domingo, 1 de julho de 2012

Sobre mim

                                                         Infância
    Se fazer uma auto análise para que as outras pessoas vejam ou ouçam é uma tarefa meio complicada para as pessoas ditas normais, imagine para quem teve uma vida complicada com um transtorno mais complicado ainda. 
    Para começar a complicação já vem na data de nascimento, que foi trocada no cartório quanto eu tinha cerca de oito anos de idade. Minha mãe me levou ao cartório para tirar a segunda via do documento, que deve ter sido perdida. Ao pegá-lo, notei que o dia do meu nascimento foi trocado, apenas o mês e o ano estavam corretos. Nasci no dia 26/09/1969 e na certidão nova estava dia 27/09/1969. Olhei para minha mãe, mas, como ela não havia dito nada, resolvi deixar para lá esse assunto. Pensei que poderia até ter dois aniversários para comemorar
    Costumo dizer que não "fiquei" esquizofrênico após o primeiro surto, aos 32 anos de idade, e sim que já nasci esquizofrênico, ao relembrar e analisar meus pensamentos e atitudes durante minha infância, adolescência e na fase adulta também. Fui criança até os 14 anos de idade, brincando de esconde esconde, queimada, banco imobiliário e outras coisas daquela época. Quando não estava fazendo isso, ou estava fazendo bagunça ou jogando bola. Virei adolescente por volta dos 15 anos de idade e virei adulto aos 17, quando minha avó faleceu e tive que começar a trabalhar. Foi uma mudança muito repentina e resolvi sair de casa, pois a sensação que eu tinha era de que estava sobrando naquela casa.
    Nunca houve um diálogo em nossa casa. Não brigávamos, mas também não conversávamos. Somente minha avó conversava um pouco comigo, às vezes. Minha mãe tinha problemas de audição e se isolava do mundo. Mas, além disso, creio que também deveria ter algum transtorno mental, pois até hoje me lembro do dia em que ela teve uma crise e foi levada ao hospital. Quando minha avó chegou em casa, disse, meio que reclamando.
- O médico disse que a minha filha é louca".
    Não tenho nenhuma lembrança do meu pai. Provavelmente deve ter se separado de minha mãe antes que eu completasse quatro anos de idade.
    Por não ter alguém para me educar e me impor limites, fui um menino bem bagunceiro. Qualquer coisa de errado que acontecesse na rua os vizinhos não pensavam duas vezes em bater em nossa porta para tirar satisfações. Confesso que, na maioria das vezes eles tinham razão.
    Era tão bagunceiro que, no dia da primeira comunhão, pensei em fazer uma lista de todos os meus pecados, com medo de esquecê-los na hora de me confessar para o padre. Estava preocupado, com receio de que Deus iria me castigar cruelmente caso não contasse todas as minhas peraltices. Estudava em um colégio de freiras, e tinha ouvido falar que certa vez a hóstia se transformou em  sangue na boca de um menino que tinha resolvido ocultar os seus pecados. Também estava preocupado com a cerimônia, pois, se resolvesse contar tudo, certamente iria atrasá-la em cerca de meia hora. No dia da primeira comunhão lembro-me que acordei febril e suando frio, mas, quando chegou a minha hora de confessar, só contei dois "pecadinhos" e o padre pediu para que eu rezasse cinco ave marias e cinco pai nossos.
                                                        Adolescência
    Como disse anteriormente, fui criança até os quatorze anos de idade, o que era algo normal para a época.  Já sentia que havia algo estranho em mim, me sentia diferente e pressentia que algo de não muito bom estaria por vir, pois não estava gostando muito da ideia de me tornar um adulto.
    Fiquei um pouco rebelde, e para demonstrar essa minha nova fase, virei metaleiro. Deixei o cabelo crescer e comecei a ouvir bandas de heavy metal. Não cheguei a usar drogas, já era meio maluquinho por natureza mesmo e, para me enturmar com os metaleiros, bebia um pouco e fingia estar bêbado, também com o pretexto de poder fazer minhas brincadeiras e palhaçadas.
    Aos dezessete anos, prestes a terminar o curso técnico de eletrônica, minha avó faleceu e então comecei a trabalhar. Como a única referência de família não estava mais em casa, resolvi ir embora.
    Meu primeiro serviço foi em uma firma que vendia e consertava equipamentos hidráulicos, compressores, etc. Era ajudante de mecânico, e, como detestava graxa, fiquei nesse trabalho por apenas sete meses.
    Como gostava de música, meio que por acaso consegui um trabalho em uma firma de sonorização para shows, festas e outros eventos. Trabalhar nessa área me fazia feliz e desisti da eletrônica, pois a grana que eu ganhava não dava para pagar o colégio também.
                                                       
                                                      Fase meio adulta...
    Com o tempo, fui deixando de ser o rebelde metaleiro para ser o pacato cidadão, o que sou até hoje. Comecei a me fechar para o mundo depois que minha avó faleceu. Ficava sempre na minha mesmo, apesar de ser um cara engraçado e até meio esquisito. Chamava a atenção das garotas, apesar de não ser bonito. Tinha o cabelo comprido e cheguei até dar autógrafos quando estava trabalhando em um show. Às vezes, as garotas prestavam mais atenção em mim do que na banda que estava tocando em cima do palco.
     E, desde então passei a só trabalhar na área de sonorização. Era o que eu gostava: música, shows, conhecer novos lugares e pessoas. Não me importava nem um pouco de ter que trabalhar mais nos finais de semana e feriados do que nos dias de semana. Chegava a ficar meio deprimido, quando chegava o mês de janeiro, época de pouco serviço. Um mês de férias era muito para mim.
    Fui um bom funcionário por todos os lugares onde havia passado. Era meio cigano, não ficava muito tempo em um serviço e mudava constantemente de cidade, como se estivesse à procura de algo, que hoje sei que está dentro de mim. Consegui trabalhar bem até por volta dos trinta anos de idade, quando os primeiros sinais da esquizofrenia começaram a aparecer. A sensação de que estava sendo observado e de que estavam todos contra mim começou a atrapalhar o meu rendimento no trabalho e o meu convívio social.
Houve uma época em que realmente havia algumas pessoas contra mim, principalmente na firma onde eu trabalhava, simplesmente pelo fato de eu ganhar mais e ser um profissional mais requisitado para os serviços da empresa.
    Esses pensamentos e sensações viraram uma bola de neve e então tive meu primeiro surto aos trinta e dois anos de idade.Abandonei o serviço e morei nas ruas por aproximadamente cinco meses, até me estabilizar novamente, e então voltei a trabalhar. Um ano depois, voltei a surtar e, após voltar para as ruas, fui levado para um albergue, onde fiquei por cerca de um ano e meio, até conseguir o auxílio doença.
    Depois de cinco exaustivos anos fazendo perícias no INSS, consegui me aposentar.
                   
                                                        Hoje em dia
    A aposentadoria foi um mal necessário e que trouxe um grande vazio em minha vida. A sensação de inutilidade é muito grande e procuro preencher isso fazendo cursos, aprendendo coisas novas e escrevendo este blog.
    Também escrevi um livro contando sobre os meus surtos até os dias de hoje. É uma história diferente, pois, ao contrário da maioria dos portadores de esquizofrenia que são internados quando surtam, eu, acho que por não ser agressivo, ia para as ruas até conseguir me estabilizar novamente. Não posso contar muita coisa do livro neste blog, pois, apesar das dificuldades, sonho em vê-lo sendo publicado algum dia.
    Quem souber de uma ideia ou alguém que possa me ajudar nisso, entre em contato comigo. Queria deixar bem claro que não estou escrevendo este blog para conseguir alguma ajuda para o livro, queria apenas compartilhar minhas experiências com as pessoas sobre a minha visão sobre a esquizofrenia, tentando ajudar a diminuir o preconceito e o estigma que cerca essa patologia.

56 comentários:

  1. Olá julio,

    Comecei a te acompanhar depois de assistir seus videos no youtube. Não sofro de esquizofrenia, mas tenho fobia social e acabei me interessando por pesquisar sobre transtornos mentais em geral. Gostaria de parabeniza-lo por compartihas suas experiências e quebrar um poucos dos mitos sobre a doença.

    Quanto ao seu livro, você ja ouviu falar de publicação sob demanda? Acho que seria uma boa ideia para você ter seu livro publicado em papel sem precisar de editora e nem gastar muito dinheiro.

    Outra IDEIA seria você vender em formarto digital(pdf, doc) usando metodos de pagamentos como o pagseguro e o paypal. e a divulgação você faz aqui no seu blog mesmo.

    Enfim, são so ideias, mas tenta dar uma pesquisada nisso, talvez ajude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Gil por visitar o canal no youtube e acompanhar o blog. Você faz algum tratamento para essa fobia social? Tratamento não digo medicação, talvez alguma terapia com psicóloga, ou psicanálise?
      Depois vou procurar saber sobre publicação sobre demanda. Talvez seja uma boa alternativa para quem não tem o dinheiro para editar um livro. Já quanto ao formato digital, acho que talvez não funcione, pois uma pessoa pode comprar e compartilhar com várias pessoas. Não vou negar que ficaria feliz se ganhasse algum dinheiro com o livro, mas, sinceramente, a minha intenção é a de registrar a história, que foi muito bacana, apesar de muito sofrida. Gostaria de compartilhar e mostrar que é possível superar dificuldades. Às vezes, fico até envergonhado quando vejo exemplos de superação na televisão, principalmente com pessoas com deficiências físicas. Mas também não podemos deixar de dizer que o sofrimento mental também é algo muito doloroso, e que muitas vezes não é compreendido. Tudo de bom pra vc por ai.

      Excluir
  2. Não faço terapia não, ate cheguei a ir em uma psicologa mas parei pq achei q n ia adiantar muito. To tentando superar as divuculdades com ajuda dos familiares e tbm com força de vontade. Se ficar muito difícil vou ver se arrumo um psiquiatra, mas tenho q confessar q a idéia de tomar remédio não me agrada muito, tenho medo de ficar depentende ou até mesmo ficar meio lerdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente tem que se pensar bem antes de começar a tomar os medicamentos, pois, querendo ou não, eles tem algumas reações adversas e a maioria vicia mesmo. Hoje tento parar com o diazepan, mas é muito difícil por que fico um pouco irritado se fico dois dias sem tomá-lo. Os antipsicóticos estou conseguindo diminuir bastante e acho que vou conseguir parar. Acho que remédios só em casos mais graves mesmo, quando não existe uma outra solução.

      Excluir
    2. Olá Gil,estou respondendo de novo seu comentário pois estou tomando a sertralina e estou me sentindo bem. E, pelo que li na bula, é indicado para a fobia social também. Ele não é forte, estou tomando 50mg e não estou lento e nem com sonolência, tomo ele a noite. No começo fiquei com um pouco de insônia, mas agora estou bem. Por que você não conversa com o seu psiquiatra sobre a sertralina?

      Excluir
  3. boa noite,meu nome é paulo tenho esse problema tomo varios medicamentos,estava me tratando com uma psiquiatra, ela se aposentou,estou no aux.doença já `3anos está dificil arrumar outro
    estou um pouco perdido dando vontade de sumir pois nimguém te apoia
    o que vç me indicaria?cid:f20

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Paulo, onde você mora tem CAPS, procure se informar no posto de saúde, eles poderão te orientar e encaminhar para tratamento, nunca desista de lutar...

      Excluir
    2. Desculpe a demora em responder. Como já lhe disseram, a solução é procurar um caps, e se não tiver, vá a um posto de saúde, antes que os medicamentos acabem e vc talvez tenha um surto. Eu sei como é complicado enfrentar isso sozinho, até hoje luto contra isso sozinho, mas durante as fases criticas encontrei muitas pessoas legais que me ajudaram. Tenha paciência, pois, geralmente com cinco anos os peritos aposentam as pessoas nesses casos.

      Excluir
  4. Gostei muito do seu blog e do vídeo. Não sou esquizofrênica, mas cuido de dois cunhados que tem esquizofrenia paranóide crônica.
    Parabéns pela sua iniciativa, e saiba que você está ajudando muitas pessoas, que como eu, buscam infomações desta doença.
    E saiba que estou torcendo para que você consiga publicar o seu livro.
    Meu nome é Jacira/ Joinville/SC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns por não abandonar seus parentes e cuidar deles. Nem sempre os parentes tem paciência para isso. Fico feliz por saber que estou ajudando de alguma forma as pessoas a entenderem melhor a esquizofrenia. Obrigado e que você continue sendo essa pessoa de bom coração.

      Excluir
  5. muito obrigado,acompanho seu blog direto pois me indentifico muito com ele,só queria saber- se com vç mesmo com os remedios continua
    vendo vultos, escutando,vozes,mania de perseguiçao... ñ consigo sair de casa!
    abraços pelo seu trabalho.
    paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que lhe agradeço por visitar o blog. Os sintomas da esquizofrenia são classificados como positivos(não sei ainda o pq desse nome) e como negativos. Positivos são as alucinações visuais(ver vultos) e auditivas(vozes) entre outras coisas. Os sintomas negativos são: falta de ânimo, apatia, tristeza, isolamento, etc. Atualmente não tenho tido alucinações, só algumas vezes sinto que ouço alguém falando mal de mim, sinto que estou mais nas fase dos sintomas negativos mesmo. Mas na época em que tinha as alucinações, os medicamentos conseguiam parar com elas, mas eu ficava muito dopado para trabalhar e ai passei por alguns apertos por morar sozinho e não ter parentes. Você já tentou quantos tipos de medicamentos? No começo é um pouco difícil encontrar o medicamento certo e a dose ideal para cada pessoa. Se o seu psiquiatra for paciente as chances de se encontrar o medicamento mais adequado para você são maiores.
      Abraços e melhoras pra vc.
      Você já experimentou a clopormazinha? Ele me fez bem e não fiquei dopado, o único problema é que tive alergia e o meu braço ficou todo vermelho. Converse com o psiquiatra para mudar a medicação se a atual não está fazendo o efeito esperado. Geralmente um mês é o suficiente para avaliar se o medicamento está fazendo bem ou não.

      Excluir
  6. oi. o termo axo q nao seria mania d perseguiçao, e sim delirio de perseguiçao, delirio eh uma crença falsa fortemente enraizada e nao passivel de argumentaçao contraria para convencer quem delira. poderia falar mais sobre seus delirios de perseguiçao? vc eh um guerreiro cara. abraço. pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu por visitar o blog. Em relação a denominação do sintoma sobre os pensamentos de que estou sendo vigiado, realmente seria uma boa denominação delírios de perseguição. Mas não me preocupo tanto assim com denominações, classificações, etc. Procuro fazer o blog da maneira mais simples possível, sem muitos termos acadêmicos, pois sou apenas um portador de esquizofrenia, que procura estudar um pouco a patologia, para entender um pouco de mim mesmo. Em relação aos delírios de perseguição, ao lado direito tem um menu, é só clicar em posts mais acessados e ai vai aparecer dois que falam sobre isso. No livro que escrevi também falo com detalhes sobre os surtos, qualquer coisa é só clicar em como adquirir o livro. Obrigado pelas palavras, realmente temos que ser guerreiros, temos que travar uma batalha diária contra ela, pois infelizmente ainda não existe cura para esse transtorno.

      Excluir
    2. Parabéns vc é um homem resiliente. Até hj não descobri o meu dizgnóstico (inicialmente sindrome do pânico, depois TAB (transtorno afetivo bipolar e até cogitaram esquizofrênia) mas não fecharam o "Rótulo, rsrs... Confesso não me preocupar com tais denominações tbém. Tomei medicação durante 02 anos e simplesmente as deixei, faço terapia com um psicológo há 02 anos, sinto que estou evoluindo cada dia. Passei muitos traumas desde a infância até hj (perdi meu pai e meu irmão há 03 anos em um trágico acidente automobilístico). Mas minha vida prossegue, há dias q tenho crises de pânico, meu humor oscila demais e fico muito agitada e eufórica... Mas a dias que simplesmente quero morrer e muitas vezes passa em minha cabeça pensamentos suicidas. Tenho também delírios e imagino que as pessoas me perseguem, falam mal de mim e tramam contra a minha vida. Ou seja vivo um turbilhão de sintomas, talvez por isso ainda minha psiquiatra não fechou o diagnóstico. Mas não me preocupo com isso. Hj procuro apenas prosseguir... Estou interessada em comprar o seu livro. Apenas de ler algumas informações em seu BLOG já o admiro e estimo muito. Que vc continue sendo essa pessoa iluminada e positiva. Grande abraço da Lis

      Excluir
    3. Obrigado Lislei por visitar o blog. Realmente alguns sintomas da bipolaridade são bem parecidos com os da esquizofrenia, por isso alguns psiquiatras demoram para dar o diagnóstico. Bem, isso tem um lado bom, pois infelizmente alguns psiquiatras já dão o diagnóstico em cinco minutos, no SUS, pelo fato de ter que atender várias pessoas em um curto espaço de tempo. Acho que pelo que você me disse, talvez seja os acontecimentos mesmo que desencadearam o quadro, talvez nem tenha tendência a ter esses transtornos, mas quem pode dizer isso mesmo é o psiquiatra. Em relação ao livro, para adquiri-lo é só fazer o depósito na conta e me mandar os seus dados que postarei o livro nos correios. O número da conta está no lado direito, e também é só clicar "em como adquirir o livro" que você vai ser redirecionada a página com mais informações sobre o livro. Obrigado e melhoras pra ti.

      Excluir
  7. Olá Júlio...

    Estou gostando muito de ler seu Blog... Você, com certeza, ajuda muitas pessoas ao tornar público suas experiências... Admiro-te...

    Abraços

    Caio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Caio, poder ajudar as pessoas que estão passando pelo que passei me ajuda a me sentir uma pessoa melhor. Só quem passou por um surto sabe como é não ser compreendido por ninguém. Infelizmente a informação sobre o transtorno ainda é pouca, e acho isso a principal causa de tanto preconceito.

      Excluir
  8. Oi Júlio,

    Li o seu relato e fiquei muito interessada, tenho parentes esquizofrênicos e confesso que isso me dá certo receio de vir a ser também. Pesquisei em vários sites sobre a fase prodrômica, queria saber sobre a sua visão, porque realmente é muito confusa a descrição que eles fazem.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. ola nossa seu blog ´emuito interessante estou fazendo um trabalho sobr esquizofrenia para faculdade e aqui tirei mtas conclusões ,,,damos pra ver tb q o esquisofrenico não é só aquele q fica achando que há coisas erradas e pessoas querendo prejudicar ele,vemos aq em seu blog sua lucidez... tabém mto legal adorei e me tornei leitora agora parabe´ns e q Deus lhe acompanhe amigo..
    Bj

    Evelyn Tomiatti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Evelyn, às vezes pensava em parar com o blog, por não conseguir agradar a todos, mas, lendo comentários como o seu, e vendo que são a maioria, resolvi continuar, até onde achar que posso ajudar em alguma coisa a tirar o estigma que a patologia carrega. Fique com Deus também. Abraços.

      Excluir
  10. Olá meu nome é Débora, eu namorei uma pessoa que foi diagnosticada com bipolaridade e com esquizofrenia. Hoje não estamos mais juntos o rompimento partiu dele rependinamente, ele acha que eu me aproveitei dele. Fui eu que na convivência percebi a questão da bipolaridade, e disse a ele, hj ele usa medicamentos mas não voltou mais ao médico. Ele sempre acha que querem passá-lo p/ tras ou se aproveitarem da inteligencia dele, também acha que estão olhando para ele e falando mal, as vezes ouve vozes e ve pessoas. O que você pode me dizer sobre isso ? Eu também gostaria de saber como fica os relacionamentos no seu modo de ver? OBRIGADA E PARABÉNS PELO BLOG, COM CERTEZA ELE AUXILIA MUITA GENTE. ABRAÇOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Débora, eu também tenho todos esses sintomas que você citou que o seu ex namorado tem, só que hoje, com a prática, aprendi a lidar melhor com eles. São os sintomas clássicos da esquizofrenia, oriundos da mania de perseguição. Hoje só não tenho alucinações visuais, mas o resto tenho. O que eu posso dizer é que ele tenha paciência para achar o melhor medicamento e a melhor dose para o caso dele, além de um auto conhecimento acima do normal, para saber que essas coisas são de nossas cabeças mesmo e tentar qualquer coisa que melhore um pouco isso. Eu vou tentando burlar isso, tipo ouvindo musica sempre quando saio de casa. Não é o ideal, pois estou meio que me desligando do mundo, mas com certeza se ele tentar irá encontrar alguma coisa para distrair a mente, uma ocupação que lhe agrade, isso ajuda e muito. Obrigado por visitar o blog.

      Excluir
  11. Grande Júlio, boa tarde.

    Comecei lendo seu blog a partir do belíssimo relato do trajeto a pé na Estrada Real, e por aqui estou, em devaneios, nas outras postagens, sabendo um pouco mais das suas andanças, idas e vindas, enfim, sua vida.

    Gostaria apenas de te desejar toda boa sorte que há nesse mundo. Que você possa encontrar o que procura, e se não sabe o que procura, simplesmente faça que nem aquela propaganda de bebida: Keep walking.

    Um grande abraço de alguém que mal te conhece mas já te admira bastante!
    Fique com Deus, até mais!

    ResponderExcluir
  12. Obrigado Wendell, fico feliz pelas suas palavras. Você também faz viagens a pé ou de bike? Depois me mande dicas de viagens que você acho legal. Fique com Deus também.

    ResponderExcluir
  13. Olá Júlio, muito linda sua iniciativa. Sou psicóloga e percebi que ainda existe muita resistência das pessoas pela procura de psicoterapia e entendo o porquê. A medicina, psiquiatria e psicologia ainda baseiam se em uma visão patológica dos transtornos mentais. O ser humano o mais complexa das espécies, e como tal, não pode ser analisado e compreendido sob uma única perspectiva. O diagnóstico e seus rótulos (esquizofrênico, paranoico, hiperativo, autista, etc) acabam por dividir e reduzir o indivíduo a uma coisa só, negando sua pluralidade, sua complexidade, sua humanidade. Independente da existência de um transtorno ou não, estamos todos andando sobre a mesma corda bamba, entre o mundo real e a fantasia, tentando encontrar o meio termo entra loucura e sanidade, bem e mau. Somos todos vulneráveis, estamos todos a procura de algo que dê sentido a nossa existência.

    Muita luz na sua jornada.

    Lucijane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog. Realmente os rótulos não ajudam em nada, quando alguém diz "o esquizofrênico" me sinto que diminuido, a sensação é de todos os portadores são iguais, e não é bem assim.

      Excluir
  14. Achei muito interessante,também sofro com a esquizofrenia paranoide,não é fácil, me sinto incapaz.Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, hoje até que está mais ou menos estabilizado, já foi bem pior, claro que ainda tem sequelas, os sintomas negativos, etc. Por isso me sinto meio que na obrigação de ajudar as pessoas que estão passando agora o que passei há anos atrás.

      Excluir
  15. Ola Julio, aqui e o Artur. Hoje conheci voce na rua em Belo Horizonte. Estou facinado com o seu blog, pois assim como voce, tambem gosto muito de fazer longas travessias e conhecer lugares novos.
    Poucos tem a disposicao de enfrentar longas caminhadas como as suas, ainda com poucos recursos.
    Portanto me identifiquei muito com voce. Se precisar de algum apoio ou ajuda, por favor nao deixe de me ligar, voce ja tem meu numero.
    Meu facebook:
    http://www.facebook.com/artur.abiackel

    um abraco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Artur, obrigado por visitar o blog e pela força. Você já fez alguma travessia que tenha sido tão legal que recomendaria a outras pessoas? Eu já estou pensando em fazer outra, já deu para descansar da estrada real, uma travessia que recomendo e acho legal, é o caminho do padre Anchieta. Não é muito longa(100km) e tem belas paisagens, a maioria na praia. Vou te add no facebook sim, hoje não vai dar pq o UAI bloqueou o facebook, mas quando acessar uma lan vou te add.
      Obrigado.

      Excluir
  16. Olá amigo! Parabéns ao BLOG e aos VIDEOS no youtube! Eu não sei te dizer se sou "esquizofrênica" ou não! Me identifiquei com algumas coisa... Gostaria de saber como posso saber se sou ou não? Tem algum questionário a ser feito?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe um formulário pronto para entrevistar a pessoa e dizer se ela é esquizofrênica ou não. O psiquiatra, juntamente com o psicólogo, através das consultas, vão tentando achar um diagnóstico para a pessoa. Mas o que as pessoas que têm esquizofrenia sentem, muitas pessoas também sentem, só que em um grau menor. A diferença está em quanto isso atrapalha ou não a vida da pessoa.

      Excluir
  17. Caro Júlio,
    Sou jornalista e estudante de Psicologia. Foi na busca por informações sobre Esquizofrenia para um trabalho da faculdade que descobri seu blog e sua determinação em desmitificar a doença e combater o estigma que a sociedade impôs ao portador de Esquizofrenia.

    No próximo dia 16 de setembro, aqui em Brasília, meu grupo fará a apresentação do trabalho da disciplina de Psicopatologia II e você será uma de nossas "principais estrelas"!

    Utilizaremos não apenas o seu vídeo, como alguns relatos anônimos que encontramos aqui no seu blog.

    Você, de fato, é uma inspiração para muitos!

    Boa sorte, saúde e sucesso na sua vida!

    Adão Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Adão pelas palavras, confesso que até fiquei sem palavras na hora que li o seu comentário. Sei que é uma tarefa difícil tentar acabar com o estigma que cerca a esquizofrenia, mas me sinto muito feliz e recompensado e não me arrependo de me expor ao publicar os videos e o blog. Felicidades para você e que seu trabalho seja um sucesso.

      Excluir
  18. Júlio, como vc está? Estou maravilhada com seu blog, sem palavras!! Vc transmite algo de muito bom para as pessoas, como coragem, atitude, força de vontade... parabéns, nunca deixe de escrever, lembre-se que sempre estará ajudando as pessoas com a sua comunicação. Obrigada!!! Raquel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Raquel, logo no início já queria parar de escrever o blog, mas as pessoas diziam que o que eu escrevia as ajudava de alguma forma, e isso me dá forças e ânimo para continuar com o blog, às vezes fugindo um pouco do assunto, mas sempre continuo postando. Abraços

      Excluir
  19. Bom dia, namoro há 7 anos com um rapaz gente boa pra caramba, sempre fez de tudo pelos amigos... Comigo aprontou várias, me traiu, me enganou, usava drogas desde os 12 anos... Era uma pessoa diferente, sempre percebemos isso, nunca teve muita paciência pra jogar um video game que fosse. Eu como namoro e conheço um pouco do íntimo, sempre achei que lhe faltava alguma coisa. Há mais ou menos um mes e meio atras ele surtou. (Acredito não ser o primeiro surto, ja vi algumas outras vezes surtos rápidos que duraram um dia ou poucos dias) Como namorávamos a distancia, pode ter acontecido muitas vezes sem que eu soubesse e como ele usava drogas, sempre pensamos ser alguma reação, tanto que agora, a ultima vez que surtou aos 24 anos, achamos que tinha tomado um chá de cogumelo. Ele foi encaminhado para internação de dependentes químicos, quando ontem recebemos o diagnóstico de esquizofrenia. Chorei muito parecia que ele ficaria assim pra sempre, resolvi então pesquisar mais sobre a doença, embora ja tivesse visto algumas coisas. Esse blog é maravilhoso, nada melhor do que ter experiências e relatos de um portador para nos fazer entender. Sou completamente apaixonada por meu namorado (não deve ter sido em vão ter aguentado tudo o que aprontou comigo) Tenho certeza que essa é a minha missão aqui na terra, sei que não será fácil. Em uma conversa uma vez, após um acidente que ele sofreu de moto, falei que mesmo se ele perdesse os movimentos das pernas eu continuaria o amando, E hoje eu digo, mesmo em algumas vezes perdendo o controle da própria mente, eu o amo. Ja fui muito rejeitada nesse primeiro surto, que chamam de surto agudo pois fazem quase dois meses que não consegue alinhar uma conversa. Ameaçou me matar, fugiu, me chamou de falsa, mandou eu "tirar o óculos" (quase como se fosse tirar a mascara pois eu estava sem óculos) disse que não queria nem saber de mim, que era pra eu sumir da frente dele... Uns 4 dias depois me ligou e pediu pra eu ir conversar com ele. Sei que enfrentarei uma maratona de surtos, mas estou disposta. E espero, através de seus relatos, da suas experiencias conseguir entende-lo, e ajudá-lo. Muito obrigado por dividir um pouquinho da sua vida conosco. É uma força e tanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, muito emocionante o seu relato, o seu amor por ele. Realmente quando estamos surtados desconfiamos até de nossos próprios parentes. Mas acredito que com sua força ele irá superar esse problema e um dia irá te agradecer e muito por ter continuado com ele. Ele já viu o filme mente brilhante?

      Excluir
    2. Acredito que não assistiu ainda, mas li agora a Sinopse e achei muito interessante com toda certeza assistirei junto com ele. Agora moramos pertinho, ele voltou a morar aqui em Santa Maria RS na cidade onde nos conhecemos. Muito obrigada pela dica, e também pelo apoio. Abração

      Excluir
  20. olá

    gostei muito da sua história!

    eu também sou esquizofrênica, em mim a doença se manifestou depois de passar por sofrimentos muito dolorosos, antes eu trabalhava com pessoas carentes e fui em uma viajem missionaria na bahia e tinha um noivo nessa época íamos nos casar eu estava feliz mas qndo voltei da viagem ele havia me traído com minha melhor amiga e ele chegou a dizer que não me achava atraente por q eu havia engordado
    depois de um mês minha prima me convidou pra sair e tentar esquecer o que havia acontecido e numa festa eu fui espancada e estuprada por um rapaz nessa festa
    6 meses se passaram e eu comecei a ter os primeiros sintomas, sentia-me perseguida e ouvia vozes de comando, nesse período eu fui internada umas 4 vezes por surtar
    até que aconteceu o mais grave
    um dia ouvi uma voz que me mandou me queimar e eu me queimei
    graças a deus eu me recuperei fiquei com algumas marcas mas estou viva!
    eu faço tratamento e tenho estado bem graças a Deus
    queria conhecer pessoas que têm esquizofrenia pra tentar viver melhor foi muito bom encontrar seu blog!
    bem se fosse contar tudo q já sofri de preconceito por ser doente ficaria hs =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog e por compartilhar sua história , que é um exemplo de vida. Entre no facebook e participe dos grupos de esquizofrenia. Depois me add no facebook que eu lhe passo os links dos grupos. Abraços

      Excluir
  21. OLA TBM SOU ESQUIZOFRENICA TBM ESTOU ENCOSTADA A 2 ANOS .. TENHO TODOS ESTE SINTOMAS CITADOS ACIMA .. ME SINTO MUITO MAL ..TEM DIAS QUE NÃO QUERO VER NINGUEM GOSTO DE STAR SEMPRE SOZINHA ... ALEM DO MAIS SINTO MUITAS DORES NO MEU CORPO AS VESES PENSO QUE VOU MORRER... TOMO VARIOS MEDICAMENTOS MAIS ME DEIXAM MUITO SONOLENTA O DIA TODO.. SO CONSEGUI O BENEFICIO 31 SERA QUE VÃO ME APONSENTA... FAÇO PERICIAS A CADA 5 MESES...

    ResponderExcluir
  22. Boa noite amigo. Não sou de muitas palavras, mas acho necessário parabenizá-lo pela iniciativa do blog. Sou estudante de medicina e tenho o desprazer de encarar diversas vezes o preconceito acerca não só da esquizofrenia, mas outras fobias e eventualidades. Seu blog ajuda diversas pessoas que, lamentavelmente, sentem-se abandonadas; Com certeza, recomendarei seu blog a meus pacientes.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras. Fico muito feliz se estou ajudando de alguma maneira a diminuir o preconceito contra a esquizofrenia. É como aquela história do pássaro que, ao ver a floresta em chamas, vai ao rio várias vezes e volta à floresta, jogando o pouco de água que consegue carregar. É o que procuro fazer, às vezes sou até meio chato na hora de usar os grupos do facebook para divulgar os meus posts. Abraços e sucesso nos estudos..

      Excluir
  23. OI CARO AMIGO ESTOU TE SEGUINDO NO BLOG E NO FACEBOOK .. ESTOU MUITO CONTENTE EM SABER QUE VC ESTA PENSANDO EM REFAZER SUA VIDA.. ALUGAR UM QUARTO OU TALVES UMA CASINHA.. ME ALEGRO POR VC E SEI MUITO BEM QUE A VIDA É BEM DURA COM TODOS NÓS.. ACHO QUE AU LONGO DA VIDA TEMOS POCOS OU NENHUM AMIGO DE VERDADE.. MAL TE CONHEÇO E JA ME PREOCUPO POR SUA VIDA.. SUA SEGURANÇA SUA CALMA E FELICIDADE... TANBEM AMO A NATUREZA . E AMO TANBEM MEUS AMIGOS TESTEMUNHAS DE JEOVA QUE ME A´POIAM MUITO .. TANBEM AMO NATUREZA SELVA MATO RIOS TUDO QUE É NATUREZA .. JA TIVE MOMENTOS BONS NA MINHA VIDA EM 1994 ESTIVE POR UM ANO EM SÃO PAULO QUERIA SER AERO MOÇA ESTIVE NA FAB OU FORÇA AREA POR UM ANO AI NO CAMBURCI EM SÃO PAULO..MAIS EU RESIDIA EM OSASCO NO JARDIM PADROEIRA 1 .,. E NO ENTANTO NÃO TINHA APOIO DE NINGUEM AI .. AS MINHAS TIAS ERAM BEM MAS COMIGO POIUS TINHAN INVEJA DE MIM ..POIS EU ERA DEMASIADA DIFERENTE E E INTELIGENTE . PARA ELAS ..FOI UMA EXPERIENCIA HORRIVEL... ATÉ MAIS MAIS AMIGO SE CUIDE MUITO SUA VIDA É SEU BEM MAIS VALIOSO QUE VC TEM. ABRAÇÃO.. SOUY A MARLENE MEU FACE É KALESSI. VC ME COMPARTILHOU UM VIDEO MUITO LINDO..OBRIGADO..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pelas palavras e pela visita ao blog. Não precisa se preocupar muito comigo não, pois, pelo que já aconteceu na minha vida e pelo fato de ainda estar inteiro, é bem provável que eu tenha um anjo da guarda muito eficiente rsrsrsrs Eu não tenho hora certa para entrar no face, mas quando me ver on pode me mandar mensagem. Eu saio add todo mundo e às vezes nem lembro direito quem são os meus amigos virtuais.

      Excluir
  24. JULIO QUAIS OS DIAS QUE VC ENTRA NORMALMENTE NO FACE... ACHO VC SUPER TENN VC E DIMAIS ...ADMIRO MUITÃO SUA CORAGEM,,, EM CONTINUE SENDO ASSIM FORTE INTELIGENTE E MEIGO DELICADO.. POREM MUITO INTELIGENTE.. AMIGO MINHA VIDA É MUITO TRISTE .. UM DIA TE CONTAREI MINHAS HISTÓRIAS... AINDA SEREMOS MUUIITO BOMS AMIGOS.. HA TE ESCRIVI NO FACE ME RESPONDE OK...
    ABRAÇÃO JULIO... ALGUEM QUE TE ADMIRA DE VERDADE...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado pelas palavras e principalmente pelo tenn rsrsrsrs Recebi sua mensagem pelo facebook, meu telefone não está recebendo chamadas pq está sem crédito e estou fora da área do chip, que é Minas Gerais. Teria que ter crédito para receber chamadas aqui em sampa, por causa da taxa de deslocamento. É complicado, é mais fácil comprar um chip aqui de sp, vou fazer isso depois postarei em contatos. Eu entro no face geralmente às quatro da tarde. Muito obrigado mesmo pela visita ao blog e principalmente pelas palavras.

      Excluir
  25. AMIGO VOÇE E SUPER INTELIGENTE .. APESAR DOS PESARES..É A A MALEDITA DA VIDA NÃO NOS ENSINA A VIVER ELA NOS OBRIGA A APRENDER...MAIS VC TEM MUITA FORÇA PRÓPIA SE SAIRA MUITO BEM.. ESTOU BEM SEGURA DISSO..CONTINUE ASSIM ..FAÇA O QUE LHE DER VONTADE. TRABALHE EM CIMA DAQUILO QUE VC QUER PRA SUA VIDA E SEJE FELIZ..J.CESAR..ABRAÇÃO..AMIGO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog e pelas palavras. A esquizofrenia nos faz ter os altos e baixos mesmo. No momento não estou bem( 02/14) mas na minha vida tudo foi muito difícil e agora não está sendo diferente, mas não desisto nunca.

      Excluir
  26. Cara, eu to vidrado no seu blog. Eu sei que este post é antigo, mas eu me identifiquei com sua história.

    E você foi Metal! Haha, eu também tive uma fase dessas, mas até hoje sou cabeludão.

    A minha mãe é esquizofrênica e minha irmã (falecida) tinha síndrome de Asperger e apresentava os sintomas.
    Eu estou iniciando um tratamento com Risperidona, mas não está adiantando muito. Eu fiquei chumbadão.

    Então, tenho essa sensação de ser observado. E acordei ontem jurando que tinham atiradores de elite mirando em mim, lá de fora.

    Continue escrevendo, você tem o dom, brother!


    Arn Krogdahl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas palavras.
      Eu vi um pouco de sua história lá no blog. Até hoje gosto de ouvir um som pesado, mas já não ando com calças jeans rasgadas e camisas com caveira. Era mais uma fase mesmo, que foi dos 15 aos 17 anos de idade. Cheguei até a perder estágio por causa do cabelo que não queria cortar, mas não me arrependo, pois depois comecei a trabalhar como operador de som, e foi muito bom sair por ai viajando e trabalhando em shows e festas pelo país.
      Acertar a dose e a medicação é um pouco difícil mesmo. Se por um lado ficamos tranquilos, o corpo padece e muito. Temos que encontrar um meio termo, sem que uma das partes fique muito prejudicada.
      Você é brasileiro?

      Excluir
  27. Julio sou apaixonada pelo seu blog! Não deixa de escrever nunca por favor rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      Muito obrigado pelo elogio. Me salvou o dia de hoje. Passei alguns perrengues no posto de saúde, por que está faltando o diazepan.
      Vou sim continuar escrevendo, só estou passando por uma fase complicada, pois estou com um probleminha no meu pé e acho que vou ter que operar, mas tudo vai ficar bem.
      Muito obrigado.

      Excluir
    2. Sinto muito Julio. Sei como é difícil posto de saúde. Qualquer coisa conte conosco aqui, não só para desabafar, mas para ajuda-lo em alguma coisa. Várias vezes suas postagem salvaram meu dia também!

      Excluir