quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Sonhos de um esquizofrênico

Em busca da felicidade
o que te faz feliz?
    Há alguns dias atrás, para variar, estava garimpando na internet à procura de um bom filme para distrair um pouco a minha paranoica mente e sair um pouco da realidade entediante que vivo no momento. É isso mesmo! Viajo nos filmes (nos bons, é claro), me vejo dentro deles, rio sorrio, torço para que tudo acabe bem e não raramente choro nos finais de alguns filmes em que morre um dos atores principais ou até mesmo o cachorro de estimação da família. Semana passada me peguei chorando pela segunda vez ao assistir pela segunda vez o filme "Ponte para Terabitia".... E não tenho certeza se não vou chorar se assistir pela terceira vez...
    Não preciso de drogas para viajar e sair da realidade. Não tem nada demais em dar uma passeada no mundo dos sonhos, o problema é viver constantemente por lá e esquecer da realidade. Nessas minhas buscas por filmes, encontrei um que achei bastante interessante que tem como título "Hector, e a busca pela felicidade". Na verdade estava procurando algum site para assistir online o filme "Em busca da felicidade", que também é muito bom. Abaixo o link para quem quiser assistir online e com boa qualidade de vídeo, só a dublagem nos primeiros cinco minutos não está sincronizada.
é só clicar em DropVideo e relaxar... o player do vídeo principal não "funfou"...
Sinopse: O psiquiatra Hector (Simon Pegg) está cansado de sua vida e dos problemas de seus pacientes. Ele, na verdade, se sente frustrado por não conseguir ajudar seus pacientes a encontrarem a felicidade. Com o incentivo da esposa (Clara Rosamund Pike), ele faz uma viagem sozinho ao redor do mundo, em busca de novas experiências. Durante a viagem, ele começa a questionar as pessoas sobre o que as fazem feliz e se dá conta que precisa questionar-se à si mesmo.
   Assisti este filme, por ser uma comédia. De dramas já bastam o que temos em nossas vidas. E valeu e muito a pena ficar 120 minutos grudado na tela da tv. Não sei se foi coincidência ou obra do destino, ou seja o que for, mas estava precisando exatamente assistir este filme. Aconteceu algo parecido comigo quando resolvi fazer as minhas andanças, pois não estava feliz vivendo naquele lugar cercado de usuários e vendedores de crack. Aquilo não era vida, o aluguel podia ser barato, o quarto razoavelmente bom, era perto do restaurante popular mas o principal, que é a paz, já não tinha.
    E também sempre me questionei como se sentem os psiquiatras e psicólogos. Será que eles ficam pensando nos problemas de seus pacientes após saírem de seus consultórios? Será que conseguem ser tão profissionais e conseguem deixar tudo de lado e não levar nenhum problema para casa? 
    Não sei, e acho um pouco estranha essa profissão: afinal, teoricamente e simplificadamente esses profissionais têm que dar à seus pacientes algo que talvez eles nem tenham a resposta: a fórmula da felicidade...
    Mas será que existe "a" fórmula da felicidade ou existem as fórmulas? O que é felicidade para você? Existe a felicidade ou as felicidades? O que te faz feliz também faz com que outras pessoas se sintam felizes?
    Felicidade deve ser um conceito, ou seja, para um religioso felicidade é estar com o seu Deus, já para psicologia deve ser o cérebro funcionando perfeitamente e produzindo a serotonina e outras "inas" mais na quantidade suficiente. Já os budistas acreditam que o sofrimento esteja no desejo, ou seja, para não sofrermos, basta não querermos...
     Quando criança, não pensava nestas questões. Não era totalmente feliz, mas ficava feliz na maior parte do tempo, afinal tinha uma bola e amigos para jogar o futebol, war e banco imobiliário. Além de ter o quarteirão inteirinho para brincar de esconde-esconde, naquela época subíamos nos telhados das casas para nos escondermos, entrávamos nos prédios e não havia problema nenhum. Hoje em dia provavelmente seríamos confundidos com assaltantes... 
    Como toda criança, sonhava em ser jogador de futebol (quem nunca sonhou?). Me via jogando pelo América e fazendo um gol em cima do atlético mineiro e indo comemorar com a pequena torcida e silenciando o estádio Mineirão tomado em preto e branco. Já naquela época torcia para os menos favorecidos vencerem...

    E o tempo foi se passando e o conceito de felicidade por um pequeno espaço de tempo confesso que se resumiu a possuir bens materiais, e ter dinheiro para viajar por ai e curtir a vida. Mas isto era apenas um sonho, que nunca me esforcei para que se tornasse realidade um dia. Já era um pouco depressivo, e desde a adolescência já não me via passando dos 35 anos de idade. Era como se soubesse o que iria acontecer por volta dessa idade: os surtos, as crises, e a esquizofrenia aparecendo na minha vida. Minhas tentativas de auto extermínio foram fracassadas, quando fiz 32 anos. Cheguei a ter um complexo messiânico tão forte que acreditava que não passaria dos 33 anos...
     Infelizmente tive que passar por situações complicadas para mudar o meu conceito de felicidade. Conheci a solidariedade das pessoas nos momentos mais difíceis, e isso não tem preço. Vi que ainda existem pessoas boas neste mundo e que nem tudo está perdido ainda, Me lembro até hoje de um morador de rua que me ofereceu um marmitex cheio de carne. Não era arroz e feijão, era carne e estava quente e bem feita. E, ficou mais gostoso ainda por causa da fome que estava sentindo, pois havia ficado no mato por alguns dias e perdido cerca de 25kg, por causa de um surto que tive. Também não esqueço de um garoto que deveria ter na época uns 13 anos, que recolhia material reciclável e que certa manhã me cobriu com um pedaço de cobertor, ao me ver dormindo tranquilamente em uma calçada. E tem vários outros exemplos de ajuda que recebi, não tem com contar tudo aqui no blog. 
    Será que é preciso estarmos infelizes e sofrermos para mudarmos o nosso conceito de felicidade? Será que aquela frase "o homem sempre quer mais" é verdadeira e nunca vamos nos contentar com o que temos? Sinceramente não posso responder por todos, mas no meu caso em particular as experiências ruins me fizeram mudar de opinião e hoje a felicidade mudou totalmente para mim. Claro que sempre vou procurar melhorar em algo, ter algum objetivo, mesmo que material, para também ter algum sentido nesta vida, confesso que não sou muito fã da filosofia do budismo que o não sofrer vem do não querer. 
    Mas hoje seria muito feliz se ao menos pudesse tomar um cafezinho na padaria com um pãozinho bem quentinho de manhã sem ao menos pensar que eu possa estar sendo envenenado. 
    Seria mais feliz se pudesse sacar o meu pagamento e não imaginar que o segurança esteja pensando que eu seja um assaltante de bancos. É uma%$@#%$@%# quando vou à um shopping e vejo o segurança falando no rádio de comunicação. Penso que está falando com um outro segurança:
    - O suspeito está subindo a escada em direção ao segundo andar...
    Seria feliz se conseguisse simplesmente andar pelas ruas sem ao menos imaginar que estão todos olhando para mim e comentando algo a meu respeito...
    Podem pensar que a maioria dos portadores de esquizofrenia sejam sonhadores, que vivem no mundo da lua, etc. No meu caso, sim, dou umas viajadas sem drogas por ai, mas logo volto à realidade, mas o meu maior sonho hoje em dia é me ver livre desse troço chamado esquizofrenia...
    E você, qual o seu conceito de sonho?

CDE- Central de Downloads do Esquizo
   Esta semana na CDE estou disponibilizando um ótimo livro sobre a bipolaridade. Posso recomendar pois consegui ler este livro inteiro, pois ainda os sintomas negativos da esquizofrenia não tinham se manifestado tão agudamente como hoje em dia. E ele é ótimo para ilustrar que todos estamos sujeitos a ter algum tipo de transtorno mental, independente de nossa atividade, de nosso nível cultural e econômica. Esse livro traz o relato de uma advogada bem sucedida e sua relação com o transtorno de humor, que quase acabou com sua carreira. 
    Nos faz compreender melhor o que é a bipolaridade, que não é uma simples alteração de humor, que vai de um dia para outro. Que não é uma frescurinha, que é algo que virou moda e até chique depois que mudou o nome de transtorno maníaco depressivo para bipolar. Hoje em dia tem gente que acha chique se auto denominar bipolar, que é coisa de artista, intelectual, sei lá...
Sobre o livro
Em um momento, Terry Cheney está agachada sob sua mesa em seu escritório em Beverly Hills, paralisada pela depressão. No momento seguinte, está empinando pipas à beira de um penhasco, sob uma violenta tempestade. Em outro momento, ela está tomando uma dose excessiva de analgésicos com tequila, e depois está perdidamente apaixonada. Bonita, extremamente bem-sucedida e brilhante, Cheney - como outros 10 milhões de pessoas, apenas nos Estados Unidos - sofre de transtorno bipolar, um terrível segredo que quase a matou.  
A autora revela os segredos dessa devastadora doença sobre si e sobre aqueles que a cercavam. Desde as múltiplas tentativas de suicídio, experiências de quase morte, noites na cadeia e exploração sexual, passando por amizades rompidas e pelo tratamento de eletrochoque. Bipolar é o retrato de uma vida vivida em extremos, uma inesquecível viagem numa montanha russa. 
Link para download: basta clicar na imagem no lado superior direito da página, ou então no link abaixo:


Quase 300 mil Visualizações!
   Quando comecei a escrever este blog, não imaginava que tomaria essa proporção que vem tomando ao longo desses três anos e meio. Era algo que queria fazer para ocupar a minha mente, pois o tédio estava se instalando em minha vida depois que me aposentei em razão das crises e surtos que tive na época em que trabalhava como operador de áudio.
   Não sei se é a linguagem simples que uso, ou então a falta de atenção que o pessoal do SUS dá aos portadores e familiares, mas o blog tem um número razoável de visualizações, e nos comentários procuro ajudar as pessoas da melhor maneira possível, pois também sou apenas um portador de esquizofrenia que procura se entender um pouco tentando entender um pouco a patologia da mente dividida. Gostaria de pedir as pessoas que me pedem ajuda por email, que o façam aqui nos comentários do blog. Não precisa se identificar, assim mais pessoas estarão visualizando a situação e a minha tentativa de ajudar em alguma coisa. Às vezes posso demorar para responder, mas no final sempre respondo, pois, como já disse, o que mais está prejudicando no momento são os sintomas negativos da esquizofrenia, que são bem parecidos com os da depressão. 
   Então, como presente, as pessoas que acessarem o blog entre os números 300.000 à 300.020 ganharão uma pequena lembrança: o meu livro em PDF, Mente Dividida. Basta tirar um print do contador que coloquei na parte superior direita da página. Depois, recorte para que o contador fique bem visível e também deixe a mostra a parte debaixo, para que tenho a certeza de que o print foi tirado do blog, como mostra a figura abaixo. É o mínimo que posso fazer por vocês, leitores do blog e que são a razão de até a data de hoje procurando encontrar forças e assuntos para postar, além de procurar ajudar as pessoas nos comentários. Muito obrigado de coração. 

15 comentários:

  1. Parabéns, Júlio!
    Seu blog é um sucesso, vc é um
    sucesso e eu acredito mesmo que seu trabalho, no blog, ainda te abrirá muitas portas...
    Fica com Deus e tenha fé nele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Na verdade não gostaria de ter motivos para escrever esse tipo de assunto, mas, como ele é real, devemos fazer a nossa parte, que é de tentar levar um pouco de informação as pessoas sobre esse transtorno que ainda é um mistério para a ciência. Não pretendo que o blog me abra portas, ele me proporcionou e ainda me proporciona a chance de ser útil em alguma coisa, e também dar um pouco de sentido à minha vida. Espero que um dia ainda encontrem a cura desse transtorno e que o blog não tenha mais razão de existir. Obrigado novamente pela participação e pelas palavras. Abraços

      Excluir
    2. Tá certo que vc aborda o transtorno em seus textos; mas faz isso de forma leve e esclarecedora, além de desenvolver vários outros temas; daí porque, o que você escreve, se torna tão interessante.

      Excluir
    3. Você conseguiu traduzir a minha intenção com o blog: falar de uma maneira simples sobre os transtornos mentais, e, se possível, com um pouco de humor, quando possível. E também abordo outros temas, para descontrair um pouco. É um blog meio sem regras, creio que sou assim mesmo, nunca gostei de regras rígidas. Já me deram dicas sobre como melhorar o blog e ter mais visualizações, mas ai teria que me encaixar em algumas regras. Isso perderia a graça e o prazer ao escrever, pois faço isso de coração mesmo. Valeu pela participação e pela visita ao blog.

      Excluir
  2. Júlio, seu blog é tão interessante que até os comentários e respostas suas eu leio uma por uma!
    Sensacional!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mais uma vez por estar seguindo o blog. Sempre costumo dizer que os comentários são uma extensão da postagem. A participação dos leitores torna o blog mais interessante e o mínimo que posso fazer é responder os comentários. Vejo alguns blogs que o autor posta mas não responde os comentários, acho que o autor deve no mínimo agradecer e, se possível responder e tentar tirar as dúvidas das pessoas, dentro de seus conhecimentos. Aprendi muito e até hoje estou aprendendo com a participação de todos. Abraços

      Excluir
  3. Gostei muito dos comentários, como tenho um membro da minha família que já teve surtos de psicose gostaria de dizer a você tomar a medicação é importante mas tem que ter a sorte de encontrar um bom profissional para que te oriente e te escute para depois estar medicando...
    muito obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho importante tomar a medicação em alguns casos e em algumas situações. O maior problema, como você citou, é encontrar bons profissionais e um bom atendimento, principalmente pelo SUS. Quando tive um bom atendimento, fiquei muito bem, mas, agora, em Belo Horizonte, as coisas estão um pouco complicadas, os profissionais simplesmente não nos ouvem, quer dizer, até que ouvem, mas não aceitam nossas opiniões sobre o tratamento. E semana passada tive que dar um piti para ser atendido, por que o pessoal da saúde está em greve, e ai teria que pagar um psiquiatra particular somente para preencher uma receita, o que para mim é um absurdo, já que pagamos isso todos os dias através dos impostos. Eu que agradeço a visita e a participação no blog.

      Excluir
  4. Respostas
    1. Obrigado, foi a forma que encontrei de tentar ajudar a diminuir o estigma e o preconceito que a esquizofrenia carrega, de uma maneira simples e leve. Dei uma olhada em seu blog, e é bem interessante também.

      Excluir
  5. Assista Forrest Gump- o contador de histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti há muitos anos atrás, e não me lembro muito bem da história, vou rever.
      Obrigado pela dica.

      Excluir
  6. Parabéns pelo blog, pelas palavras que mostram cotidiano que não pode ser visto pelo olhar de bicho de 7 caberças ,mas como algo que se é vivido e que se deve ser superado....encarar de forma mais natural possível...Todos temos problemas, nossa máquina humana apresenta sempre algo..e viver a cada dia de forma mais saudável é o que todos queremos...gostaria de saber se é bom o contato com algum animal de estimação?QAual seria?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Obrigado pela visita ao blog e pelas palavras.
      Em relação ao animal de estimação, não precisa ser necessariamente um cachorro, que dizem ser o melhor amigo do homem. Um gato também é uma boa, apesar de aparentar ser um animal muito frio, o que não é verdade. Ele é apenas um pouco mais independente do que o cachorro.
      Pode ser um pássaro também, dependendo do espaço da sua casa.
      No meu caso atualmente não tem como ter, mais sempre quando tive a oportunidade tive um cãozinho para me fazer companhia. Alguns olham bem nos olhos da gente, parecem que nos entendem.

      Excluir