domingo, 8 de julho de 2018

Divagações esquizofrênicas 20 - Reflexões e andanças


 Está decidido: irei fazer os 910km restantes da estrada real de bicicleta. Como os leitores do blog devem saber, meu hálux esquerdo está quebrado. E percorrer esse caminho a pé e com uma mochila nas costas já é complicado demais de se fazer em perfeitas condições físicas, imagine então com um o dedão do pé fraturado....
    Tirando isso, acredito que minhas condições gerais de saúde estão boas. Estou dentro do meu peso, depois de ralar muito e fechar um pouco a boca. Chego a perder quase 2kg no dia que jogo bola, mas logo recupero, pois como prêmio detono um pote de sorvete de 1kg e uma lata de leite condensado... 
    O SUS,  como sempre acha tudo normal na questão do pé, é só ir tomando antiinflamatórios que está tudo bem. Nem pedem exames. Consegui fazer uma ressonância magnética e tomografia computadorizada na Rede Sarah, mas lá eles não querem me operar pelo fato de que tenho esquizofrenia e eles não possuem equipe especializada em psiquiatria. O ortopedista está com receio de que eu tenha um piripaque, apesar de ter conseguido um laudo favorável do psiquiatra, afirmando não haver problema nenhum em ser operado por conta do transtorno, ou seja, o risco seria de qualquer pessoa sendo operada. 
     Mas vida que segue, Não iria me perdoar nunca caso não complete os quatro caminhos da estrada real. Nela meu sonho de liberdade e de paz se torna real....

910km de muitas belezas naturais... 
    Comprei uma bike usada, mal consegue andar em uma reta, pois o sistema de corrente e engrenagens está meio detonado. Melhor assim, pois uma  bicicleta nova e boa chama muito a atenção dos larápios. E também está sendo o maior barato desmontar e montar a "magrela", aprendendo a consertá-la vendo os vídeos do youtube tem me ajudado bastante, além de ser uma boa terapia. É sempre bom aprender coisas novas. O cérebro agradece.... 
    Por conta dessa reforma na bike estou gastando uma graninha extra, e ainda tenho que comprar a barraca, o saco de dormir e o colchão inflável, para dormir bem nessas frias noites do interior de Minas Gerais. Costuma fazer muito frio em algumas cidades, independente de estação do ano em que estivermos. Passei muitos perrengues nas primeiras viagens, pois não havia comprado o saco de dormir, e aí tinha que encher a barraca de papelão.


aprendendo a consertar a bike para não passar perrengues na viagem
     Que vou viajar está mais do que decidido. Medo não tenho muito, gente ruim infelizmente tem em todo lugar. Estou morando em um lugar bastante tranquilo, quase não tem confusão, só quando algum larápio surrupia algo na geladeira, que é comunitária. No meu caso nem toco nela, pois tive a sorte de ganhar um frigobar de um amigo e só guardo água, frutas, ovos. Cozinhar está na lista das coisas que não sei fazer e que pretendo aprender um dia, pois tenho sempre que morar perto de restaurante popular. Mas infelizmente sempre tem alguém ou algo que não nos agrada em um local que mora várias pessoas. E o que sinto é que tem muito tititi onde moro, e que tem algumas pessoas que demonstram ter uma certa inveja da minha condição de um precoce aposentado. O cara tem problemas de saúde e está com uns 60 anos e ainda não se aposentou, e acho que por isso vive falando mal de mim, e procurando achar um ponto fraco na minha personalidade. Às vezes respondo as provocações dele, afinal não sou de ferro. E aí ele dá uma de vítima, devido a sua condição de saúde. E acho que fico meio como o vilão da história, mas não tenho mais receio do falatório alheio...
    Não tenho certeza  quando irei viajar. Não sei se viajo no final de setembro ou então espero o período de chuvas acabar depois do mês de março do ano que vem. É complicado viajar pela estrada real no período das chuvas, já que 90% do caminho é de estrada de terra. Mas não sei se irei aguentar esperar tanto tempo. Estou com saudades de sentir o vento na cara, de estar cada dia em um lugar diferente. E até dos perrengues do caminho estou sentindo falta. Estou sentindo é falta de emoções, de viver um pouco perigosamente. Só um pouco, nem tanto né? Tem gente que sai viajando pelo mundo de bike, e eu só vou viajar um pouquinho pelo meu país.... 

a cachoeira do Tabuleiro, com seus 273 metros de altura é uma das atrações do caminho dos diamantes. 

     Serão 910km, 200km a mais do que o "Caminho velho" da estrada real que fiz a pé. Mas deste vez não pretendo fazer uma viagem rápida, quero curtir o caminho, parar nas cachoeiras, sentir o ar puro do interior de Minas Gerais. Fico até mais comunicativo durante as minhas viagens. Aqui nesse cotidiano geralmente na maioria dos dias dá para contar a quantidade de palavras que pronuncio durante o dia inteiro... Geralmente falo alguma coisa quando compro algo na padaria, mas só o necessário mesmo. Na maioria das vezes respondo balançado a cabeça quando me perguntam algo. Sou antissocial hoje em dia não por conta exclusiva da esquizofrenia, é mais uma opção, pois atualmente me conheço bem e convivo muito bem com meus pensamentos. Antes o isolamento era por conta de me achar um cara bem esquisito mesmo, e também por conta da mania de perseguição exagerada. 
    Além disso, sinto que preciso dar esse tempo comigo mesmo, afastar de tudo, ouvir o som do silêncio e refletir um pouco sobre minha vida. Acho que o fato de estar com 49 anos está influindo nessa necessidade de reflexão. Sempre quando completo mais uma década de vida tenho esse tipo de comportamento. Refletir sobre o que fiz e o que ainda tenho por fazer, se estou sendo uma boa pessoa, um bom ser humano. Sobre o que preciso melhorar, sobre coisas que devo deixar de lado e outras coisas que devo incluir em minha vida. É um pouco estranho isso ter de esperar completar uma década para começar a refletir sobre tudo o que nos cerca e sobre nós mesmos. Claro que sempre procuro refletir sobre certas coisas em qualquer período de minha vida,  mas isso vem com mais intensidade quando estou perto de completar mais uma década de vida. 
     Estou com vontade de morar em uma pequena cidade, ou de porte médio. Uma cidade com praia, ou então no interior, aonde o sossego e a tranquilidade ainda não tenham sido comprometidos pelo progresso. Mas para isso terei que aprender a cozinhar, pois sou um desastre na cozinha e acho que entrarei em depressão ao ter que degustar os pratos feitos por mim. Não é toda cidade que tem restaurante popular. Mas a internet está aí e o que não falta são vídeos, sites e blogs com dicas de culinária. Quem sabe eu goste e até se torne uma terapia?
     Quem puder me ajudar na compra da barraca, do saco de dormir e do colchão é só me enviar um email ou então usar as seguintes contas:
memoriasdeumesquizofrenico555@gmail.com

Julio Cesar dos Santos de Oliveira
    Caixa Econômica Federal
   Agência 2332 Ipatinga MG
   Caixa Econômica Federal
   Operação 023
   Conta 00016678-2
ou
Caixa econômica federal
Agência 2332
Operação 013
Conta 00035331-3

    Apesar de não gostar de mecânica, estou curtindo muito o monta e desmonta da bike. Tenho que ficar craque em manutenção, pois não quero passar muitos perrengues no caminho. E também tem a questão da economia, vai lá saber quanto o mecânico irá cobrar para arrumar uma bicicleta em uma cidade pequena. Ele sabe que é o único a prestar esse serviço e que estou em apuros... Melhor ser independente e gastar um pouquinho de tempo aprendendo os macetes da manutenção em bikes. 
    Como disse, a bicicleta não é das melhores, mas não pretendo correr muito, afinal as paisagens são muito bonitas, quero mesmo é curtir o som do silêncio e as montanhas de Minas. 

E depois da viagem?
    Depois da estrada real, acredito que irei descansar minhas canelas em uma cidade pequena qualquer que tenha praia.As empresas de ônibus de viagem não criam empecilhos de levar uma bike no bagageiro, desde que as rodas tenham sido desmontadas e fixadas no quadro da bicicleta e que tudo esteja protegido com papelão, para não estragar as outras bagagens. 
    Depois desse breve descanso na praia, pretendo ir ao centro-oeste e norte do país, lugares que ainda não tive o prazer de conhecer, mesmo quando trabalhava como operador de som. 
   Se por acaso ganhasse na loteria, não iria conhecer a França, a torre Eiffel. etc... Iria sim percorrer ponta a ponta esse país maravilhoso e bonito por natureza chamado Brasil. 
    Claro que existem lugares lindos neste mundão, mas o Brasil, além da natureza tem um povo maravilhoso e a cultura muito interessante. Viajar não é só comer e visitar os pontos turísticos, é também conhecer a cultura e o povo desses lugares. 
    Acredito também que minha mania de perseguição iria aumentar consideravelmente em um país de língua estrangeira, pois já fico muito bolado quando vejo dois gringos conversando. Penso que estão falando mal de mim. Engraçado é que me lembro que, quando tinha uns 22 anos já tinha um pouco disso. Fiquei pensando que duas americanas estavam rindo de mim quando fiz uma viagem de Salvador à Belo Horizonte. Elas não paravam de rir e de conversar. 
    Então para que ir tão longe se temos um país tão bonito e ainda podemos conversar e aprender com o povo? Não tenho muita noção de inglês e quero mesmo e apreciar a culinária do Brasil. Detesto aqueles pratos enfeitados, com flores, todo montado, etc.. 
    E depois de conhecer o norte do Brasil não sei se volto pra Belo Horizonte, se moro na praia ou até então goste tanto dessa vida de ciclista que faça da minha vida uma eterna andança... 

   Esse cara está viajando há vinte anos. Ele nasceu todo complicado, cheio de problemas de saúde, mas conseguiu superar tudo e hoje é um exemplo de superação. Muito dizem que sou louco ao fazer estas viagens, mas me sinto a pessoa mais normal do mundo ao ver esses caras, confesso que até tenho um pouquinho de inveja do fato deles terem coragem de viajarem para outros países distantes. Mas sinto mesmo é uma enorme admiração por esta "loucura" positiva. Na verdade não considero loucura o caminho que uma pessoa escolhe, sabendo que será feliz ao percorrê-lo... Loucura é não procurar ser feliz e não ser a gente mesmo.... 

4 comentários:

  1. É isso ai, realize seu sonho, celebre a vida! Tire fotos para postar para nós - dos lugares, das pessoas, das comidas. Vai dar tudo certo. Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      Vou sim postar as fotos e o diário dessas viagens. Não imagino como será, pois não irei planejá-las irei deixar acontecer. Mas acho que vai ser menos perrengosa pelo fato de ser de bike e não a pé.

      Excluir
  2. Admiro sua capacidade, vai dá certo, não esqueça de postar fotos dos lugares legais e bonito .tome muito banho de mar. Contemplar a natureza . Bom mesmo sair. Quem se importa com essa gente, que não sabe viver.daí quer titi da vida alheia . Sorte saúde sucesso. Forte abraço . Acho que é o inverno me deprime. Ando tão cansada dos persegues.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela força e pela visita ao blog.
      O inverno aqui de Belo Horizonte é muito bom, só faz um friozinho de leve, mas logo de manhãzinha vem um solzinho para esquentar.
      Aí no Rio o inverno também não deve ser rigoroso.
      Vou sim postar as fotos, é também um hobby, apesar de não ter câmera profissional.

      Excluir