sábado, 18 de abril de 2015

Cloreto de magnésio

  Primeiras impressões
  Nas minhas andanças e pesquisas virtuais, tenho encontrado algumas alternativas para uma melhora em relação aos sintomas negativos da esquizofrenia, sem ser os dopantes antipsicóticos. E os comentários à respeito desse mineral são muito bons. Muitas pessoas vem relatando melhoras para uma enorme variedade de males do nosso organismo. Os comentários eram tão bons que cheguei a duvidar do que estava lendo. Infelizmente a apatia e o desânimo estavam tomando conta do meu ser, sem vontade para fazer nada, acordando mal, nem ler eu estava conseguindo direito. Estava tão sedentário que me cansei de andar poucos quilômetros quando fui ao centro da cidade, para tirar algumas cópias dos livros e procurar um atendimento decente na área da saúde mental aqui em BH.
    Como é um mineral, resolvi experimentar, não botando muita fé no que havia lido. Estou consumindo diariamente um preparado de cloreto de magnésio. Comprei na farmácia um frasco de 33g, mas tem que ser o magnésio PA (para análise), que é o mais puro. Coloca-se todo o conteúdo em um litro de água mineral ou fervida e depois guarda-se na geladeira. A ingestão vária para cada caso, mas se o indivíduo consumir para apenas dar um up na qualidade de vida, 25ml duas vezes ao dia já é o suficiente. Agora, se a pessoa tiver um problema mais sério e crônico, a dose deve ser aumentada, mas para isso eu recomendo que tenha um acompanhamento médico, se bem que a maioria desses profissionais só sabem rabiscar o receituário, pouco dando atenção à terapias alternativas, e só receitando os medicamentos alopáticos. Mais adiante citarei alguns males que o cloreto de magnésio promete aliviar ou curar.
apenas alguns sintomas da falta de magnésio...

    Recomenda-se que o preparado deva ser guardado em um recipiente de vidro, pois o magnésio não se dá bem com o plástico e metais, liberando algumas substâncias ao entrar em contato com esses materiais. Então, para medir os 25ml recomendados, pegue aquelas tampinhas de xaropes, coloque a água na quantidade certa e depois coloque em um copo de vidro. Depois é só marcar o copo onde a água bateu em 25ml. A caneta para retroprojetor é ótima para se fazer isso, pois não sai com a água e o sabão.
    No meu caso em particular, vi que o magnésio é bom para uma série de problemas que estava tendo e parece que estão desaparecendo à medida que vou consumindo este mineral. Insônia, ansiedade, depressão, desânimo, são alguns deles. Resolvi testar, afinal, não iria me causar nenhum problema, pois, como já disse, é um mineral que, se for tomado na dose certa, não causa nenhuma intoxicação ou coisa parecida. Estou tomando há uns 15 dias e já estou notando a diferença: estou mais disposto, voltei a praticar exercícios físicos, a ler, a ter uma sensação de bem estar. O meu sono também deu uma melhorada (tomo a segunda dose antes de dormir). A qualidade da minha soneca está melhor, tomando o magnésio com apenas 5mg do diazepan, sendo que já cheguei a tomar 20mg e outros remédios mais fortes. Acordo mais disposto e não tenho a tradicional ressaca desses ansiolíticos.
    Mas, tenho que tomar um certo cuidado à medida em que vou melhorando a parte física. Sinto que fico mais propenso a querer fazer algo que seja improvável de ser realizado, é tipo um delírio mesmo. Penso que tudo vai dar certo, acho que fico positivo demais em excesso, algo parecido como a bipolaridade. Mas, se for um delírio positivo e que não prejudica ninguém, por que não tê-lo? O que seria do mundo se não fosse os loucos e suas invenções... Não estou usando nenhuma droga lícita ou ilícita, apenas estou recompondo algo que falta em meu organismo.
    E a parte mental parece que melhora também, aliás, está tudo interligado. É aquela velha frase "Mens sana incorpore sano". Estou escrevendo este post por volta das oito horas da manhã, coisa que não fazia há mais de três anos... Meu raciocínio melhorou também, estou mais ágil e criativo, até consegui fazer uma ótima e improvável gambiarra para consertar o fone de ouvido que havia quebrado, por não caber na minha cabeça grande. Ele estava encostado há uns três meses, e, depois que passei a tomar o cloreto, as ideias e soluções aparecem em minha mente com mais facilidade.
     É uma sensação de bem estar que não sentia há tempos. Estou sentindo mais prazer em ouvir músicas (não só as deprê, mas como as alegres também). Só não consigo ouvir funk, sempre fico com um certo asco quando passa aqueles carros com o capô aberto e com o som na maior altura. Mas também o cloreto de magnésio é um mineral, não é um produto milagroso também...
    Fazer os exercícios físicos já está sendo mais prazeroso e não o faço como uma obrigação. Estava muito sedentário, ficava ofegante quando subia uma ladeira, nem lembrando o cara que andava pelos vales de Minas com sua mochila de 11kg nas costas. Pretendo voltar ao meu peso ideal, e a ter os triglicerídeos em taxas limítrofres. (aprendi esse termo lendo os vários hemogramas que já fiz, coisa de hipocondríaco mesmo...)
   Nós somos o que comemos, e bebemos, é claro. Não só na parte física, mas também na mental. Recomendo a todos que experimentem esse mineral, pois a falta dele causa uma série de problemas, como vocês puderam ver na imagem que postei acima. Infelizmente, por causa dos agrotóxicos, as frutas e verduras não estão sendo uma boa fonte de magnésio.
     Nas minhas pesquisas, não vi nenhuma contra indicação para se usar esse mineral, exceto quem faz hemodiálise. Poucas pessoas relataram reações adversas, como diarreia, enjoos, etc. Caso, ocorram, recomendo que diminuam a dose até se acostumarem a tomar. Ah! Já ia me esquecendo, o magnésio é ruim pra caramba, tem um gosto meio parecido com o sal, mas é muito pior do que uma simples água com sal concentrado.
existe no facebook um grupo sobre o cloreto de magnésio PA

Para que serve
     Nas minhas pesquisas, vi que o cloreto de magnésio é usado para uma enorme variedade de enfermidades e males do nosso mundo atual, como:
- Bico de papagaio, nervo ciático, problemas na coluna, artrose, calcificação dos ossos, etc.
- Câncer, próstata, rigidez muscular, tremor, artérias duras, e atividade cerebral prejudicada por causa da idade. 
-Ansiedade, depressão, stress
-Ajuda a dilatar os vasos sanguíneos, e ajuda a dissolver coágulos, bom para o coração, evitando arritmias e outros males do coração. No final do post irei postar os melhores links em que pude pesquisar sobre esse mineral. 
-Ajuda na produção da insulina, necessária para o metabolismo da glicose, evitando a diabetes tipo 2.
-Ajuda na distribuição do cálcio no organismo. Os médicos geralmente receitam o cálcio no tratamento da osteoporose, mas, se houver uma deficiência de magnésio no organismo, o cálcio poderá se depositar nas juntas, causando artrites, e também pode se depositar nos rins, causando cálculos renais. E, se não for adequadamente distribuído pelo organismo, o cálcio em excesso pode ficar depositado nos vasos do coração, elevando as chances de um enfarte. Então, para se evitar a osteoporose, é necessário não somente a ingestão do cálcio, mas como também do magnésio, que irá distribuir adequadamente o cálcio em todo o nosso organismo, principalmente nos ossos.
    Bem, acima apenas citei alguns dos males que podem ser evitados com o consumo regular do magnésio, mais informações nos links abaixo:
http://www.cloretodemagnesio.com.br/identificadores.php
http://solucoesperfeitasecriativas.ning.com/profiles/blogs/magnesio-o-sal-da-vida-1

 Vamos alimentar o nosso cérebro   
    Além desse imprescindível mineral, todos nós (esquizofrênicos ou não) precisamos das vitaminas do complexo B. Isso pode ser comprovado citando o caso das pessoas que tem problemas com o álcool. Quando estão debilitados e resolvem ir ao médico, o mesmo receita as vitaminas do complexo B, pois o álcool impede a absorção desses nutrientes pelo organismo. Por isso a ingestão exagerada de bebidas alcoólicas podem causar certos transtornos mentais, que geralmente são classificados no CID como F19.
Alimentos ricos em vitamina B
    O complexo B é fundamental para o nosso organismo, mas, como o blog é sobre a saúde mental, não irei estender sobre os benefícios dessas vitaminas, irei apenas citar as fontes mais acessíveis para se ter uma ingestão diária recomendada:
-Vitamina B1: Carne de porco, ovos, fígado, peixes, laranja, alho, batata
- Vitamina B2: leite, yougurte, carne de vaca (de boi também serve?), fígado, espinafre, gérmen de trigo,
- Vitamina B3: fígado (está em todas!), carnes vermelhas, leite, ovos, tomate, banana.
- Vitamina B5: gema de ovo, queijo, peixes, semente de girassol, abacate, morango, couve-flor.
- Vitamina B6: fígado, peixes, manjericão, orégano, alho, batatas, espinafre (não é só para ficar forte como o Popeye!).
- Vitamina B8: gema de ovo, gérmen de trigo (é baratinho!), couve-flor, cenoura, leite integral, morango.
- Vitamina B9: espinafre, suco de laranja, banana, melão, limão.
- Vitamina B12: carne de boi, gema de ovo, yogurte.
Fonte: http://saude.umcomo.com.br/articulo/alimentos-ricos-em-vitamina-b-6473.html

    Costumo comer três vezes por semana ovo cozido, que é uma boa fonte dessa vitamina da mente. O fígado também é, mas o gosto... Já o ovo cozido dá para colocar um pouquinho de sal é orégano que fica muito bom e ele foi abolido já há alguns anos, pois, antigamente (já estou ficando velho...) o ovo era um vilão para o coração. Dizia-se que meia gema de ovo continha o dobro de colesterol que necessitamos em um dia! Antes da abolição do ovo eu comia um por semana e meio que a contragosto...

    Um outro produto para a mente que recomendo é o ômega 3. Não vou aqui ficar relatando detalhes sobre esse ácido graxo, basta clicar no link para obter maiores informações. Vou relatar a minha experiência com esse maravilhoso nutriente. Quando estava tomando regularmente duas cápsulas de 1000mg ao dia, me sentia bem equilibrado, bem disposto e bem humorado. Além do bem estar mental, o ômega 3 conseguiu baixar os meus triglicerídeos de 580mg para 270mg. Em consequência disso, passei a me sentir melhor fisicamente e os exercícios físicos passaram a ser um prazer e não uma obrigação. Infelizmente esse produto é um pouco caro para quem ganha um salário mínimo (30 reais nas farmácias de manipulação) e tenho que me privar desse produto que me fez tão bem.

Enziplus

    Um outro produto que também recomendo é o enziplus. É natural, e basicamente é um concentrado de frutas e verduras. O gosto é doce e agradável. Mais agradável ainda é a sensação que temos ao tomar este produto. Os resultados aparecem em três dias! Parece que tudo passa a funcionar perfeitamente dentro do nosso organismo. E, em consequência disso, vem o bem estar mental. Só tomando mesmo para sentir mesmo o que relato. Não sei como não é um produto tão consumido em nosso país. Em Belo Horizonte ainda não encontrei uma loja física para comprar o enziplus. É um pouco mais caro do que o ômega 3, mas, em virtude da sensação de bem estar, eu vou fazer este sacrifício para consumir este produto. Na internet existem várias lojas virtuais de produtos naturais que vendem, mas o preço do frete torna o consumo inviável para o meu caso.
    De todos as partes do nosso organismo que sentimos melhorar com a ingestão do enziplus, o que mais se beneficia com ele é o digestivo. E, como dizem que o intestino é o nosso segundo cérebro...
Os cientistas afirmam que milhões de células nervosas forram o nosso intestino. Talvez seja por isso que sentimos aquele friozinho na barriga de ansiedade e nervosismo antes de uma situação decisiva. Os jogadores de futebol relatam isso muito quando vão disputar uma partida importante. E, quando ficamos nervosos e irritados, sentimos aquela queimação, o que talvez seja uma das causas da gastrite e úlceras. Pode parecer que esta dica não tenha nenhuma relação com a esquizofrenia, mas, por experiência própria, posso afirmar que, se o aparelho digestivo estiver funcionando perfeitamente, nos sentimos melhor também na parte mental, e, no meu caso, deu uma boa melhorada na minha esquizofrenia.
    Um dos problemas que percebi no atendimento na saúde mental no Brasil é o tipo de abordagem feita, em que o antipsicótico é a única forma de tratamento. Em alguns CAPS o pessoal faz artesanato, ficam assistindo TV, mas não passa muito disso. A impressão que se passa é que os profissionais pensam que a esquizofrenia é apenas a produção excessiva da dopamina pelo cérebro, e ai tome medicamentos dopantes. Não procuram olhar o lado social do portador, tentando promover uma melhor qualidade de vida, não procuram saber a sua relação familiar, e outros fatores que podem atrapalhar o quadro da esquizofrenia em um paciente.
    Enfim, nós, os portadores de sofrimento mental temos que procurar alternativas. Não devemos deixar tudo na mãos dos profissionais da saúde mental. Temos que fazer a nossa parte, lutar pela vida e pela qualidade de vida. Não estou criticando os profissionais(claro que existem os maus, mas são poucos). A verdade é que o SUS não tem estrutura para um melhor atendimento e também uma vontade de mudar a abordagem que é feita nos pacientes com esquizofrenia. Deveriam se espelhar em países onde os resultados no tratamento da esquizofrenia são melhores do que no Brasil, Estados Unidos e parte da Europa.
   E somos o que comemos, tanto na parte física como mental. Então, vamos pesquisar e procurar alimentar o nosso cérebro da melhor maneira possível.

    Passei a me sentir tão disposto que criei esse vídeo com a nova música da Vanessa da Mata, mas na versão que toca nas rádios. No youtube e em outros sites, a versão mix é a que consegui encontrar, mas prefiro essa que toca nas rádios. Essa música é daquelas que ficam gravadas na cabeça da gente, sem querer fico repetindo o ô ô ô ô ô ô em minha mente.
-Artista: Vanessa da Mata
-Música: Por onde ando tenho você
Vejo seu corpo nas praias do Rio
Suas mãos no pôr-do-sol do Japão
Vejo o Araguaia em seus olhos
Em um segundo me distraio do mundo

Vejo seu corpo nas praias do Rio
Seu jeito de andar em Casa Blanca
Seu perfume nos jardins da Holanda
A Itália em sua feição

Nunca mais vou estar sozinho
Por onde ando reconheço o destino
Por onde olho eu tenho esperanças
Por onde inclino a minha direção tenho você

Vejo seu corpo nas praias do Rio
Suas mãos no pôr-do-sol do Japão
Vejo O Araguaia em seus olhos
Em um segundo me distraio do mundo

Nunca mais vou estar sozinho
Por onde ando reconheço o destino
Por onde olho eu tenho esperanças
Por onde inclino a minha direção tenho você

No Araguaia eu me banho
No rio eu me refaço
Na África eu me acho
Todos são parte de mim
Todos são você

No Araguaia eu me banho
No rio eu me refaço
A vida segue um caminho
O mundo vai repetindo
Que sou eu e você

Eu e você

Livro Entendendo a esquizofrenia download

    Como comentei na última postagem, a minha consciência estava dividida sobre disponibilizar ou não o livro Entendendo a esquizofrenia para download na "CDE- Central de Downloads do Esquizo.
    De um lado o anjinho e do outro o diabinho batalhando em minha mente para me convencer, cada um com suas convicções. Até hoje não sei se é correto ou não fazer isso, mas sinto que não estou prejudicando ninguém, pois o autor da obra é uma pessoa bem sucedida financeiramente e alguns downloads não irão arruiná-lo. Creio que estou mais ajudando do que atrapalhando, ao disponibilizar o livro para download. Com o tempo, irei acrescentando mais livros sobre transtornos mentais.
    Não li a obra toda, ainda estou na página 56. Não quero dizer que sou o sabe tudo, mas o que está neste livro eu já aprendi com todos esses anos de pesquisas e estudos sobre a esquizofrenia. Mas é um excelente livro, principalmente para quem acabou de ter um surto ou tem alguém da família ou amigo enfrentando essa situação. A primeira abordagem é muito importante, e a informação é a base de tudo.
     Considero o livro muito bom por vários motivos, mas principalmente por usar uma linguagem simples e objetiva, esclarecendo o leigo no assunto em vários temas que envolvem a esquizofrenia, como: sintomas, tratamentos, comportamentos,  etc. E também tem valiosas informações sobre como a família deve agir em caso de um surto psicótico.
    Gostei do livro também pois o autor não afirma que o único tratamento e terapia seja medicamentosa. Ele enfatiza que ter um sentido para a vida também é muito importante. Então o portador deve não somente tomar uma dose forte de antipsicótico e dormir o dia inteiro. Ocupar a mente, ter uma qualidade de vida, e outros fatores são tão ou mais importantes do que a medicação.
    Para baixar o livro, basta acessar a Central de Downloads do Esquizo, clicando na figura que está no lado direito da página, ou então no link abaixo:
https://onedrive.live.com/?cid=A884A13FCDDC52A3&id=A884A13FCDDC52A3%21118

    Não tem segredos para baixar, basta marcar a caixa do arquivo a ser baixado e clicar em baixar.

    Sou um cara sincero, não gostaria que fizessem isso com meus livros, pois as poucas vendas que consigo fazer me ajudam em alguma coisa. Sou aposentado com um salário mínimo e é difícil pagar um aluguel em um lugar tranquilo. Confesso que às vezes penso em retomar as minhas andanças e sair por ai na maior liberdade e sem pagar aluguel. Ontem recebi uma carta da BHtrans, empresa que gerencia o transporte público de Belo Horizonte. É que requeri o passe livre para pessoas com deficiência mental. Na carta estava bem claro que eu tenho que comparecer à perícia acompanhado por um responsável ou curador. Mas, se eu tenho um transtorno que leva a pessoa ao isolamento, como vou conseguir uma companhia para comparecer à perícia? Infelizmente na capital mineira esse benefício é um pouco difícil de se conseguir para quem tem esquizofrenia e não tem déficit mental Eu creio que não tenho um déficit mental, mas isso não ameniza o que esse transtorno causa na gente. Em São Paulo, pude notar que esse benefício é concedido a quase todos os portadores de esquizofrenia que fazem tratamento em CAPS. Abordei esse tema no post "Esquizofrenia: Deficiência ou não?.
enquete sobre disponibilizar ou não o livro

    Bem, espero que façam bom proveito do livro e que aprendam muito com o conteúdo dele.
 

sábado, 11 de abril de 2015

Divagações esquizofrênicas 8

    Esta semana não irei falar sobre um tema específico, daí o título divagações. Sempre temos algo a dizer, e ai vamos divagando sobre vários temas aqui e acolá neste mundo tão complexo e fascinante que é o comportamento humano.

    São poucas emoções
video
    A maioria dos leitores sabe que não sou muito adepto de ficar usando os medicamentos, apesar de ser um hipocondríaco grau moderado. Hipocondria não quer dizer necessariamente tomar um monte de medicamentos, e sim achar que alguma doença nos atormenta, e também enxergamos bactérias em tudo o que é quanto lugar (o que não deixa de ser uma verdade). Mas, justamente por ser hipocondríaco é que não tomo remédios, pois já fico quase doente só de ler as bulas de alguns remédios. Assim acontece com os antipsicóticos, 
    Só me arrisco a tomar  os neurolépticos quando as paranoias estão em um nível elevado, mais ou menos no grau 8. Com o tempo e um pouco de autoconhecimento, às vezes sentimos quando estamos prestes a surtar. 
    Não tomo os antipsicóticos por vários motivos, sendo que a maioria deles já descrevi neste blog. Esta semana assisti o vídeo acima (para assisti-lo completo, basta clicar no  link). É sobre a esquizofrenia e resolvi selecionar a parte em que um portador que toma a quetiapina dá o seu depoimento. Havia também psiquiatras e o apresentador. O portador falava maravilhas da quetiapina, mas, em nenhum momento chegou a esboçar um sorriso, fazer uma brincadeira, apesar da esquizofrenia ser um assunto sério. Parecia ter o raciocínio lento e meio robotizado, emocionalmente falando. Sei mais ou menos o que ele deve estar sentindo, ou melhor, não sentindo, ou seja, nada.... Algumas reações adversas dos antipsicóticos se assemelham aos sintomas da esquizofrenia, como a apatia e o embotamento afetivo. Quando tomei a quetiapina, a sensação era de que as minhas emoções haviam sumido. Não sei a gravidade do caso deste cara, talvez seja necessário mesmo usar a medicação, mesmo em alta dose, mas me desculpem, não é isso o que quero para mim. Prefiro o depoimento da psicóloga Eleonor Longden, que também é esquizofrênica, mas me pareceu mais humana e emotiva, chegando a se emocionar ao contar o seu depoimento. Para acessar o vídeo do depoimento, basta clicar no link(palavra na cor azul, ou então no lado direito do blog).
    O portador afirma no vídeo que não conseguiu trabalhar novamente, ou seja, apenas teve uma recuperação parcial, se tivesse se recuperado completamente, estaria trabalhando, ou não? Como abordei no post Diálogo aberto, a verdadeira recuperação é não voltar a usar os medicamentos e ter uma vida pelo menos parecida com a que tínhamos antes dos surtos. 
     Eu mesmo não me recuperei totalmente,  tenho os meus perrengues, sendo o principal deles o convívio social. Passo cerca de 22 horas por dia no meu quarto, no notebook, na TV, ouvindo música e, às vezes, escrevendo para o blog. Até que não me queixo muito disso, prefiro ficar sozinho do que mal acompanhado, e este mundo em que vivemos está uma verdadeira loucura, e, a cada dia que passa vou me sentindo uma pessoa normal ao ler os noticiários na net ou ver na TV. 
    Mas prefiro passar os perrengues e não abrir mão dos meus sentimentos positivos e alegres. Quero me emocionar quando vejo algo legal, uma atitude bacana, seja no mundo real ou virtual. Quero vibrar com os gols do meu time, e, por que não, ficar chateado quando ele perde. Mas quero me emocionar, independente de qual seja o sentimento que estiver em meu coração. Aquela frase da música do Roberto Carlos é bem clichê, mas o importante é que emoções eu vivi....
   
A difícil relação com a "Clô"
    No dia 14 de março publiquei o post "Tive que reatar com a Clô", pois a situação estava ficando crítica. Mas, depois de me estabilizar, resolvi me separar definitivamente dela. É uma relação complicada demais, perdi a conta de quantas vezes me separei e reatei com ela. Essa agora é a última vez, tive um pouco de alergia, apesar de estar tomando concomitantemente (olha o médico baixando..) o fenergan, que é justamente para tirar esse efeito colateral, além de dar um sono danado.
    Fiquei com urticária e vermelhidão no braço. E sem vontade de fazer nada, do jeito que as coisas iam, não iria terminar o meu segundo livro Divagações Esquizofrênicas nunca! 
   Então, analisando os prós e os contras, decidi ter com a Clô uma relação aberta, sem maiores compromissos. Ficaremos separados, cada um no seu canto, e, quando sentir a sua falta, voltaremos a ficar juntos por um tempo. Vai ser melhor para nós dois, quem quiser ficar com a Clô que fique à vontade...

Paranoias diárias
    Essa semana fui à uma loja de materiais de construção, para comprar cola de sapateiro. Não gosto de deixar os fios de energia, das caixas de som, da antena, etc aparecendo e ficando espalhados no chão ou pendurados na parede. Por isso gosto de usar as canaletas, sou pobre mas gosto das coisas nos seus devidos lugares.... O jeito é fazer gambiarra mesmo, mas existe a boa gambiarra... Gambiarra mal feita costuma pegar fogo...
    Mas, voltando à loja de material de construção, a atendente me olhou bem nos olhos quando pedi a cola de sapateiro. Era como se ela estivesse afirmando que eu era um cheirador de cola, um drogado!
    Também fiquei olhando para seus olhos, como que dizendo mentalmente que não era um drogado, e cheguei até a balançar a cabeça. Até hoje eu tenho um pouco disso, de pensar que as pessoas sabem o que eu estou pensando, em momentos de stress. E o contato humano para mim é um stress e tanto. 
Até cheguei a mostrar o meu dedo machucado, pois, à princípio havia tentado fixar as canaletas com pregos, mas em vão, pois as paredes do quarto são praticamente impenetráveis com pregos...
    Outra paranoia que ainda me segue é creio que não vai me largar é a de achar que todo mundo pensa que sou um bandido, um ladrão. Hoje em dia quem está paranoica são as pessoas de um modo geral, devido ao grande número de furtos que ocorrem nas grandes cidades. Quando uma mulher passa perto de mim segurando com firmeza sua bolsa é como se estivesse me chamando de ladrão. Quando vou ao banco sacar algum dinheiro, já entro com o cartão na mão, para o segurança ver... 

Meu amigo fone de ouvido
o fone é pequeno para a minha cabeçona

    Assim que sai das ruas e aluguei o quarto em que estou morando atualmente, resolvi comprar um fone de ouvido bacana, daqueles grandes, que dão um grave legal. O som era muito bom realmente, mas ele não era muito resistente, era de plástico. E, na hora de colocá-lo na minha cabeçona, acabou quebrando, para a minha infelicidade. 
    Fiquei três meses sem fone de ouvido. Mais descartável do que esse item, só fralda de criança mesmo. Nesse tempo pude constatar como um fone é muito importante na minha vida, principalmente quando estou andando pelas ruas. Ouvindo música, consigo me desligar do mundo, e não reparo em nada do que está acontecendo à minha volta, mais ou menos como era antes dos surtos. 
     Nesse tempo que estava sem os fones, andava pelas ruas apressado, reparando nas pessoas e no que estava acontecendo à minha volta. Estava andava mais apressado do que o normal, quando saia para almoçar quase que voltava correndo para casa. 
    Tinha alguns fones estragados, e  resolvi consertá-los. Comprei dois plugs e, com alguma dificuldade, consegui consertá-los. Geralmente o que estraga no fone é o cabo que fica perto do plug, e, como estudei eletrônica, consigo soldar esses fiozinhos finos e fazerem com que os fones voltem a funcionar novamente. Agora consigo sair de casa com mais tranquilidade, ouvindo uma boa música e me desligando do mundo, sem reparar em nada e em ninguém. Hoje até consegui ir ao parque ecológico e me exercitar, pois estou muito sedentário, nem de longe lembrando o cara que andava 30km por dia com uma mochila nas costas. E também uso o fone contra as vozes, apesar de hoje em dia não ter tanto esse tipo de problema. É uma tentativa de burlar a esquizofrenia, pois, ouvindo músicas em uma certa altura, não é possível ouvir vozes de seres humanos, e, as que eventualmente ouvir, provavelmente são alucinações...
  
Central de Downloads do esquizo
    Resolvi criar uma central de downloads, para compartilhar livros e outras coisas relacionadas a esquizofrenia e outros temas também. Para começar, estou disponibilizando o livro "Uma mente inquieta", um testemunho de uma mulher com transtorno de humor (bipolaridade). 
    Podem baixar sem medo, não tem vírus, os arquivos são hospedados no meu email, em um serviço chamado one drive, onde guardo os meus arquivos, caso o HD do note estrague. Só que os arquivos para download são configurados como "público", ou seja, qualquer pessoa pode acessar e baixar os arquivos. Não é difícil, as imagens abaixo já explicam tudo. 
    Resolvi também disponibilizar o "toque especial do esquizo para celular". É um toque único e exclusivo, criado e editado por mim, que acorda quem tem o mais pesados dos sonos... Está na pasta músicas, e o livro está na pasta livros sobre esquizofrenia. 
para acessar a central de downloads basta clicar no link no final da página
        Estou na dúvida se na semana que vem disponibilizo para download um livro famoso sobre esquizofrenia, de um psiquiatra conhecido. O livro é bom, muito informativo, mas nada de tão extraordinário assim, só li algumas páginas, mas é usada uma linguagem simples, o que é muito bom. Estou na dúvida, em minha mente o anjinho e o diabinho estão falando aqui na minha cabeça...
    - Não faça isso, o livro está à venda nas livrarias do Brasil, você estará prejudicando o autor do livro. - o anjinho me aconselha.
    - Cara, pode colocar o livro para as pessoas baixarem, não tem nada haver, o cara já está rico mesmo, não vai fazer falta nenhuma para ele...- o diabinho fica insinuando...
     Claro que não existe o diabinho e o anjinho na minha mente, é a minha consciência que está dividida. E vocês, o que acham?
    Coloco ou não o livro para download, apesar de correr um certo e pequeno risco de uma retaliação do autor do livro? Eu não gostaria que fizessem isso com o meu livro, mas eu ganho um salário mínimo, e às vezes a venda dos livros quebram um galho, apesar de não ganhar muita coisa, pois é complicado mandar imprimir livros em pequena quantidade. Já o psiquiatra está rico e deve cobrar cerca de 300 reais por consulta. 
     Mas, se de um lado a minha consciência me condena por disponibilizar algo que não é de minha autoria, ela mesmo também me incentiva a fazer tal gesto, por assim ajudar as pessoas a entenderem um pouco melhor a esquizofrenia. Gostaria de saber a sua opinião, na enquete quente e polêmica. Por favor, votem, o blog até que tem um bom número de acessos, mas poucas pessoas participam das enquetes. E, dessa vez preciso da opinião de vocês, para colocar ou não o livro para download. 


video
                                 
    Esse é o meu toque personalizado, disponível na central de downloads do esquizo. 
    Este é o link para a central de downloads públicos:


  O cara acima se passava pelo baterista do Elton John. Foi até procurado pela polícia, mas é um cara inofensivo. Vive no seu mundo, na sua loucura positiva. Se medicarem ele, não irá ter mais esse delírio, mas ele vai ser feliz? Sei que ele não toma os remédios, pela sua disposição e alegria, mesmo que baseada em uma falsa crença? É melhor viver feliz em nossas viagens fora da realidade ou viver triste dentro da realidade do mundo atual? 

sexta-feira, 3 de abril de 2015

A ressureição

 
    A princípio, o título deste post pode soar meio estranho, sensacionalista, mas, quem acompanha o blog talvez tenha uma noção do que irei postar hoje, aproveitando também a data de ontem e o domingo de páscoa, em que os cristãos relembram a trajetória de Jesus Cristo no calvário e a sua ressurreição.
    Para resumir o início da história toda, durante a fase aguda dos sintomas positivos acreditei piamente que tinha o vírus da AIDS, devido aos boatos que circulavam em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais em que morava na época.
   A depressão então não demorou a chegar. E, juntamente com ela, o desânimo, a fraqueza e a falta de energia. Esse estado de ânimo para mim, já era o começo dos sintomas do HIV. Para piorar tudo, neste período tive dengue duas vezes quase que seguidamente. Também tive algumas diarreias, o que é um fato raro em minha vida, apesar da comilança de doces para diminuir a ansiedade. E é fato que uma pessoa em depressão pode ter a imunidade baixa... Estava emagrecendo tanto que as minhas calças começaram a ficar muito largas em mim, mas nem sequer pensei em comprar um cinto, amarrando as minhas calças com arame. "Para que um cinto, se vou morrer em pouco tempo?" - era o que eu pensava naquele momento difícil de minha vida.
   Para mim era o começo do fim. Só estava à espera dos sintomas mais fortes da AIDS aparecerem para dar cabo à minha vida. E de nada adiantava fazer os exames, pois acreditava que também os laboratórios estavam contra a minha pessoa, alterando o resultado, para assim evitar que eu tivesse o direito aos medicamentos e assim morresse mais rapidamente e com maior sofrimento.
    Apesar de estar naquele estado lastimável, tanto fisicamente como mentalmente, trabalhei por um bom tempo até que minhas energias se esgotassem, indo parar nas ruas pela segunda vez. Só que dessa vez uma assistente social me levou para uma cidade vizinha, onde fui muito bem recebido e tive um bom tratamento psiquiátrico. Demorou um pouco, mas consegui me recuperar dos surtos e comecei a me sentir melhor fisicamente. Esses dois fatores me encorajaram a fazer mais um teste de HIV. Confesso que quase não dormi nos dias em que fiquei esperando o resultado, ainda tinha a crença de que havia contraído o vírus da AIDS. Mas, era uma dúvida agora, já não era uma certeza absoluta como no momento em que passei na cidade onde morava.
    E, no dia, quando peguei o resultado, foi como se tivesse ganho na loteria, como se fosse um escravo que havia ganho sua carta de alforria. Foi uma sentença de vida, enfim poderia voltar a viver normalmente, beijar na boca, ser feliz de novo. A paranoia do complô dos laboratórios não existia mais! E esse fato devo em grande parte ao bom atendimento que tive naquele lugar, além de ser uma cidade bem maior, onde as pessoas não se preocupam tanto com a vida alheia. Com todo respeito a Jesus, e sem complexo messiânico, a sensação que tive é que havia ressuscitado, pois estava morto psicologicamente há algum tempo.
     Já no primeiro surto, quase morri no sentido literal mesmo. Havia perdido 25kg, chegando a me refugiar no meio do mato, para fugir das pessoas que eu imaginava estar me perseguindo. Sai de lá quase que no limite, chegando a ter fortes tonturas quando o sol do meio dia batia em minha cabeça.
Estava à cerca de 20km do centro de Belo Horizonte, e demorei oito horas para voltar, descansando a cada 200 metros que andava.
                                                                   

    Era o ano de 2006, me lembro bem dessa data. O meu time havia ganho a copa do Brasil daquele ano, o que me deixou maluco de felicidade! Naquela época os sintomas negativos ainda não haviam dado o ar de sua graça e praticamente pirei, mas foi uma loucura positiva. Estava eufórico com a conquista do meu time e, para comemorar, resolvi ir à cidade onde fui tão caluniado e zoado por boa parte da população (agradeço de coração aos que não ficaram contra a minha pessoa). A minha primeira providência foi tirar umas 30 cópias do teste. E nesse ato aconteceu uma feliz coincidência, pois quem estava trabalhando na papelaria e que me atendeu foi uma mulher que morava na mesma rua em que eu morava e certo dia chegou a afirmar que eu estava com AIDS, ao me ver mais magro. Eu tinha o costume de engordar e emagrecer com frequência, pois descontava a minha ansiedade na comida, mas também gostava de jogar um futebol e fazer caminhada.
    Quando ela terminou de fazer as cópias, peguei uma e dei para ela:
    - Toma, esta é de presente para você! - eu disse, com um ar de felicidade.
    - Obrigado... -  ela me respondeu, meio sem graça e cabisbaixa.
    E então sai pelas ruas desta cidade, distribuindo as cópias para quem eu visse pela frente e colando algumas nos postes, afirmando a todos que tinha sido curado da aids. E, claro, que soltei foguetes no campinho onde costumava jogar bola.
    Pode parecer loucura, mas foi uma das melhores sensações que tive em minha vida. Eu havia renascido, só estava a espera dos sintomas aparecerem para morrer biologicamente, pois na parte mental eu já estava morto...
    Não foi paranoia minha os boatos e comentários naquela cidade. Sei distinguir hoje o que foi paranoia da realidade (a maioria das situações, nem todas...). Certa vez o dono de um restaurante desta cidade chegou a questionar com uma funcionária o fato de eu estar almoçando em seu estabelecimento. Talvez ele ainda pense que o vírus se transmita pelos talheres...
   Aquele dia ficou marcado para sempre na minha vida. Meu time há muitos anos não ganhava nada além dos estaduais e eu simplesmente havia nascido de novo! Ainda não tinha os sintomas negativos, e até hoje me questiono se não são piores do que os positivos.
    Atualmente os sintomas negativos prevalecem em minha mente, e sinto que isso tem alguma ligação com o fato de não surtar como antigamente. Mas não enxergo isso como uma vantagem, pois, se nos sintomas positivos temos as alucinações, os surtos, temos também a energia e a vontade de recomeçar quando temos as crises. Ia para as ruas, emagrecia, me estrepava todo, mas, quando me recuperava, tinha forças para continuar a luta.
    Na minha humilde opinião, esse é um dos desafios que os cientistas tem que enfrentar no que se refere a recuperação de um portador de esquizofrenia. Não entendo como são indicados os mesmos medicamentos dopantes para quem está com os sintomas negativos. Oras, se estamos com apatia e desânimo, por que nos receitam remédios que nos dão sono? Aliás, são os mesmos antipsicóticos usados no tratamento dos sintomas positivos, e isso não me deixa convencido. Se os psiquiatras em sua maioria afirmam que a esquizofrenia seja o desequilíbrio do cérebro, não seria correto afirmar que os neurotransmissores não seriam diferentes para os dois tipos de sintomas que são bem diferentes um dos outros? Explicando melhor, se no caso dos sintomas positivos(alucinações, surtos) a causa seria a dopamina em excesso, nos sintomas negativos(apatia, desânimo) a causa não seria uma outra substância que talvez esteja faltando ao portador? Olhando por esse ângulo, não vejo então coerência em receitar os mesmos medicamentos para os dois tipos de sintomas, como é o caso da risperidona.
como um mesmo medicamento pode ser usado para sintomas tão diferentes?

"Risperidona é indicada no tratamento de uma ampla gama de pacientes esquizofrênicos
incluindo:
- a primeira manifestação da psicose.
- exacerbações esquizofrênicas agudas.
- psicoses esquizofrênicas agudas e crônicas e outros transtornos psicóticos nos quais os sintomas positivos (tais como alucinações, delírios, distúrbios do pensamento, hostilidade, desconfiança), e/ou negativos (tais como embotamento afetivo, isolamento emocional e social, pobreza de discurso) são proeminentes.
- alívio de outros sintomas afetivos associados à esquizofrenia (tais como depressão, sentimentos de culpa e ansiedade).
- tratamento de longa duração para a prevenção da recaída (exacerbações agudas) nos pacientes.
- esquizofrênicos crônicos."
Fonte: http://www.medicinanet.com.br/bula/8315/risperidona.htm
    Já o segundo desafio é encontrar os medicamentos para os sintomas positivos. Até que os sintomas são controlados, mas os efeitos colaterais e as reações adversas fazem muita gente desistir do tratamento, pelo simples fato de tirarem a nossa vontade de fazer simples tarefas do dia a dia.
   O desafio está ai, acabar com os sintomas até que conseguem(até a lobotomia acaba), mas o problema maior é fazer isso sem afetar a qualidade de vida do portador.
    Esse é um dos meus sonhos. Quero estar ainda vivo para ver tantas pessoas livre desse mal que acomete 1% da população e que até hoje é cercado de estigmas e preconceitos. Parece pouco, mas faça as contas olhando em conta a população de sua cidade. O que acontece é que nem todos assumem a condição, para não serem discriminados pela sociedade, pois infelizmente não temos muito canais para nos expressarmos. Mas não desisto, sonho ainda que um dia irão encontrar os medicamentos ou as terapias que irão tratar a esquizofrenia sem afetar a nossa qualidade de vida. Sonho em um dia andar por ai livremente sem as paranoias e a mania de perseguição que me persegue. Sair por ai, ir ao cinema, ver um jogo de futebol, comprar roupas, e por ai vai. Quando a esquizofrenia aparece, mudamos nossos sonhos, e simples fatos se tornam sonhos..
qualquer pessoa está sujeita a passar por situações difíceis...
   Qualquer pessoa pode passar por situação semelhante em suas vidas. Até o padre Marcelo Rossi passou por um período de depressão, chegando a pensar em cometer suicídio. As pessoas podem decretar que você não tem mais solução, que sua vida acabou. Até mesmo você mesmo pode sentir que sua vida acabou. Mas, por forças próprias ou por forças que vêm de onde não sabemos, levantamos de novo e começamos uma nova vida. Esse é o verdadeiro significado da páscoa, desejo a todos muita paz, saúde e vontade de viver todos os dias de suas vidas. E, se tiver chocolate, melhor ainda.

-obs: quem acertar o meu time vai ganhar um livro Mente Dividida em PDF...

segunda-feira, 30 de março de 2015

Livro Divagações esquizofrênicas


    Bem, pessoal, algumas pessoas me sugeriram escrever um livro, contando o que há de mais importante no blog. A alegação era que muitas pessoas não gostam de ficar muito tempo lendo em uma tela de computador ou notebook. Pensei bastante no assunto e cheguei à conclusão de que era realmente uma boa ideia, já que o blog possui mais de 200 posts e nem todos são relacionados ao tema esquizofrenia.
    Achei uma boa fazer uma compilação com os posts mais visualizados e os que mais achei importante sobre o assunto esquizofrenia. O leitor, quando acessa o blog, tem várias opções de pesquisar o que posto, mas nada como ter tudo reunido em um livro. Não foi um trabalho fácil, de apenas copiar e colar os textos. Tive que revisar tudo e adaptar ao formato livro, pois no blog uso muitas imagens, links e vídeos. Também dei uma pequena melhorada no texto e corrigi alguns erros de português, a prática em escrever este blog melhorou bastante o meu texto, eu creio.
   O livro só traz temas relacionados à esquizofrenia, pois muitos portadores, familiares, namorados(as) encontram o blog em busca de informações sobre como entender melhor a pessoa que quer bem. Não vou dizer que o meu blog é a melhor fonte de informações sobre o assunto, mas, pelo menos é algo que foi escrito com o coração e de uma maneira simples, pois, de complicado já basta o transtorno em si. Temas como a mania de perseguição, as alucinações, paranoias são abordadas de uma maneira simples, e, o que é melhor, na visão de quem passou e ainda passa por todos esses perrengues.
   O livro tem 191páginas e o valor é 32 reais, já incluídas as despesas de correios. Em PDF, o livro custa sete reais. Para adquirir o livro, basta enviar um email com o assunto "livro" para:
juliocesar-555@hotmail.com
    É necessário informar qual livro pretende adquirir e em qual formato.
   Para quem adquirir o livro Divagações Esquizofrênicas e também o livro Mente Dividida, o esquizo faz um desconto especial, os dois livros saem por 55 reais! Já no formato PDF, os dois livros saem por 12 reais. É para acabar com o estoque!!! rsrsrsrs

    Infelizmente não tem como fazer um preço mais acessível, como gostaria. Mandar imprimir pequenas quantidades sai um pouco mais caro, não é como nas editoras que fazem milhares de livros em uma única edição.
    Espero que os leitores me ajudem nesta empreitada, o livro foi feito com muito carinho e tenho a intenção de conseguir verba suficiente para fazer mais uma andança, que é o Caminho dos Diamantes, da estrada real. Infelizmente não tem como pagar aluguel e juntar uma grana para sair por ai viajando por esse Brasil.
    Recebi e ainda recebo muito apoio por parte dos leitores do blog como do livro. Isso que me dá forças para continuar a escrever, apesar de não me considerar um escritor. A minha intenção é somente mostrar a esquizofrenia na visão de um portador, trazendo a informação, que é a arma mais forte para se combater o estigma e o preconceito que o transtorno carrega. Não salvei todos os elogios que recebi, mas esse que recebi sobre o livro Mente Dividida foi um dos que mais me chamaram a atenção, pois a leitora soube explicar e captou com exatidão a minha intenção ao relatar a minha relação com a esquizofrenia.
-obs: por motivos óbvios resolvi não identificar a leitora. Acho que nem seria motivos óbvios, é mais um procedimento que acho correto mesmo.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Meu PC é hipocondríaco

    É mais do que correto tomarmos certos cuidados no mundo virtual, quando o assunto é segurança. Assim como podemos ser assaltados na vida real, se andarmos distraídos pelas ruas das grandes cidades, navegando na internet também podemos ser surpreendidos por algumas armadilhas. Não devemos sair por ai clicando em qualquer link que aparece na web, que afirma que ganhamos um iphone ou coisa parecida, ou que tem alguma gostosona querendo conversar com a gente em um chat qualquer. E ainda os emails suspeitos que recebemos de pessoas estranhas, com as mais variadas propostas.
     E também devemos ter os nossos programas para nos proteger, no mínimo, um bom antivírus. Mas, no meu caso, como bom hipocondríaco que sou, reconheço que exagero um pouco nesse tipo de proteção. Além do antivírus Panda, que uso em tempo real, uso mais dois antivírus para fazer o escaneamento do meu note regularmente.  Não é recomendável usar dois antivírus ao mesmo tempo, pois pode haver conflito entre eles, um querendo brigar com o outro, querendo ser o dono do computador, e um vai ficar dizendo que o outro é um vírus e tals.
    Então, deixo o Panda ativado e os outros dois uso para fazer o escaneamento. O correto é fazer esses escaneamentos quando o PC apresentar lentidão ou ter um comportamento estranho, mas, no meu caso, faço cerca de dez varreduras no meu note em um mês...
    Como na vida real, também sinto que sou vigiado na internet. Apesar de ser apenas um pacato e desconhecido cidadão, às vezes tenho a certeza de que tem alguém monitorando os meus passos na web. Acho que tem gente me espionando, para tentar achar algum podre em minha vida, sei lá. Claro que tenho alguns podres, principalmente quando tinha entre 20 e 30 anos, mas nada de mais grave, coisas da juventude mesmo. Não sou santo e nem tenho a pretensão de ser. E, quando tive essa pretensão, quase pirei, quando frequentava uma igreja evangélica. O pastor, em um culto, afirmou que devemos ser santos, ao ler uma passagem da bíblia. Aquilo ficou marcado em minha mente, e tentei de tudo para me tornar um santo, mas, essas coisas não acontecem de uma hora para outra, e a cada erro meu, me culpava bastante e foi ai que comecei a pirar.
    Não sou contra os evangélicos, gostaria de ressaltar aqui neste post. O problema é que a bíblia é passível de interpretação, e é a partir dai que a confusão toda começa, quando os humanos a interpretam de acordo com seus interesses.
    Mas, voltando ao assunto da hipocondria virtual, sinto que até a webcam do note está sendo monitorada. Fazer o tal do internet banking, nem pensar, apesar de que isso poderia ajudar a vender o livro Mente Dividida. Apesar de não ter grana no banco, não quero ter mais essa paranoia atormentando a minha cabeça e então não compro nada usando a minha conta bancária.
    Além do Panda, eu uso o eset on line scanner e o antivírus que já vem instalado no sistema, chamado de windows defender. Não sei por qual motivo ele não é muito usado, a maioria dos técnicos de informática instalam o tal do avast quando formatam os computadores e notebooks.
    Mas não devemos só nos preocuparmos com os vírus. Existe uma classe de pragas chamadas de spywares, que tem como principal finalidade coletar informações sobre o computador da pessoa, e até senhas de banco. Então, existem vários programas anti-spywares gratuitos por ai, e eu uso o malwarebytes.
o malwarebytes é uma boa alternativa contra os programas espiões
    Além dos vírus e dos spywares, existem uma outra classe de pragas, chamadas de rootkit. Eles também são chamados de trojan, que é em homenagem ao cavalo de troia, que foi usado pelos gregos em uma batalha na antiguidade. Assim como o cavalo de história, essas pragas se disfarçam como sendo arquivos do computador, e, por isso os antivírus geralmente não conseguem detectar essa praga, que geralmente entra para avacalhar o sistema, e, quem enviou esse arquivo malicioso pode ter controle total da máquina infectada. Por isso, uso um programa chamado malwarebytes anti rootkit, que é da mesma empresa dos caçadores de malwares...
    Ah! Já ia me esquecendo, ainda para me proteger dos vírus, além de usar o Panda, o eset on line scanner e o windows defender, também uso o Kaspersky Virus Removal Tool, que é de uma boa empresa de antivírus. É que os vírus vão surgindo a cada dia, os hackers vão criando, e as empresas de antivírus vão criando as vacinas, e então o banco de dados de um antivírus não é exatamente igual ao outro. Ou seja, só para vírus, uso quatro programas, além do antimalware e do antispyware...
                                               
    Mas, pensam que acabou a superproteção poderosa contra os malfeitores cibernéticos?
    Claro que não, eu baixei um tal de "microsoft support emergency response tool", que nem sei o link de onde baixei, mas deve ter sido no site da própria Microsoft. Também faço escaneamentos com esse programa para tentar achar vírus que não foram encontrados pelos outros quatro antivírus. Mas... pensam que ainda acabou? Ainda não, achei um outro programa no site da Microsoft, com nome parecido com este que acabei de descrever. Se trata do "microsoft windows malicious software removal tool", que até hoje não achou nada de anormal no meu note. Confesso que fico desapontado quando faço os escaneamentos e não é detectado nenhum arquivo suspeito para ser colocado na quarentena. E olha que eu configuro os programas para fazerem o escaneamento completo da máquina, que podem durar cerca de duas horas! Geralmente os programas já vem configurado para se fazer o escaneamento rápido, nas áreas mais críticas e onde os vírus costumam se esconder.
    Mas, pensa que a superbarreira contra os invasores acabaram? Claro que não! Eu uso ainda um tal de "Windows shortcut cleaner", que serve para achar vírus que transformam suas pastas em atalhos. Ou seja, eles fazem suas pastas de arquivos desaparecem, e no lugar fica apenas um atalho. Geralmente é complicado de acessar os arquivos, e isso acontece muito em celulares e pen drivers.
   Para finalizar a superproteção contra os malfeitores da internet, uso um programa chamado AdwCleaner e que é realmente necessário para o bom funcionamento da máquina. Esse programa serve para desinstalar aquelas barras de ferramentas que aparecem nos navegadores sem que as tenhamos instalados conscientemente. Esses barras geralmente são instaladas juntamente com os programas que baixamos na internet, por isso, hoje em dia é preciso muita atenção na hora de instalar os programas, e ficarmos atento a cada passo da instalação dos softwares que queremos em nossos computadores.
    No total, são nove proteções e barreiras contra os visitantes inoportunos. Acho um exagero, confesso, mas, em uma mente paranoica todo cuidado é pouco contra esses hackers. Se usasse e esquecesse as paranoias, creio que usaria o Panda e o Eset para uma escaneada. E usaria o adwcleaner caso instalasse sem querer uma barra ou programa que vem junto com os programas que realmente queremos instalar no no nosso PC. Um dos principais programas penetras de hoje em dia é o baidu antivírus, muitas pessoas relatam que nem sabem como esse programa apareceu em suas máquinas. Hoje em dia grande parte dos programas querem nos empurrar outros softwares na hora da instalação.

     

                                                        Mania de Limpeza virtual

        Na mundo real, não tenho tanta mania de limpeza, até que gostaria de ver tudo brilhando e limpinho, mas a preguiça e a falta de ânimo me impede de ficar  limpando e lavando tudo o que me aparece pela frente várias vezes ao dia. Confesso que sou até um pouco relaxado, não chegando a ser um porquinho...
    Mas, quando o assunto é o note, também sou um pouco exagerado na limpeza do disco rígido, mais conhecido como HD, do inglês Hard Disk, do francês dis dur e do grego σκληρό δίσκο (isso eu colei do google tradutor, é que semana passada eu vi pela quinta vez o filme tropa de elite...).
    O windows, com o tempo, vai armazenando um monte de arquivos temporários, inúteis e outros entulhos, que, se não forem removidos, podem, além de ocupar muito espaço no HD, causar lentidão no sistema.
    O windows conta com um limpador de disco, mas muitos comentam que ele não é o suficiente e não faz uma boa limpeza na máquina. Um programa muito usado para fazer esse complemento é o famoso ccleaner. É quase uma unanimidade entre os usuários mais avançados, mas é um programa fácil de usar e não é preciso fazer tantas configurações no que ele vai limpar ou não. Mas, como já disse, sou um bom hipocondríaco e por isso uso também o privazer, que também é um limpador de arquivos desnecessários, porém mais completo do que o ccleaner e um pouco mais difícil de configurar, mas que deixa a máquina bem mais veloz do que antes.
     Mas, pensam que acabou? Ainda não! Na questão da limpeza eu ainda uso um programa chamado revo uninstaller, que serve para, além de desinstalar totalmente os programas, fazer ainda uma pequena faxina no hd, como se pode ver na figura abaixo:
 
      Esses procedimentos de limpeza realmente são necessários, mas a frequência varia de usuário para usuário. Para quem não fica fuçando muito no computador, uma vez por mês já basta, mas, assim como no caso dos escaneamentos à procura por vírus, eu também sou um pouco exagerado na questão da limpeza do HD. Costumo usar o ccleaner, o privazer e o revo umas dez vezes por mês, ou seja, limpo o disco a cada três dias, mesmo se o note estiver funcionando bem.
     Para cuidar da saúde do note, para finalizar, olha a temperatura dele usando um programa chamado HWmonitor. É fácil usar esse programa, basta olharmos no google a temperatura limite do processador que temos em nossos PCS e fazer a medição usando esse programinha.
monitorando a temperatura do note...

    Tenho consciência dessas minhas manias que se estendem para o mundo virtual. Às vezes essas paranoias virtuais me cansamum pouco, mas, no geral não me atrapalha muito não. Acho tudo pior no mundo real, sair andando por ai com aquela sensação de ser observado é uma das piores coisas que um ser humano pode ter, dependendo do grau desse delírio. Almoçar em um bom restaurante deixa de ser um prazer, ir à um show também, enfim, só me sinto bem quando estou só. A hora que mais gosto do dia é quando volto para o meu quarto depois do almoço e posso ficar à vontade. Sou a mesma pessoa tanto na vida real como no mundo virtual, a única diferença é que, no mundo virtual sou mais falante, quer dizer, digitador...

sexta-feira, 20 de março de 2015

Carimbadores maldosos

 
    No último dia 15(domingo), assisti com a maior indignação a matéria "carimbadores" no programa Fantástico, da Rede Globo. O assunto era os portadores de HIV que conscientemente transmitem o vírus da AIDS para várias pessoas. E, o mais assustador é que essas "pessoas" criam grupos nas redes sociais para compartilharem dicas de como "carimbar"(contaminar) pessoas saudáveis.
Fui atrás de dois blogs que davam essas dicas mas eles foram desativados depois da matéria.
    Para quem ainda não viu, ai está o link para assistir a matéria na íntegra:
http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/03/grupos-compartilham-tecnicas-de-transmissao-do-virus-da-aids.html

    Não tenho AIDS, mas, por um bom tempo cheguei a ter a certeza em minha mente que tinha, e isso ocorreu principalmente pelos boatos sobre a minha pessoas, que circulavam em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais. Se eu engordava, comentavam que eu estava feio, e, se emagrecia, estava com o vírus HIV. O pessoal comentava até se eu estava com a mesma roupa do dia anterior...
    É aquele negócio: uma verdade dita várias vezes acaba se tornando realidade, ainda mais em uma mente paranoica como a minha. Então entrei em depressão e enlouqueci. Fiquei tão pirado a ponto de não acreditar nos vários exames que havia feito e que deram negativo para o vírus HIV. Imaginava que até os laboratórios estavam no complô contra a minha pessoa, alterando o resultado, para que assim eu não tivesse acesso aos medicamentos e consequentemente sofresse mais e morresse mais rapidamente.
   Para mim, aquilo foi o fim, uma sentença de morte mesmo. Fiquei um bom tempo esperando os sintomas da síndrome aparecer para dar cabo à minha vida e assim evitar o sofrimento físico, pois o mental chegou a culminar com as minhas energias.
    Mas, como disse, foi apenas um boato criado pelo povo e que se transformou em realidade naquela cidade e, depois em minha mente. Não vou colocar a total culpa desse fato em alguns moradores fofoqueiros daquele lugar. Tenho que admitir que o erro foi meu, em insistir em morar em um lugar onde algumas tradições ainda são de uma província do Brasil colônia. O pior inimigo está mais perto do que imaginamos, e está dentro de nós mesmos. A pior derrota é a quando perdemos para nós mesmos.
as fofoqueiras, em Montreal, Canadá

    Foi uma longa história essa de pensar que tinha AIDS. Já contei boa parte aqui no blog, e a descrevo totalmente no livro Mente Dividida. Foram alguns anos de muito sofrimento mental e muitos perrengues, até finalmente acreditar nos exames que davam negativo para o vírus HIV. Se existe algo que posso dizer que sei, é o sentimento de alguém que está com o vírus da AIDS e que só pensa em ver o sofrimento acabar. Na época, ainda não acreditava que um portador do vírus HIV pudesse ter qualidade de vida com os medicamentos.
      Mas o sentimento de culpa exagerado ajudou também a desencadear o meu primeiro surto. Em um certo momento, cheguei a contar com quantas pessoas havia tido uma relação sexual sem o uso do preservativo. Foram poucas vezes e, sem dificuldade me lembrei de todas as vezes que cometi essa imprudência. Foram cinco vezes, e, cheguei a supor que, se tivesse contraído o vírus na primeira relação, poderia então ter passado o vírus para quatro pessoas! Me senti culpado, a pior pessoa do mundo, um criminoso. Na fase aguda do surto, cheguei a me "entregar" para um policial rodoviário, quando estava perambulando pelas rodovias que cortavam a cidade de Belo Horizonte.
    - Pode me prender, sou um réu confesso. - eu disse, mostrando as minhas mãos para ser algemado.
    Queria ser preso e condenado, passar o resto dos dias na cadeia, eu estava tão fora da realidade naquele surto que me imaginava preso, mas naquelas celas dos filmes americanos, onde no máximo duas pessoas compartilham o mesmo lugar, em um beliche... Mas o policial apenas riu e falou um pouco de Deus para mim, oferecendo depois um marmitex, que joguei fora, por acreditar estar envenenado e que o guarda era mais uma pessoa que estava querendo o meu fim.
    Mas esses carimbadores do mal não merecem esse tipo de cela, merecem mesmo é dividir o local com mais vinte, e todos juntos, assim pode transmitir e retransmitir o vírus entre eles. Assim poderão criar um vírus modificado e super resistente, mas, como passarão o resto dos dias em suas celas, esse mal só ficará entre eles. Acho que nem o direito aos medicamentos eles deveriam ter, pois são caros e são os cidadãos de bem é que pagam eles com os impostos.
    Confesso que senti nojo desses caras que foram entrevistados no Fantástico. Deu para sentir  a satisfação e o prazer com que eles contavam suas "façanhas", e teve um que afirmou ter perdido as contas de quantas pessoas havia carimbado(contaminado).
    Para piorar a situação, um "psiquiatra" tinha que dar o seu pitaco, e afirmou que quem comete esse tipo de crime é uma pessoa doente, que tem um tal de "transtorno de personalidade antissocial".
    Não sou totalmente contra a psiquiatria, mas esse é um dos assuntos que mais questiono aqui no blog, que é o fato de querer classificar falta  de caráter como um tipo de transtorno. Perversidade, falta de caráter e outros coisas mais não devem ser consideradas doenças de maneira alguma. Esses carimbadores deveriam ficar presos todos juntos em uma pequena cela e pararem de receber a medicação. Me desculpem, mas lugar de assassino é na cadeia, apesar de que hoje a qualidade de vida do soropositivo está bem melhor do que antes.  A justiça  considera que esse ato é apenas uma lesão corporal, crime de perigo de transmissão de moléstia grave e incurável.  Mas, e o prejuízo psicológico a quem é vítima desse tipo de crime? Por isso considero essas pessoas assassinas, pois matam sonhos e projetos de vida de muitas pessoas. Não acho exagero nenhum e crueldade prenderem esses caras na mesma cela e cortarem o uso dos medicamentos. Eles não merecem que o povo que paga seus impostos o sustentem em uma penitenciária...
    O problema maior é conseguir a prova do crime, pois grande parte dos contaminados são homossexuais masculinos e que trocam de parceiros várias vezes em um mesmo dia. Esse tipo de crime acontece geralmente em saunas e casas de sexo. Às vezes transam no escuro e nem sabem com quem estão tendo a relação sexual. Espero que os homossexuais não interpretem mal o que acabo de afirmar, mas não disse todos e sim boa parte. E é fato que uma mulher soropositiva tem menos chances de transmitir o vírus da aids para o seu parceiro, do que um homem para outro homem. Nesta situação, é preciso haver feridas nas genitálias ou na boca de ambos os parceiros para que aconteça a contaminação. Mas também não é tão raro casos de mulheres que foram contaminadas por um homem e, depois, como forma de vingança, tiveram relações sexuais com vários homens para transmitir o vírus da aids.
    Então é isso, este post é um desabafo também, pois fiquei revoltado ao ouvir os entrevistados e constatar o prazer com que contavam suas "façanhas".... Deve ser um misto de prazer e revolta, devem pensar que, se alguém fez isso com eles, então devem fazer isto com o maior número de pessoas possível... Seria apenas um sentimento de vingança? Ou é perversidade mesmo e falta de caráter?
comentário na matéria do site...
    Me desculpe se fui um pouco rude neste post, mas dá para sentir revolta. Enquanto eu surto por achar que contaminei pessoas sem querer,  e peço para ser preso, algumas pessoas se orgulham pelo fato de terem contaminado um grande número de pessoas. Para mim merecem pagar na cadeia e sem o uso dos medicamentos, para sentirem na pele o sofrimento, já que pensam que tomando os medicamentos estarão a salvo de qualquer problema.
    Por um tempo senti na pele o que é ser um portador do vírus, e, neste período evitei beijar na boca de algumas mulheres, e usei o preservativo nas poucas relações que tive nesse tempo. Não entra em minha mente como uma pessoa possa sentir prazer em cometer tal crime. Me senti a pior pessoa do mundo por pensar que havia contaminado algumas pessoas. Uma mulher chegou a pensar que havia contraído o vírus da aids só por que havia me beijado. Me lembro até hoje de seu olhar condenador quando a encontrei depois que ficou sabendo do boato, que naquela época era uma verdade em minha mente. Ela não me disse nada, e nem precisava, deu para entender tudo naqueles olhos cor de mel.
    Esses carimbadores não são doentes, não tem nenhum tipo de transtorno mental, o que eles não tem é  caráter e o que os movem são os sentimentos de vingança aliadas a maldade e perversidade que domina alguns "seres humanos". A consciência desse tipo de gente não pesa pelo simples fato de não existirem em suas mentes...