quarta-feira, 11 de junho de 2014

A minha esquizofrenia atual

 
     Seja na mídia em geral, em conversas com profissionais da área da saúde mental e, principalmente conversando com pessoas que não tenham nenhuma ligação com a esquizofrenia, podemos facilmente chegar a incompleta e equivocada conclusão de que essa patologia é basicamente uma loucura, os surtos, os delírios e a mania de perseguição.
    -"A esquizofrenia apareceu em minha vida aos 32 anos" - eu costumava dizer, pois foi com essa idade que tive os meus primeiros surtos.
    Mas, depois de vários anos estudando o assunto, aliado a uma indesejada e relativa "experiência" com a patologia, pude chegar à conclusão de que a maioria das pessoas se esquecem de outros elementos que compõem o transtorno da mente dividida.
    Analisando a minha infância e adolescência, pude perceber que já havia algo de estranho comigo. Me achava um cara esquisito, diferente. Algumas pessoas que me conheciam também achavam:
    - Mas ninguém é igual a ninguém... - procurava argumentar.
    - Mas você é muito diferente! - certa vez uma amiga me respondeu.
    Sempre que ouvia esse tipo de comentário, não dizia nada, ficava apenas calado. Afinal não tinha resposta para dar e nenhuma explicação por ser tão diferente.
    Cheguei a ter uma fase agressiva na infância, brigava muito na escola(mas só brigava com os menores do que eu, só parei de bancar o machão quando levei uma surra de um cara do segundo ano)
    Tinha meus momentos de alegria, mas era uma criança triste. Confesso que não gostei nem da minha própria festa de aniversário, quanto eu tinha uns cinco anos. Fiquei de cara fechada a festa inteira, nem na hora que liberaram os doces fiquei contente. Acho que por isso a minha avó nunca mais fez festa de aniversário para mim. Me lembro que meus colegas ficaram meio sem graça naquele dia. Um silêncio meio constrangedor tomava conta da casa, só quebrado por um "parabéns pra você" um tanto o quanto sem graça e meio forçado. Será que foi por causa disso que até hoje não gosto da data do meu aniversário ou é pelo simples fato de ficar um ano mais velho?
    Creio que a infância e a adolescência sejam importantíssimas na formação da pessoa, seja ela esquizofrênica ou não. Não cheguei a conhecer o meu pai, e minha mãe não conversava com ninguém(nem comigo). Hoje sei que ela tem alguns elementos da esquizofrenia, mas, na época pensava que não gostava de mim. Estou procurando respostas para a minha esquizofrenia na psicanálise, mas confesso que é um caminho meio complicado. Não tenho paciência hoje em dia para esse tipo de leitura, mas vou tentar decifrar algo por esse campo da investigação da mente humana.
até que gostaria, mas é muito difícil para mim entender o que esse cara diz
     Fui crescendo e continuando a me sentir um estranho. Era até um cara engraçado, mas não me sentia bem nas maiorias. Na escola fazia parte da tribo dos roqueiros, composta por uns cinco ou seis alunos em uma turma de trinta pessoas. Mas era um cara tranquilo, sempre fui um pacato cidadão mesmo. Era distraído, não reparando em nada em minha volta. (hoje, apesar do esforço de andar sempre olhando para baixo, fico reparando em tudo!).
    Certa vez, quando tinha uns 22 anos, uma garota chegou para mim e disse:
    - Nossa, como estou a fim de tomar uma cervejinha...
    - Ali naquela esquina tem um monte de bar! - respondi meio "bobamente", não prestando atenção ao tom de voz da garota e pensando que aquela frase era apenas uma simples afirmação e não um subentendido convite. Anos depois é que fui sacar que a garota queria sair comigo e me deu um arrependimento, pois ela era bonita, era dançarina de uma banda chamada Veludo Cotelê.
    Eu era meio bobão mesmo, a verdade era essa. As coisas tinham que ser ditas bem claramente para que eu pudesse entendê-las, principalmente no campo sentimental.
    Em um desses carnavais em que trabalhei como operador de som, uma garota se aproximou de mim e perguntou:
    - Você pode me fazer um favor?
    - Sim. - respondi.
    - Pode me dar um beijo? - ela perguntou, com um pouco de timidez e singeleza.
    - Até dois, se quiser! - respondi sem titubear. Ai sim saquei que uma garota estava a fim de mim.
    E na maioria das vezes foi assim. Não bastava um simples olhar. A garota ou mulher que desejasse me conhecer teria que ser desprovida de qualquer preconceito sobre quem deve tomar a iniciativa em um relacionamento.
    Mas eles não duravam muito, não mais do que três encontros. O que mais durou foi a menina que me pediu "o favor" dos beijos. Nos encontramos duas vezes no carnaval e uma semana depois fomos ao cinema para assistir Ghost, do outro lado da vida. (eu queria assistir filme de terror, mas ela acabou me convencendo que aquela era a melhor opção).
    Perdi várias oportunidades de conhecer outras mulheres, por causa da timidez ou por causa de uma latente esquizofrenia que nos faz pensar que ninguém gosta da gente. Mas o conselho que dou é que, independente de ter transtorno mental ou não, devemos tentar,  pois o máximo que poderemos levar é um fora( escuto essa frase desde criança rsrsrs). Parece simples, mas a coisa não é tão fácil assim para quem não tem auto estima em alta.(está correto dizer "auto estima em alta"?)
    Então, analisando esse e outros comportamentos que tive e ainda tenho, posso dizer que nasci esquizofrênico ou então adquiri esse transtorno muito cedo, quando era criança mesmo, pois a esquizofrenia não é somente os chamados sintomas positivos. Os outros sintomas, chamados de negativos, são tão ruins como os positivos( aliás, o que tem de positivo nas alucinações?).
    Hoje em dia não tenho mais surtos, mas isso não quer dizer que estou livre da esquizofrenia. O que está pegando no momento é o desânimo, a apatia e não achar graça em quase nada. E sem contar o tal do embotamento afetivo. Parece que as emoções ainda estão dentro de nós, mas que, por algum motivo o nosso cérebro não consegue mais acessá-las. por isso que às vezes ficamos com a face sem expressão e com o olhar vago. No meu caso em particular, acho que, por ter sido emotivo demais, ainda os meus olhos às vezes brilham por algum motivo. São vagas recordações de um passado livre de paranoias. Acho que ainda existe uma "pinguela" para a região do meu cérebro responsável pelas emoções. Ou será que esse lance de química e razões biológicas para as emoções e sentimentos é pura balela? Para mim não é. Por exemplo, se estamos gostando de alguém tudo fica azul, o fato de nos sentirmos bem faz com que nosso cérebro produza as substâncias que nos dão o bem estar. O inverso também acontece, se ficamos irritados e estressados, podemos ter uma gastrite, úlcera, etc. Ou seja, mente e cérebro estão muitissimamente ligados.
    O pior de tudo nos sintomas negativos é que eles são pouco conhecidos e comentados. Então somos chamados de preguiçosos e fingidos e que tudo o que estamos passando é frescura. Os psiquiatras parecem ser meio relutantes em receitar anti-depressivos para os portadores de esquizofrenia, talvez por aumentar as chances de auto-extermínio(li isso na bula de um anti-depressivo).
os sintomas negativos são muitas vezes confundidos com preguiça por quem está de fora 
    Já cheguei a experimentar o prozac e a sertralina, mas não obtive nenhum resultado positivo. Apenas na primeira vez que usei a fluoxetina é que fiquei um pouquinho animado, mas creio que o efeito foi apenas psicológico, afinal eu estava usando a famosa "pílula da felicidade".
    O "engraçado" de tudo isso é que, para os sintomas negativos os psiquiatras receitam medicamentos que nos dão muita sonolência. Oras, se com esses sintomas o que sentimos é uma imensa vontade de não fazer nada e ficar na cama o dia inteiro, para que remédios que nos dão moleza? A risperidona é um dos mais usados nesses casos.
    A única coisa que sei é que os sintomas negativos são uma merda. Nos positivos eu surtava, caia, ir para as ruas, perambulava pelas BR's, mas, depois da tempestade eu tinha ânimo e forças para começar tudo do zero de novo e me levantar. Hoje em dia, a única coisa que quero é ficar no meu cantinho e continuar as minhas andanças por ai. O próximo roteiro será o caminho dos diamantes da estrada real. Que saudades dos quitutes da culinária mineira, das cachoeiras, de andar pelas estradas de terra que ligam os povoados e cidades!
    Em São Paulo parece que o inverno já chegou. Mas é um inverno cinzento, úmido, com garoa e chuva. Sem contar o forte vento frio que corta o dia inteiro. Em Belo Horizonte o inverno não é tão rigoroso e os dias são quentes, e o sol sempre dá o ar de sua graça para nos aquecer de manhãzinha.
    Acho que só vou esperar essa confusão de copa do mundo passar para voltar para BH. Mesmo morando nas ruas, me sentirei em casa, pois é onde que eu nasci e me sinto à vontade.
    Esse é um dos últimos posts do meu blog. Creio que fiz um bom trabalho nesse meu projeto. Quero dar um novo rumo a minha vida. Já estou com a grana para comprar a TV, só falta agora juntar mais um pouco e comprar um notebook e acabar de quitar os empréstimos que fiz. Não preciso de muito para viver. Só quero paz. Pretendo continuar com as minhas andanças e postar o diário das viagens e as fotos aqui no blog, mas creio que só vou fazer mais alguns posts sobre a esquizofrenia.
    Quero parar de falar sobre esquizofrenia. Quero esquecer o passado, apesar de me sentir útil ao escrever o blog. Acho que esqueci de tentar de esquecer a esquizofrenia( tô meio romântico, acho que é por causa do dia dos namorados sahsuashaushas). Claro que gosto de ajudar as pessoas que estão passando neste momento o que eu passei há alguns anos atrás. Acho que é uma obrigação de todo portador que está estabilizado ajudar o seu semelhante. Mas eu já estou um pouco desgastado com tudo isso, já não tenho mais complexo messiânico, não tenho a intenção de ser o salvador da pátria.  Gostaria muito que divulgassem o blog, pois foi feito com muito esforço e carinho. Os psiquiatras e psicólogos ganham muito bem e cobram caro para resolverem, ou melhor, tentarem resolver os mistérios da mente.
    Bem, amanhã é o dia dos namorados, não vou escrever nada sobre o assunto, já publiquei um post sobre o assunto dois anos atrás, bem no começo do blog, e até hoje as coisas não mudaram muito não. Então, é só reler o post, basta clicar no link abaixo:
http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2012/06/post-especial-do-dia-dos-namorados.html
 Parabéns a todos os casais, sejam eles esquizofrênicos ou não.
     Então, como homenagem, vai esta música do Lionel Ritchie. Essas músicas me fazem lembrar da professora Beth, que dava aula de inglês no colégio Nossa Senhora do Monte Calvário. Ela usava muito essas traduções de músicas para melhorar o aprendizado de inglês(mas acho que no meu caso não adiantou muito não shasuahsashaushas)



Gamado em você 
Gamado em você
Tenho essa sensação no fundo da alma que não posso perder
Imagino que estou a caminho
Precisava de um amigo
E do jeito que me sinto agora penso que estarei com você até o fim
Imagino que estou a caminho
Estou muito feliz por você estar aqui

Estou gamado em você
Tenho estado feito bobo por tanto tempo que acho que é hora
De eu voltar para casa
Imagino que estou a caminho
Difícil de ver
Que uma mulher como você pode esperar de um homem como eu
Imagino que estou a caminho
Estou muito feliz por você estar aqui

Oh, estou partindo no trem da meia-noite de amanhã
E eu sei exatamente onde vou
Eu embrulhei meus problemas e os joguei fora
Porque desta vez, querida
Estou indo para ficar

Gamado em você Tenho essa sensação no fundo da alma que não posso perder
Imagino que estou a caminho
Precisava de um amigo
E do jeito que me sinto agora penso que estarei com você até o fim
Imagino que estou a caminho
Estou muito feliz por você estar aqui


Link: http://www.vagalume.com.br/lionel-richie/stuck-on-you-traducao.html#ixzz34LLZ2U6t

14 comentários:

  1. Julio, adorei o post! Tb queria um pacato cidadão sem medos e preconceitos, li o outro post. Queria o livro, mas não suporto ler no computador, gosto do livro mesmo, qdo tiver me avise, tá? Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, mas se você não gosta muito de ler no PC, é só pedir o livro em PDF e depois mandar imprimir e encadernar, não fica muito caro não.

      Excluir
  2. ÔÔÔÔÔ My Brother...
    Que caminho louco esse irmão... está valendo a pena ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, no início foi uma maravilha, tudo era novidade. Mas aqui em São Paulo as coisas estão meio sem graça, estou aqui dando um tempo para pagar os meus empréstimos, pretendo alugar um cantinho para morar. Mas claro que vou continuar com as minhas andanças por ai, principalmente pelo interior de Minas Gerais, que tem um povo muito acolhedor e educado. Mas de uma maneira geral está valendo a pena, conheci muitos lugares e pessoas legais. E das coisas negativas procuro sempre tirar lições.

      Excluir
  3. Pow cara tbm sou esquizofrenico. E foda essa doença. Massa teu post vou sempre passar por aqi se tu continuar postando. Abraços seu broder do norte. - andrey am

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, a esquizofrenia pode parecer frescura para alguns, mas só quem tem é que sabe o que esse transtorno atrapalha nossas vidas. Vou ver se continuo postando, aqui em São Paulo estou meio sem graça, estou mais triste do que um paulistano, mais sem graça do que um vilão quando cai o pano shasuahsuashas (obs: música "telegrama" do Zeca Baleiro)

      Excluir
    2. Verdade so quem tem sabe oq e...
      Eu to na luta. Faz poucos dias que larguei o trabalho pra descansar a mente(minha faculdade ta pra começar) cara se tu tiver alguma dica(pra melhor controlar a mania de perseguição ta ae meu email andreydeandradebezerra@hotmail.com
      Agradeço maninhow força e alegria ;)

      Excluir
    3. E realmente muito chato. Recentemente larguei o trabalho para descansar a mente(minha faculdade ta para começar) ei broder tu tem alguma dica para minimizar o sentimento de perseguição ? Abraços paz;)

      Excluir
    4. Gostaria de ter uma dica para esse sintoma da esquizofrenia. Medicamentos são um pouco complicados, pois, se de um lado eles prometem acabar com esses pensamentos, de um outro lado eles também acabam com a vontade de fazer várias coisas, devido a sonolência. Não sou totalmente contra os medicamentos, acho que todo mundo deveria tentar se o caso for realmente grave, pois cada pessoa reage de uma maneira diferente aos medicamentos.

      Excluir
  4. Parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, qualquer sugestão para melhorá-lo é bem vinda, como também sugestão de temas a serem abordados. Abraços

      Excluir
  5. Julio você é um ser muito interessante e seu blog não podia ser diferente!
    Eu tenho algumas desordens e obsessões, agora estou obcecada com essas questões psicanalíticas a fim de me entender também. Ando devorando tudo quanto é conteúdo psicanalítico e não pude ignorar o que você citou. Esses seguintes conteúdos podem te ajudar:
    http://www.psicologiasdobrasil.com.br/as-estruturas-clinicas-na-visao-da-psicanalise/

    https://www.ufrgs.br/psicopatologia/wiki/index.php?title=O_complexo_de_castração_na_estrutura_psicótica

    Sugiro muito o canal do YouTube do psicanalista Christian Dunker, tudo parece mais fácil com ele :)
    Na verdade admiro seu blog a um tempo só que eu também sou uma pacata cidadã inclusive na internet, mas como eu estou um pouquinho mais extrovertida no momento, resolvi compartilhar isso.
    Não pude me esquecer daquela sua famosa postagem do dia dos namorados, me identifiquei muito com você. Se tá difícil encontrar um pacato cidadão, imagina pra mim que ainda tenho um TOC de evitação severo...mas vida que segue né?
    Parabéns não só pelo blog mas também pela pessoa que você é! E força para todos nós que sofremos desses conflitos :)

    Júlia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Obrigado pelas palavras e pela dica. Não sou muito fã da psicanálise, na verdade sou uma pessoa simples, não gosto muito de termos e textos complicados.
      Mas vou dar uma olhada depois sim.
      O que seria toc de evitação?

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir