sábado, 19 de maio de 2012

Por que escrever um blog?




   Há cerca de oito meses atrás postei alguns vídeos no youtube falando sobre esquizofrenia. Infelizmente não me senti a vontade em frente à câmera e, como escrevo melhor do que falo, resolvi criar esse blog. Estava chateado, pois na época havia ocorrido a tragédia do "atirador de Realengo", em que um homem entrou em uma escola com uma arma (ou duas) e matou várias crianças inocentes. No dia seguinte, após a tragédia, um "psiquiatra" chegou a afirmar em uma emissora de TV que o indivíduo era portador de esquizofrenia. Me estranha o fato de um profissional da saúde mental conseguir "diagnosticar" uma pessoa com base apenas no noticiário televisivo.... Se já é difícil dar um diagnóstico presencialmente após várias consultas...
Acredito que esse rapaz  poderia ser um psicopata, pois o que ele fez foi muito friamente calculado com bastante antecedência e não foi fruto de um surto psicótico. 
    Há pouco menos de um mês, ocorreu um outro fato lamentável envolvendo transtornos mentais. Um homem matou pelo menos três pessoas na cidade de Garanhuns, cometendo depois o ato de canibalismo com os corpos das vítimas.

        Em relação ao atirador de realengo, não posso afirmar se foi comprovado ou não se ele era portador de esquizofrenia. Já o canibal de Garanhuns, realmente ele tomava medicamentos e fazia tratamento para controlar a esquizofrenia. Inclusive, ele chegou a registrar em cartório um livro em que relatava suas visões e sobre a sua infância. Embaixo vai o link do livro dele, chamado revelações de um esquizofrênico. 
    Não estou aqui para defender as pessoas que cometeram crimes alegando problemas mentais. Creio que, se representam perigo à sociedade, devem cumprir a pena como qualquer cidadão normal
    Agora faço-lhes uma pergunta: as penitenciárias estão superlotadas de "loucos" ou de pessoas supostamente "ditas normais"? Homens que mataram suas companheiras simplesmente por que não aceitaram o fim do relacionamento e que pensavam que, se não fossem deles, não seriam de ninguém. Crimes dos mais variados tipos e crueldade são praticados por pessoas consideradas normais pela sociedade. E o casal nardoni, o que dizer? Existe algum motivo para se atirar uma criança de um prédio? 
    Gostaria de dizer que 1% da população sofre de esquizofrenia. É bastante gente. Faça as contas, considerando a população de sua cidade ou até mesmo a mundial. São pessoas que trabalham, estudam ou que se aposentaram devido a gravidade do caso, mas que tem suas qualidades e defeitos como qualquer ser humano. Alguns podem até serem agressivos quando estão em crise, mas a verdade é que a maioria dos esquizofrênicos fazem mais mal a si mesmo do que para outras pessoas. 
    Provavelmente, você conhece ou deve ter conhecido algum portador de esquizofrenia, só que não sabe disso. Por causa do preconceito e da falta de informação, a maioria dos portadores não revelam publicamente que tem esse transtorno. Já perdi alguns amigos quando revelei que tinha esquizofrenia, mas não desisto de tentar mudar o conceito que a maioria das pessoas tem sobre ela. Logo abaixo tem uma reportagem sobre a esquizofrenia feita no programa do Jô Soares, inclusive gostaria de parabenizá-lo, pois não é a primeira vez que ele aborda esse tema em seu programa. 





     
Abraços a todos e até a próxima postagem. Podem comentar a vontade, fazendo perguntas e dando sugestões sobre o assunto. 










8 comentários:

  1. Julio
    Super interessante seu blog, fez bem em escrever se te faz sentir melhor do que falar, escreve muito bem e achei que foi muito claro na maneira como citou as coisas, tipo sobre o que os medicamentos faziam ou fazem, sobre os crimes cometidos, sobre a prisão e realmente essa ultima questão é complicada, o que tem na superlotação das prisões?
    Acredito eu que a grande maioria senão todos, estão ali pq são "normais". digo isso pq não acredito que uma pessoa com transtorno mental ficaria na prisão e sim num hospital psquiatrico.
    Quanto aos medicamentos, como disse, cada caso é um caso, eu sou bipolar, minha filha é bipolar (um grau maior que o meu), ela tomou inumeros antipsicoticos que fizeram muito mal, mas acho que se acertar na dose e a medicação correta, tudo se ajeita, só q isso exige sacos de paciência e um bom e super profissional psiquiatras, o que é raro de se encontrar, sei bem são efeitos colaterais, e é bem isso que citou, ele trava td, até o choro em algumas pessoas, mas cada um é tão diferente do outro né?
    Bom, se me deixar, fico horas aqui, então vou nessa, muito legal seu blog, venho visitar sempre....beijooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho Luiza, resolvi escrever o blog para falar sobre a esquizofrenia de uma maneira simples mesmo, pois,quando ia pesquisar o assunto na internet, sempre me deparava com profissionais da área usando uma linguagem mais científica. Acho que os portadores tem que se expressar para que cada dia o preconceito sobre a esquizofrenia diminua, pois infelizmente o assunto só aparece na mídia quando ocorre alguma tragédia.

      Excluir
  2. Júlio,
    meus parabéns pelo teu blog. Vc escreve muito, mas muito bem. Acho que vc deveria enviar os seus artigos para revistas semanais ou até mesmo jornais. Faça isto, pode demorar um pouco para eles lerem, mas vai acontecer. Primeiro passo, caneta e papel, peça ao jornaleiro e anote todos os e.mails ou sei lá mais o quê.
    Depois vc me conta, ok? Agora, quanto a tua esquizofrenia, acredito que o grau é baixo, se não vc estaria em situação realmente difícil.
    Iara Carvalho
    iara@cathedranet.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Iara muito obrigado pela força. Eu escrevi um livro sobre os surtos que tive e como foi toda a história até eu me aposentar, mas é muito difícil editar um livro, quer dizer, até que é fácil,é só ter o dinheiro rsrsrsrsrs. Mas vou batalhando por aqui. A minha esquizofrenia, se comparada ao que vejo em outras pessoas, pode ser considerada de um grau baixo, pois algumas pessoas tem surtos mesmo medicadas. Quando estou estabilizado, dá para ir levando a vida, só a mania de perseguição que me atrapalha e muito. Vou add vc no msn se vc tiver o costume de ficar lá iremos conversar.

      Excluir
  3. GOSTEI DO SEU BLOG...AINDA ESCREVI SOBRE A ESQUIZOFRENIA...NÃO É DOENÇA...OS LOUCOS ESTÃO NO SENADO, E NAS PESSOAS QUE SE DIZEM "NORMAIS".PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com você, o senado e as cadeias também estão superlotadas de pessoas ditas normais. A cada dia que passo me sinto a pessoa mais normal do mundo ao ver o noticiário na tv. Obrigado pela visita ao blog, vou continuar a escrevê-lo sim, agora mais como uma forma de diário mesmo, para registrar as minhas andanças pelo Brasil, pois não vou estar tão por dentro do que está acontecendo por ai para dar os meus pitacos.

    ResponderExcluir
  5. oiii alguem sabe se pode engravida tomando aristab ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uso em populações específicas
      - Gravidez
      Não há estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas.
      É desconhecido se aripiprazol pode causar danos ao feto quando administrado
      a uma mulher grávida ou se pode afetar a capacidade reprodutiva.
      Se a mãe de um recém nascido utilizou medicamentos
      antipsicóticos durante o terceiro trimestre de gravidez, ele apresenta
      o risco para sintomas extrapiramidais e/ou de abstinência após o
      parto. Pacientes devem informar ao médico se engravidarem ou se
      pretendem engravidar durante o tratamento com aripiprazol. Aristab
      deve ser utilizado durante a gravidez apenas se os benefícios potenciais
      esperados compensarem o possível risco ao feto
      Fonte: http://www.ache.com.br/Downloads/LeafletText/423/BulaAristabMaio2014.pdf
      Acho um pouco arriscado usar aristab durante a gravidez, justamente pela falta de estudos sobre a questão.

      Excluir