quarta-feira, 30 de maio de 2012

Psiquiatria, uma indústria da morte?

    Bem, hoje vamos falar sobre um assunto polêmico, que é a chamada antipsiquiatria. Creio que grande parte das pessoas ainda não sabem do que se trata. Então vamos começar pelo começo...(mas sem muito bla bla bla, pois a minha intenção é ser o mais simples possível).
    O que é a psiquiatria? É um ramo da medicina que procura tratar as desordens e sofrimentos mentais, por muitos chamadas de loucura. A palavra  psiquiatria vem do grego e quer dizer: "arte de curar a alma". Só o  significado já é tema de um debate e tanto, pois como se cura a alma com medicamentos e outros procedimentos?
    Já a loucura, de uma maneira geral, são comportamentos e pensamentos considerados anormais pela sociedade. Não vou aqui falar também sobre o que acho sobre o assunto, pois é um tema bastante subjetivo, pois a loucura para uns pode não ser loucura para outros. Nos vídeos que posto no youtube, separei alguns trechos do filme "O Alienista", que nos faz refletir sobre esse assunto de uma maneira divertida. Se puderem, assistam o filme completo. 
                                                              
 
                                                               
    Então, o que é a antipsiquiatria? Podemos dizer que é um movimento criado(inclusive por alguns psiquiatras) que coloca em questão alguns procedimentos e idéias adotados pela psiquiatria, como, por exemplo:
-tratar e classificar praticamente todas as desordens emocionais e mentais como doenças.
-a origem biológica de alguns transtornos emocionais e mentais
    A antipsiquiatria afirma também que alguns psiquiatras tem envolvimento com a indústria farmacêutica, principalmente nos Estados Unidos. Para falar de uma maneira simples, eles afirmam que os psiquiatras ganham dinheiro ao classificarem novas doenças, para assim, criarem mais medicamentos para serem consumidos. Ainda afirmam que esses remédios são liberados da fase de testes muito mais rapidamente com a ajuda desses psiquiatras. Logo abaixo o vídeo fala de uma maneira geral sobre o assunto. Ele foi feito em Portugal, mas dá para entender o que foi dito, e a parte que está em inglês vem com legendas. 
    Bem, e eu, como portador de esquizofrenia, o que acho disso tudo? Não vou me colocar no meio do muro, mas, para mim, tanto a psiquiatria como a antipsiquiatria estão sendo radicais. A psiquiatria, por generalizar alguns sentimentos e comportamentos como doença, e a antipsiquiatria ao afirmar que não existem fatores biológicos que alterem o estado mental de uma pessoa. 
    Em relação à psiquiatria, acho que existe um exagero ao se encontrar uma classificação para todos os tipos de comportamentos e sentimentos que não estão dentro do que é considerado normal pela sociedade. Transformou-se tristeza em depressão, timidez em não sei lá o que e outras coisas mais. Tanto é que o manual de diagnóstico de distúrbios mentais cresceu bastante nos últimos anos. Após vários anos lidando com vários psiquiatras, a sensação que me passaram é que tudo o que se passa na mente humana é biológico ou químico. 
    Acredito que existam os maus profissionais na área de saúde mental, que aproveitam a fragilidade emocional dos pacientes, para aumentarem o lucro da indústria farmacêutica, principalmente nos Estados Unidos, onde a maioria dos medicamentos para transtornos mentais são criados. Se existe uma banda podre na política, na religião, na polícia, por que não haveria na psiquiatria? A indústria farmacêutica visa o lucro, assim como a automobilística, ao afirmar que você será uma pessoa melhor se adquirir tal carro, ou como a indústria de cosméticos, que promete o elixir da eterna juventude em poucas aplicações de cremes milagrosos. 
    Mas não posso deixar de dizer, com a experiência que tive, que existem profissionais bem intencionados na psiquiatria, e inclusive devo minha melhora, em grande parte, a esses profissionais. Só achei completamente errado o primeiro psiquiatra que tive, pois ele diagnosticou e me receitou os medicamentos em menos de dez minutos, sendo que, no momento da consulta eu já estava me sentindo bem, pois o surto já tinha passado, só estava um pouco assustado com tudo o que havia acontecido. Acho que o que eu mais precisava naquele momento era de esclarecimento e explicações sobre o que é a esquizofrenia. Já tinha ouvido falar nesse nome, mas não tinha a mínima ideia do que se tratava. 
    Em relação à antipsiquiatria, acho que eles pecam em afirmar que não existe fatores biológicos que causem desordens mentais. Assim como pode existir um figado que não funciona corretamente e que não produza insulina suficiente, causando a diabetes, pode haver um cérebro que tenha um mau funcionamento, não produzindo certas substâncias, como a serotonina, causando assim uma depressão, ou então produzindo dopamina em excesso, que é a teoria mais aceita hoje em dia para tentar se explicar a esquizofrenia. 
    Sem contar que existem fatores genéticos que talvez podem contribuir para o surgimento da esquizofrenia. Muitos amigos que tenho e que são portadores de esquizofrenia, tem ou tiveram parentes com o mesmo transtorno. Minha mãe tinha algum transtorno mental, pelo que me lembro do comportamento dela. Lembro-me do dia em que ela teve uma crise, e foi levada a um hospital, mas, infelizmente, minha avó não aceitou o diagnóstico do médico. 
    Ainda existe a questão de que o cérebro envia impulsos elétricos para o resto do corpo, e acho que, se o mesmo não fizer isso direito, pode ocorrer uma falta de ânimo para realizar as tarefas do dia a dia. Há alguns anos atrás, vi uma reportagem na tv que mostrava uma mulher que foi curada da depressão implantando um marcapasso no cérebro. Ela dizia que ficou 100% curada da depressão. Veja a reportagem:
    Mas, já pensou se a bateria acabar em uma festa? As pessoas irão perguntar:
- O que você tem? você estava tão bem!  Ai a mulher irá responder:
- É que a minha bateria arriou!
    Os cientistas teriam então que implantar uma espécie de tomada na pessoa, para recarregá-la. Assim, quando a bateria acabar, é só conectar o recarregador na pessoa e pronto!
Brincadeiras a parte, se a mulher se sentiu melhor com isso, não vejo por que não fazer o procedimento. Faria a mesma coisa no lugar dela, e faria qualquer coisa também para me livrar definitivamente da esquizofrenia. 

    A minha intenção ao colocar este post não é a de colocar as pessoas contra a psiquiatria e contra os medicamentos, mas sim alertar para que as pessoas pensem duas vezes antes de tomarem um antidepressivo, quando na verdade estão apenas tristes, por um motivo real e verdadeiro. Também alerto que coloquem os prós e os contras na hora de tomar um remédio para dormir, pois eles não irão fazer com que os problemas que estão lhe tirando o sono desapareçam.  Basta olhar o caso do Michael Jackson, que, com o tempo se tornou dependente desses medicamentos, e, como os mesmo já não faziam efeito,  teve um triste fim, pois só conseguia dormir a base de anestésicos. 
    Acho que houve uma grande melhora no tratamento dos transtornos mentais, pois é melhor tomar um medicamento do que ter parte do seu cérebro destruída por um picador de gelo e um martelinho, como era feita na lobotomia. Acredito que num futuro próximo serão criados medicamentos com menos efeitos colaterais, pois existem pessoas sérias e bem intencionadas na psiquiatria sim. Só espero que o interesse e a ganância da indústria farmacêutica não atrapalhe isso. 
    Bem, obrigado por visitarem o blog, o post foi extenso, pois o assunto é muito polêmico. Desculpem-me os possíveis erros de português. Não sou formado em letras, não sou psiquiatra. Sou apenas um portador de esquizofrenia, que se acha no direito de se expressar livremente. 




22 comentários:

  1. Primeira vez que acesso o blog, mas já estou encantada!!! de verdade! De fato admiro o seu blog e o modo leve como escreve, mostra q realmente é possível superar os esterótipos e, mehor, superar a si mesmo! Parabéns!!!

    Fernanda Falcão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho Fernanda. Resolvi escrever sobre a esquizofrenia de uma maneira mais simples, pois a maioria dos artigos que leio sobre o transtorno usam uma linguagem mais científica, que desanima um pouco as pessoas a se interessarem pelo assunto. Fico muito feliz por ter gostado, pois é isso que me dá forças para continuar a escrever.

      Excluir
  2. Olá Julio, gostei muito do seu blog, tbém acho que alguns comportamentos incomuns, ou diferentes são muito rotulados...gostei muito do seu texto, vc escreve bem e de forma leve como a moça acima citou...quanto a mania de perseguição que vi nos posts anteriores como achar que está sendo monitorado por hackers isso realmente é uma má impressão..eu quando tive paranóia achei que estava sendo vigiado por aviões..achava que libélulas me perseguiam e etc..fiz terapia com uma boa psicóloga e essa paranóia passou..99% da minha paranóia sumiu as vezes ouço barulhos e sons de morcegos e acho que tem alguma coisa espiritual envolvida..mas enfim essa impressão que vc tem de que está sendo monitorado realmente acho que não existe...assim como a impressão que tinha que os aviões me seguiam estava errada...gostei muito do seu texto, ele é muito bom ..tbém espero ter ajudado! Um abraço!

    Rodrigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por ter gostado do blog. Não sei ainda como resolver por completo essa mania de perseguição que tenho, já esteve bem pior, hoje dá para ir levando, mas me incomoda bastante. Coisas que antes eu gostava de fazer, hoje em dia procuro evitar. Já tentei terapia também mas não obtive muitos resultados. Em outros posts, comentarei mais sobre a mania de perseguição, pois ela não para de me perseguir tbm rsrsrsrs Bom final de semana pra vc por ai

      Excluir
  3. E se expressa muito bem, de forma muito clara, com grande elegância em um assunto tão polemico. Gostei de ler um relato de um portador, porque independente de psiquiatra, antipsiquiatria, terapeuta, simpatizantes a maioria de nós fala da loucura de fora dela. Falamos da loucura no seu aspecto mais romanceado. De modo que se a Linguagem da Loucura é passível de ser compartilhada para outros sujeitos, a linguagem do surto é particular, altamente subjetiva, privada e para essa ainda não conseguimos explicações melhores e mais pontuais.

    ResponderExcluir
  4. Resolvi fazer o blog por achar que faltava isso nos meios de comunicação. O que não falta são vídeos feitos por psiquiatras e psicólogos falando sobre o assunto. Nada contra eles, isso ajuda e muito a esclarecer esses temas. Então, como portador, resolvi de uma forma tirar o estigma que esse transtorno carrega, pois, infelizmente, só aparece na mídia quando ocorre alguma tragédia. Claro que existem programas de tv que abordam o assunto, como o Sem Censura, da Leda Nagle, e o programa do Jô Soares também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá adorei seu blog. Muito interessante e com otimo conteudo. Tenho um filho com esquizofrenia e me interesso muito pelo assunto, pois me ajuda muito a esclarecer e aprender muitas coisas

      Obrigado por vc existir

      Excluir
    2. Eu que agradeço pela visita e senti que era necessário abordar o tema na visão de quem o tem, sem muitos termos acadêmicos. Espero que seu filho esteja seguindo o tratamento e que esteja bem. Abraços

      Excluir
  5. Querido Julio muitos parabéns, mesmo! Não sei se prefiro ler vc ou ver vc no youtube, porque eu amei os seus videos e fiquei fascinada com o seu blog. Por favor, continue!! Vc está ajudando e vai ajudar muitas vidas; de outras pessoas com os mesmos sintomas, bem como de familiares e amigos e mesmo até a comunidade médica.
    Muito obrigada de coração, um abraço enorme da ilha de São Miguel, nos Açores (Portugal)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por ter curtido o blog e os vídeos. Escrever o blog está sendo um prazer, pois gosto de fazer isso. Quanto aos vídeos, não sou muito bom para falar e fico meio embaraçado em frente à câmera, que não é muito boa, mas foram feitos de coração mesmo. Abraços a você e a todos irmãos portugueses ai em São Miguel.

      Excluir
  6. Muiito bom o comentário, que Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado e amém. Obrigado por visitar o blog e por pedir para que Deus me abençoe, isso nunca é demais. Felicidades por ai também.

    ResponderExcluir
  8. Amigão escreveu legal..
    Gostei daquela parte que diz que a loucura para uns pode não ser loucura para outros.
    Sofri um acidente de paramotor ("paraquedas com motor")
    Me quebrei inteiro, fiquei 23 dias em coma e 1 mês em observação..
    Não posso falar que vou voltar a voar que todos ficam doido huahuahha
    Mais é fiquei muito muito mal; durante a vida atual.
    este acidente sofri em 05 de Agosto de 2012
    E já mudei de psiquiatra 2 vezes pois não consigo fazer com que me forneçam os medicamentos de tarja preta para dormir.
    meu corpo parece que vai morre mais o cérebro vai fica sempre ativo.
    : )
    Agora lendo o que escreveu e assistindo os videos, entendi muito. A dependência por trás disso tudo arruiná a vida da pessoa.
    Mais não sou esquizofrênico
    (^_^)
    Muito Bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente a loucura é um dos termos mais subjetivos que já encontrei por ai. Voar para mim que tem medo de altura é uma loucura, só que saudável mesmo. Acho que não conseguiria pular de paraquedas, se fizesse isso provavelmente teria um infarto antes de chegar em terra firme. Mas fisicamente você está bem? Ficou com sequelas? Mas mesmo assim o importante é continuar e não desistir nunca. Esses médicos são diferentes da maioria que conheci, pois eles passam esse tipo de medicamento com uma facilidade enorme. O primeiro psiquiatra que consultei me diagnosticou e me receitou os remédios em apenas sete minutos! Para entrar nos remédios é primeiro preciso estudar muito o caso. Não se tem que levar apenas o que a pessoa passou, o médico tem que perguntar como a pessoa está se sentindo no momento. Acho que os remédios são um mal necessário em alguns casos.

      Excluir
    2. Sim..
      Sequelas já mais.. E voando, 100% blza..
      Abraçoa

      Excluir
  9. O que faz mal é não tomar o remédio porque o que escraviza a pessoa é a doença. Médicos mal intencionado existem mas são minoria. Tem pessoas que esquecem que os remédios ajudaram quando estava em crise, falando depois que causou dependência...
    Assinado: Mar, obrigado pela matéria! Continue postando que está muito bom.

    ResponderExcluir
  10. Excelente texto.

    Por causa disso é que eu adquiri mania de pedir a bula no posto e ler de cabo a rabo, inclusive as interações medicamentosas, porque se você usa mais de um remédio, tem que ter muito cuidado. E eu ainda pergunto tudo pro psiquiatra.

    Talvez eles tenham receio de falar tudo abertamente aos pacientes, talvez pensem que nós não somos receptivos, ou temos medo da verdade. Ok, nem todo mundo procura ajuda médica por livre e espontânea vontade, tem gente que vai meio que coagido. Mas tem gente que tem vontade de perguntar as coisas e não sabe como.

    Minha irmã, que era autista, demorou saber o nome do que ela tinha. Quando ela disse para a psiquiatra falar abertamente qual era o problema dela, eis que a médica diz: - "gostei! Você tem a mente aberta, isso é muito bom. Porque dependendo do paciente, tem que ter cautela. Tem gente que assusta, fica pior, entende a informação como depreciação..."

    Mesmo assim, é dever dos médicos informar sempre sobre os remédios, os tratamentos e os transtornos em si, ao paciente ou ao responsável. Alguns medicamentos são perigosos, deixam sequelas, causam outros transtornos... E nem todo paciente sabe como ou o que perguntar.

    Valeu!

    - Arn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com tudo o que você afirmou no comentário. O paciente tem o direito de saber sobre o que está tomando. Nos postos de saúde só é dado a cartela, sem a bula. E mesmo se tivesse a bula, em alguns casos não adiantaria muito, pois a linguagem usada é bem científica e as letras muito pequenas, precisando de uma lupa para ser lida.
      Em relação a dar o diagnóstico, deveriam estudar uma maneira de informar o portador de esquizofrenia o que ele tem. Pode ser um pouco difícil, pois é uma patologia cercada de estigmas e mitos. Mas é melhor ficar sabendo a verdade do que viver na incerteza.
      Obrigado pela participação no blog.

      Excluir
  11. Atraves de Bruno Gimenes(Fitoenergetica/ Luz da Serra),fiquei curiosa com essa explicaçao sobre esquizofrenia. A minha opiniao e que a esquizofrenia e uma doença da alma ou seja espiritual.

    Catarina de Fatima
    catia.fatima@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Respeito a sua opinião, mas sofri muito quando também tinha esse pensamento, e buscava nas igrejas, religiões, doutrinas as respostas para as minhas crises. Não encontrei e hoje me aceitando do jeito que sou, estou me sentindo melhor. Aceitando de certo modo, pois sempre devemos procurar evoluir em todos os aspectos.
      Mas seja bem vinda ao blog, que é democrático e respeito todos os pontos de vista.

      Excluir
  12. Olá Julio, sofri violência sexual na primeira empresa que trabalhei, depois disso passei muitos anos sem contar isso para alguém, e quando arrumava emprego novo e alguém me conhecia, sofria muito com piadas, xingamentos, e tudo mais... por isso não parava em emprego nenhum. Passei muitos anos de minha vida trancado dentro do meu quarto, ouvindo meus amigos e familiares me xingando de vagabundo, bicha, pois não conseguia arrumar namorada e muitas coisas mais, até o dia que tomei coragem e contei tudo para uma das minhas irmas pensando que a partir dai a minha vida iria mudar para melhor... Pois aconteceu o contrário, ai que eles começaram a me tratar como seu eu fosse louco, um psicopata... Minha vida tem sido um inferno, me difamaram no bairro inteiro, não consigo mais arrumar emprego, não consigo estudar... e agora minha própria família em vez de me ajudar está querendo se livrar de mim... Tenho 41 anos nunca fui ao psicologo ou psiquiatra... Depois de tolerar tanta coisa em casa acabei explodindo e quebrei coisas e falei um monte pra todo mundo, não agredi ninguém nem machuquei ninguém e chamaram a policia e quiseram me levar a força para um hospital, pois eu não fui fiz valer os meus direitos. Andei muito mal nos últimos dias, sentia várias coisas, vários sintomas, apesar de tudo sempre tive boa saúde, mas de uns meses pra cá venho tendo vários problemas de saúde, inclusive problema no figado... comecei a suspeitar que estavam colocando alguma coisa na minha comida, pois alem dos problemas de saúde, dormia muito, não conseguia me concentrar em nada parecia um robô... e eu estava certo andaram me medicando sem o meu consentimento. Cara não sei o que vai ser da minha vida, acredito muito em DEUS, e é por isso que ainda estou aqui... mas confesso está muito difícil... ver meu próprio pai me tratando como se fosse louco. Não sei se sou esquizofrênico, se enxergar a maldade do homem ao seu próximo é esquizofrenia então eu sou esquizofrênico também... Fico feliz que esteja bem e não fique mal por conta da minha historia eu jurei pra mim que vou superar tudo isso nem que seja sozinho, pois a minha humanidade ninguém vai tirar de mim e minha alma pertence a DEUS. Fique com ele e continue lutando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Não fiquei mal ao ler a sua história. Confesso que fiquei sem saber o que responder, pois pelo que relatou tudo começou com um fato real, e que não foi resolvido logo no começo e, com o tempo, foi se tornando uma bola de neve e chegou à essa situação que você está vivendo atualmente.
      Pelo relato não sinto que você tenha esquizofrenia, pois não relata nenhum tipo de alucinação, e sim uma desconfiança baseada na realidade.
      Talvez seria uma boa conversar com um psicólogo (a), só para ver como se sentirá.
      Se você mora em uma grande cidade, ainda dá para continuar nela e recomeçar tudo de novo. Passei por uma situação parecida em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais por causa de um boato que eu estava com aids e ai comecei a pirar e a situação foi amenizada mudando de cidade.
      Bem, espero que tudo se resolva por ai, confie em você mesmo e também não faz mal nenhum ter a sua fé.
      E continue na luta também.

      Excluir