ou é na fuga onde nos entramos?

Muitos pensam que andar por aí é loucura. Se é, então não estou sozinho nesse mundo.

 

23 comentários:

  1. Posso ter esquizofrenia e não ouvir vozes? Tenho muita paranoia e parei de sair de casa e ver pessoas por conta disso. Faço tratamento para esquizofrenia, mas não tenho a certeza que seja isso. Tenho muitos delírios de referência e fobia social. No começo achava que o que me acontecia era algum problema espiritual...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Não sei se ainda usam o termo esquizofrenia simples, que é uma esquizofrenia sem alucinações. Talvez seja este o seu caso, mas talvez você não tenha esquizofrenia e sim mania de perseguição ou outra paranoia mesmo. Procure ouvir uma segunda opinião de um outro profissional.

      Excluir
  2. Júlio olá. Procure tomar um diazepan.Algum relaxante muscular. Deve ser horrível essa dor irmão. Pude vê tb que está com colesterol alto, é bastante comum pra nós que temos qualquer tipo de transtorno psiquiatrico. Te desejo sorte e tranquilidade. Atualmente estou oscilando virando muito de humor tb querendo deixar a medicação. Mas tenho medo pois tenho um filinho. Tenha fé tudo vai se resolver.use sua inteligência a seu favor. Lenice abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Diazepan já tomo a noite. E estou tentando parar aos poucos, pois a memória é muito prejudicada por este medicamento.
      E relaxante muscular só tomo quando está muito dolorido mesmo, pois não é muito aconselhável tomar esses medicamentos diariamente.
      Os triglicerídeos estão alto mesmo, estou tomando ômega 3 vou fazer o exame e deve ter abaixado um pouco. Se estivesse fazendo atividade física acho que estaria só um pouco acima.
      Obrigado pelo incentivo.

      Excluir
  3. Meu querido, estava com saudade!
    Surgiu uma curiosidade: qual a diferença de tempo quando vc experimentou a droga da "paz" e o primeiro surto? Se não se sentir a vontade em responder, entenderei.
    Eu encontro um propósito de vida lendo a Bíblia, foi só assim que consegui sair da depressão e de pensamentos suicidas.
    Espero muito que você saia desse momento delicado. Esse pé com fé em Deus sarará logo logo.
    Beijocas, não nos abandone.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Experimentei a erva danada três vezes. Uma aos 16, outra aos 17 e uma outra vez aos 23 anos. E surtei aos 32 anos, a minha esquizofrenia não tem relação nenhuma com as drogas.

      Excluir
    2. OI. Não quero ser chata e é bem provável que você ja tenha visto e lido sobre, mas a maconha é um gatilho para o desenrolar da doença.
      Você disse que sua esquizofrenia não tem nenhuma relação com a droga, mas tudo que você consumiu e consume durante esse tempo terreno está relacionado com suas doenças.
      É uma junção de fatores.
      Eu mesma tenho alopecia androgenética, uma doençã genética e sem cura, mas que se mostrou realmente na minha vida depois consumir alguns produtos específicos relacionado com meus estilo de vida, tudo isso contribui para que meu cabelo caísse bastante.
      Eu espero que não me entenda mal.
      beijos

      Excluir
    3. Como disse, experimentei a maconha apenas três vezes em minha vida, e não usei muito, foram poucas tragadas (nem sei se é essa a expressão usada). E nas primeiras duas vezes acho que não aspirei bem a fumaça para dentro do pulmão, pois nunca me dei bem com a fumaça. Só na terceira vez é que senti o efeito, que foi um relaxamento e fiquei meio bobo, achando graça de coisas que normalmente não acharia graça...

      Excluir
  4. Realmente a mente da gente é prejudicada com uso do diazepan.Mas é melhor dormir pouco, que vai te ajudar a não surtar. Em relação a seu pé. Tem alguma conta que possamos colocar uma quantia$. Muito pouco. Saúde, sorte,e luz. No aguardo Lenice. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      sim, se parar de uma vez com o diazepan posso surtar. Já aconteceu isso comigo uma vez. E sinto que estou tendo algo parecido com uma síndrome de abstinência, pois estou tentando parar aos poucos. Atualmente tomo 2.5mg, cheguei a tomar 20mg. Ando um pouco irritado às vezes, ainda mais por não poder praticar esportes como antes, hoje em dia fico mais no gol mesmo. Os exercícios físicos eram o meu principal antipsicótico, tirava o stress todo e os pensamentos negativos também.
      Em relação a conta, vou sim postar tudo certinho, a conta, o pedido do médico para a operação. Acho que vou até gravar um vídeo. A palmilha não adiantou muito, deu até dor no joelho. O jeito vai ser operar mesmo.
      Aceitaria sim a sua ajuda, pois estou precisando comprar um tênis para fazer caminhada leve e ficar no gol. Sapato já está complicado de usar por não ser macio.
      A conta é essa,
      Julio Cesar dos Santos de Oliveira
      Agência 2332 Ipatinga MG
      Caixa Econômica Federal
      Operação 013
      Conta 00035331-3
      Obrigado pela participação e pelos conselhos.

      Excluir
    2. Júlio estou no auxílio doença, houve um erro e acabei não recebendo este mês. Segundo o Inss recebo tudo em agosto. Aí sim cumprirei o combinado. Peço desculpas. Estou tb passando por uma fase sensível e difícil. Minha vontade é largar a medicação que tem me engordado bastante. Abraços. Não deixe de postar. Com fé em Deus quero cumprir minha promessa com vc. Apenas um desabafo é péssimo quando pegamos um psiquiatra que não enxerga que não somos ditos loucos e somos maltratados. Tb quando a família te ve como um problema pra vida deles. Abraços espero poder cumprir minha divida com vc amigo.

      Excluir
    3. Olá
      Não precisa fazer o depósito não, não sabia que também estava em uma situação parecida com a minha. O tênis depois eu consigo outro para jogar o meu futebol. Colei um aqui bem usado e está dando para correr um pouquinho, apesar da dor no dedão. Tomo um anti-inflamatório na noite antes de jogar, ai dá para correr um pouco e me divertir.
      Só a participação das pessoas aqui me conforta bastante, não precisa fazer o depósito não.
      Às vezes algumas pessoas me ajudam aqui pelo blog, mas sem fazer sacrifícios.
      Ficaria chateado se alguém estivesse fazendo algum sacrifício para me ajudar nesta fase difícil.
      Melhoras para vc, e em relação ao medicamento que engorda, procure usar muitas fibras, e comer maça, banana, e outras frutas que saciam sem engordar.

      Excluir
  5. Dia 03/07,farei minha pequena contribuição. Atualmente eu tomo diazepan de 10 mg. Mas não some não estou. Aprendendo a lhe dá com meu transtorno através do blog. Seus posts. Forte abraço melhoras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado. Fico muito feliz por saber que estou ajudando de alguma maneira as pessoas. Por esse fato continuo até hoje escrevendo algumas postagens, apesar de estar há quatro anos nesse tema. Mas quando o assunto é o comportamento humano sempre se tem algo para falar.
      Obrigado pela ajuda e pela visita ao blog.

      Excluir
  6. Bom dia, gostei muito do seu blog, gostaria de entra em contato, meu blog é: mariahnomundo@blogspot.com e se possível teria como me enviar um e-mail pra contato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, enviei uma mensagem para o seu blog.

      Excluir
    2. Boa Tarde, tentei falar com você mas acho que não enviei direito a mensagem, montei um blog e gostaria que você me ajudasse a divulgar e queria autorização pra divulgar o seu. Abraços.

      Excluir
    3. Passe o seu email pelos comentários, não irei publicá-lo.

      Excluir
  7. Oi Júlio amigo, eu como vc já experimentei vários fármacos e não vejo bom resultado. Eu decidi parar e ficar só com o Diazepan de 10 mg. Já passei por vários profissionais. E na verdade eu quero um pouco de vida. Eu tenho um filhinho de 4 anos quero me dedicar a ele. Esses medicamentos traz muito efeito colateral. Hj meu companheiro toma conta do meu filho. Já não tenho mais irmãos que ficam por perto. Quero recuperar para criar laços de afetividade com meu filinho. Torça pela minha recuperação e quero vê se consigo a aposentadoria pois preciso prover minhas contas. Não sei se dá mais pra trabalhar. Eu sinto muita tremura, ansiedade e agonia grande. Fico desconfiada com as pessoas do trabalho. Não deixe de postar.vc me ajuda muito. Boa sorte, saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente os efeitos colaterais muitas vezes não compensam o benefício que esses medicamentos promete. Não sou totalmente contra os antipsicóticos, são um mau necessário em alguns casos, e nem sempre por toda a vida como é prescrito.
      Pode ter a certeza que estarei torcendo para a sua recuperação, os antpsicóticos também causam um certo embotamento afetivo, no meu caso parecia um robô. Mas como disse, algumas pessoas se dão bem com os remédios, tenho sempre que frisar isso aqui, pois posso dar a impressão de que estou incentivando as pessoas a pararem com os medicamentos.
      Realmente o ambiente de trabalho pode ser muito estressante, tem a competição, as intrigas, etc...
      Continuarei postando sim, tudo que passei me fez uma pessoa mais forte, e ainda encontro forças para não somente enfrentar os meus problemas como também tentar de alguma maneira ajudar as pessoas.

      Excluir
  8. No meu caso fico assim sem afetividade. Já sinto as pessoas se afastaram de mim. Sem amigos apenas esse companheiro que ainda está por perto. Não sei porque. Obrigado, preciso sair dessa paranoia. Me conforta o seu apoio. Torço por vc. Não some não tem me ajudado bastante.

    ResponderExcluir
  9. Meu primo está desenvolvendo mania de perseguição. O psicólogo passou remédios para acalma-lo e logo que terminasse marcar um psiquiatra. Só que meu primo mesmo após tomar os remédios e dormir acordou com a mesma mania de perseguição. Você poderia me dar algum conselho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Também gostaria de ter algo para aconselhar, até hoje sofro um pouco com essa mania de perseguição, o fato de ter a consciência do fato ajuda bastante. Aconselho que seu primo se informe o melhor possível sobre o assunto, que procure também se entender melhor, o que talvez cause esse desconforto, etc...
      Em relação aos medicamentos a mesma coisa, procure se informar sobre eles, quais os possíveis efeitos colaterais, se poderá causar dependência, etc...
      Obrigado pela visita ao blog e pela confiança.

      Excluir