quarta-feira, 6 de junho de 2012

Esquizofrenia: Um sentido para a vida pós surto

   Creio que a maioria das pessoas que visitam o blog já ouviram falar de depressão pós parto. Mas acredito que não saibam que pode bater uma depressão pós surto. A sensação de que se é uma pessoa diferente talvez possa ser uma das causas, sem contar os questionamentos que temos, como "O que que eu fiz para merecer isso?", "por que logo eu?", etc.
     Depois de nos recuperarmos de um surto psicótico, pensamos qual rumo seguir, a procurar um sentido para a nossa vida, depois de conhecer e sentir a realidade de uma patologia que nos leva ao que não é real. Vou relatar o que aconteceu comigo, e que talvez possa ajudar pessoas que, como eu,  passaram pelo vale sombrio de um surto psicótico. 
    Após cinco exaustivos anos de perícias no INSS finalmente tinha conseguido me aposentar. Estava feliz, não teria mais que dormir na fila para marcar perícia (hoje se faz isso pelo telefone). Estava mais aliviado ainda por não ter mais que falar sobre o que eu tinha para os peritos. Era um pouco constrangedor e triste ter que responder a pergunta: "O que você tem?" para um desconhecido. Sem contar que era extremamente difícil contar em alguns minutos tudo aquilo que estava se passando comigo. Confesso que aquela pergunta me tocava muito e cheguei a chorar algumas vezes. 
    Com o primeiro pagamento aluguei um quarto, após morar cerca de um ano e meio em um albergue para moradores de rua e ex detentos. Os primeiros meses foram de uma alegria que há tempos não sentia, finalmente tinha um cantinho só para mim, eu que, no primeiro surto psicótico, cheguei a morar na rua por um período de cinco meses e por pouco não morri devido à falta de alimentação e o esforço que havia feito para escapar das pessoas que, em minha imaginação, me perseguiam. A sensação de liberdade também me deixava quase em êxtase, estava me sentindo como um menino novamente. 
    Mas o tempo se encarregou de fazer com que eu voltasse à realidade e o tédio se instalou em minha vida. Os meus dias se resumiam em assistir TV e ouvir música, saindo de casa apenas para almoçar. 
    Para me distrair, resolvi voltar a jogar bola em um parque próximo de onde morava. Um dos poucos momentos em que eu conseguia esquecer de tudo era quando estava jogando bola. A alegria havia voltado, apesar de quase sempre me escalarem no gol. Não era ruim de bola, mas era um dos mais velhos da pelada e já não tinha pique para ficar correndo atrás de caras quinze anos mais novos do que eu. Mas não me importava com isso, jogava no gol com a maior disposição, me arranhando todo no campinho de terra batida. Fui considerado o melhor goleiro da pelada, e todos me tratavam bem, e fiquei conhecido como o goleiro. Quando estava jogando, a sensação de que estava sendo observado era tanta que me sentia em pleno maracanã lotado em uma decisão de campeonato e não pensava duas vezes em me esfolar na terra para salvar um gol. 
    Mas o tempo (sempre ele) se encarregou de deixar essa alegria para trás e o vazio preencheu minha mente novamente. Resolvi fazer um curso de informática. Até então o mundo virtual  era um mistério para mim e motivo de medo, pois pensava que, se encostasse um dedo em uma tecla errada, poderia estragar um computador. Ficava olhando admirado as pessoas digitarem textos com enorme rapidez e sem olhar para as teclas. Pensava que nunca iria conseguir fazer aquilo, e que já estava velho para aprender essas coisas. Mas, com muito esforço consegui fazer o curso de digitação(tinha dias em que chegava a ver estrelinhas), pois ficava de manhã e a tarde fazendo os exercícios, já que havia entrado bem depois que o resto da turma. Depois fiz o curso de informática e, para minha surpresa, fui um dos melhores da turma, sendo que em dias de prova, os alunos quase brigavam para sentarem ao meu lado para pegar uma colinha. 
    Conhecer o mundo da informática foi bastante útil para mim. Através de pesquisas na internet, conheci melhor a esquizofrenia. Fiz vários amigos virtuais que também tinham o mesmo transtorno, e isso me ajudou muito, pois só o fato de saber que não era a única pessoa do mundo a passar por aquilo me deu forças para continuar o caminho. 
    Mas com o passar do tempo o entusiasmo inicial pela informática também foi embora. O tédio se instalou de vez em minha vida que voltou a ficar sem sentido e passei a pesquisar na internet sobre métodos indolores de suicídio. Cheguei a pagar duzentos reais para uma pessoa que dizia vender um produto que fazia isso, não vou falar o nome por questões de ética. Mas, após efetuar o pagamento, não recebi o produto em casa. Essa música do Biquine Cavadão nunca foi tão condizente com a minha realidade como nesse período. 



    Fiquei um bom período muito mal, participando de um site de suicidas em potencial. Tentei ocupar o meu tempo, procurando trabalhar como voluntário na associação protetora de animais, mas, infelizmente não existe um canil aqui na cidade onde moro atualmente. Também fui atrás de uma associação que dava apoio à moradores de rua, como uma forma de retribuir toda ajuda que recebi durante o tempo que morei nas ruas. Mas o fato de lidar diariamente com muitas pessoas ainda era um fator estressante para mim, e então deixei esse projeto para depois. Não estava 100% curado(aliás, ainda nem existe cura para isso) e também não estava totalmente estabilizado, pois não me dava bem com nenhum tipo de medicamento, chegando a ficar muitos dias sem tomar um antipsicótico. A solução que encontrei foi andar sempre com uma cartela de diazepan no bolso, em caso de uma emergência. 
    Resolvi então postar vídeos no youtube falando sobre a minha visão sobre a esquizofrenia. Não foi e nem está sendo um sucesso de visualizações(cerca de 3500 em oito meses), mas recebi o apoio e o incentivo de muitas pessoas, algumas até me enviando dúvidas. Isso me ajudou muito, o fato de ajudar algumas pessoas com o que eu havia passado me fez sentir um pouco mais útil. 
    Mas, como disse no primeiro post, me sinto melhor escrevendo do que gravando vídeos e criei este blog. Também pessoas começaram a postar comentários positivos sobre os temas e a forma  como escrevo,  dizendo que minhas palavras ajudaram-nas a entenderem um pouco melhor a esquizofrenia. Gosto muito de escrever, faço isso acho que desde os 22 anos de idade, e então esse blog começou a dar um pouco de sentido a minha vida. 
    Aos poucos, os pensamentos negativos foram indo embora e novas ideias foram surgindo em minha mente. Tive a sorte de adquirir um bom violão usado praticamente novo e pretendo estudar música. Gosto de criar desafios para mim, e acho esse de aprender a ler e tocar uma música através de uma partitura um desafio e tanto. Me fascina o fato de que, com apenas alguns símbolos, uma pessoa possa tocar uma música, sem ao menos tê-la ouvido uma única vez. É a linguagem universal, aquela partitura tem o mesmo significado em qualquer lugar do mundo. As notas musicais, a duração das mesmas, o ritmo, está tudo ali naquela folha. Sei que é algo difícil, ainda mais para quem já passou dos quarenta, mas vou tentar. 
    Bem, essa foi a forma que encontrei de dar um sentido para a minha vida. Cabe a cada um descobrir o que lhe agrada e interessa, mesmo nos momentos mais difíceis, deve haver algo que lhe dê prazer e vontade de viver. 
    Espero ter ajudado de alguma forma com essa experiência que tive e com o tempo, contarei mais sobre como foram os dias difíceis que passei durante os surtos. 
    

15 comentários:

  1. Olá Julio, gosto de ler o seu blog e da maneira como vc escreve..é isso aí, eu mesmo estou tentando procurar coisas que gosto de fazer para dar um sentido a minha vida, após minha última internação em 2011 resolvi fazer faculdade de letras..é um novo desafio pra mim e estou gostando muito, estou terminando o 1° semestre da faculdade de um total de seis..o curso dura 3 anos e está sendo um desafio para mim..gosto muito de inglês e resolvi fazer esse curso..estou pensando em fazer biologia ou biomedicina tbém, não recebo auxilio doença, mas se eu receber pretendo fazer um desses dois cursos, tbém pretendo fazer um curso de design de games ou jogos digitais..estou pensando em prestar fatec..ou ainda terminar minha faculdade de design que comecei e não terminei..enfim estou pensando em fazer vários cursos..rsrs, já que tenho essa doença estou tentando fazer algo que me motive a viver e coisas que me dão prazer..estou adorando o seu blog, a cada relato fico contente e admirado com o que vc escreve..acho que é isso aí, devemos fazer coisas que nos dão prazer e tentar nos realizar da melhor forma possível, eu tbém queria fazer trabalho voluntário dando aula de desenho e maquetes para adolescentes mas vou tentando...espero que posso postar relatos cada vez mais...tbém estava pensando em frequentar grupos de ajuda para esquizofrenicos..o Dayan da comunidade esquizofrenia me passou dois locais onde fazem reuniões e estava pensando em participar para fazer amigos, gosto muito dos seus relatos e sempre aprendo um pouco com vc..espero que possa escrever mais pq é um ótimo exercício...ah e desculpe a forma de escrever com abreviações esse é o internetês...a forma como escrevemos na internet com abreviações e etc..acho que vc devia tentar sim fazer um curso de música e aprender a tocar algum instrumento..eu se recebesse meu auxilio doença iria fazer um monte de cursos..rsrs até mais amigo e espero que possa realizar todos os seus sonhos e vontades..um forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rodrigo pela força ai e parabéns por provar que é possível continuar a vida depois de um surto e uma internação. Nada melhor do que ocuparmos nosso tempo com coisas que gostamos, isso vale tanto para quem tem como para quem não tem nenhum transtorno mental. Se os grupos de ajuda forem em sua cidade, acho que vale a pena tentar, é sempre bom trocar experiências e ideias com pessoas que passam ou passaram pelo mesmo que passamos. Com relação a escrita, não tem problemas em escrever com abreviações, está dando para entender perfeitamente, eu não sigo o internetês, pq acho que acabo viciando e assim quando tiver que escrever corretamente, vou acabar tendo dificuldades. Tudo de bom pra vc por ai e que consiga fazer os cursos que deseja.

      Excluir
  2. ''Espero ter ajudado de alguma forma com essa experiência que tive e com o tempo, contarei mais sobre como foram os dias difíceis que passei durante os surtos. ''

    É voce está me devendo, lembra ? :)
    Nossa.. voce está estudando partitura ? Eu já tentei mas, como sempre fui desinteressada e um tanto preguiçosa desisti com 14 anos.. depois voltei a estudar com cifras, bem mais fácil, porém não tão interessante quanto partitura.. e desisti também, e agora, voltei a tirar um sonzinho de novo, sozinha por não achar professor, mas já é um bom começo !
    Ah sim.. parabéns pela forma de escrever.. eu gostei !
    Fica na paz.

    ResponderExcluir
  3. Vi o vídeo. A música também retrata dias como o que estou tendo hoje.. conhecia, mas com uma letra totalmente diferente(e bem ridícula), adorei a composição original.
    Voce tem um ótimo gosto ! Agora sim.. tchau ! ^_^

    ResponderExcluir
  4. Elaine Xavier Damasceno13 de junho de 2012 10:21

    Oi Júlio, ter dias de tédio, meio chatos, é comum até pra quem não tem esquizofrenia, como eu, principalmente se estivermos meio deprê. Nesse caso, como vc disse, é procurarmos encher, lotar mesmo, o dia de atividades legais, principalmente que mais gostamos, e não ficar fazendo a mesma atividade o dia inteiro, entende? Os psicólogos dizem que o que deprime, é a pessoa ficar fazendo uma mesma atividade o dia todo, a semana toda, etc. O importante é variar as atividades no dia, pra torná-lo mais interessante e menos repetitivo e monótono, entendeu amigo? No youtube, tem o canal de um psicólogo que gosto muito de ver, que é : DrOlegario. Tem um vídeo lá que se chama: Como vencer a depressão, que assistí e achei muito legal, e que se encaixa também no seu caso...depois dê uma passadinha lá e assista, vc vai gostar!!!
    Tenha um bom dia! Abração

    ResponderExcluir
  5. acho muito bacana sua narrativa! Gostaira de fazer um pedido: não deixe de expressar suas opiniões!
    O fato de você tornar público sua condião de esquizofrenico de maneira tão leve é um grande aprendizado para aqueles que julgam os outros sem observar as potencialidades de cada um.
    Continue escrevendo!Quem sabe você não faz um livro?
    Parabéns pela sua iniciativa de criar o site!Gostei bastante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog. Eu atá já escrevi o livro, o difícil é conseguir editá-lo, é meio caro e as editoras não botam muita fé em autores desconhecidos, se bem que nem escritor eu sou, mas a história ficou bem interessante, pois, ao contrário da maioria dos portadores, não cheguei a ser internado, e sempre ia para as ruas nos surtos e passei por diversas situações, até conseguir me aposentar. Qualquer sugestão para o blog pode falar que eu escrevo aqui. Obrigado.

      Excluir
  6. Vc e fantástico,capaz,inteligente!Sua limitação te faz muito melhor do que muitas pessoas que se dizem normais.Parabens!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, realmente você disse certo ao dizer pessoas que se dizem normais, acho que simplesmente não existe pessoa 100% normal, algumas até que conseguem esconder o que se passa em suas cabeças, mas é isso ai.

      Excluir
  7. Eu sei o que é um surto psicótico, e sei também o que é a depressão que vem depois. É o que estou vivendo agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez o que você esteja sentindo seja o que os psiquiatras chamam de sintomas negativos, caso tenha esquizofrenia. Mas é algo bem parecido com a depressão. Não sei como eles receitam medicamentos que dão sonolência para os sintomas negativos, já que ficamos tão desanimados. Um abraço e obrigado por visitar o blog.

      Excluir
  8. Obrigado por partilhar as suas experiencias, infelizmente a minha namorada esta internada com o seu 1º surto (espero que unico) e seu blog esta me ajudando a entender algo novo na minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pela visita ao blog e pelas palavras. Saber que estou ajudando em algo me faz sentir útil. E boa recuperação para sua namorada, no início pode ser um pouco difícil entendê-la, mas não desista, com certeza vai ser o único.

      Excluir
  9. muito bom seu blog,eu também já passei por depressão aos 17 anos ,já nos 19 tive um surto psicotico que quase me levo a suicidio de moto em uma rodovia da br estava ouvindo vozez que mandava eu jogar a moto na contramão já tomei varios rémedios mais abandonei por causa dos efeitos colaterais hj ando desanimando meio desligado mais estou tentando de todo jeito um rumo pra minha vida que faça sentido para min nada tem graça festas boas, bebidas caras, praia,rimas que era meu hobby que hj em dia não consigo mais fazer por limitação mental mais fazer oq né não tem como fugir da doença eu só muito novo ainda 21 anos c alguém poder me dar conselhos aceito com todo carinho! (obs era usuario de maconha)!

    ResponderExcluir
  10. Realmente é complicado encontrar motivação, a vida parece ficar sem graça, nada mais nos motiva. Também vou tentando até hoje lutar contra a depressão pós surto, já tentei alguns antidepressivos e a sertralina até que não me deu tantos efeitos colaterais. Você já experimentou esse medicamento? Se não, converse com o seu psiquiatra, quem sabe pode ser uma boa.

    ResponderExcluir