sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Passos dos Jesuítas: 10º dia

15/01/2014-Bertioga-São Sebastião
praia em Bertioga

    A noite foi muito tranquila no albergue. Poucas pessoas, creio que uns sete caras estão morando ali para tentar se livrar do vício do álcool e outras drogas.
    Deu para dormir bem e renovar as energias para mais um dia de caminhada. Noite fresca, apesar do telhado de amianto do albergue, que é dividido em dois grandes galpões. No primeira, fica a recepção, a secretaria e a sala de TV. Já no segundo galpão ficam os dormitórios, a cozinha, a lavanderia e o banheiro para se tomar um "chuá". (banho, na gíria do pessoal dos albergues noturnos).
    Fui acordado às seis e meia para tomar um cafezinho com dois deliciosos pães com manteiga. Às oito e meia já estou na BR que liga os municípios de Bertioga e São Sebastião. São 100km de asfalto e em albergues. Não tenho muita certeza se encontrarei um bom local para dormir, talvez consiga montar a barraca em algum posto de gasolina pelo caminho. A moleza acabou...
bora para Boracéia? A estrada é muito boa...

    Resolvo não seguir fielmente os passos dos jesuítas e não sigo para Cubatão, por estar meio fora de mão. Teria que sair do caminho, andar cerca de 60km para depois voltar para a mesma BR onde estou.
   A estrada é bonita é agradável. É uma longa reta cercada de verde por todos os lados e com um bom acostamento. Ao fundo, do lado esquerdo, uma majestosa serra me acompanha pelo caminho.
    Está sendo bom mudar um pouco o cenário da viagem. Caminhar pelas praias já estava me enjoando, apesar de serem muito belas. E também já não estava aguentando ficar o dia inteiro olhar as pessoas se refrescarem nas praias, tomando água de coco e eu, ralando aqui com minha mochila. Confesso que estava começando a ficar com um pouco de inveja daquele pessoal estendido na areia. Chego a conclusão que deveria ter feito essa viagem fora da alta temporada, pois, além de haver menos pessoas, talvez os preços sejam mais camaradas em outra época.
    Gosto de caminhar sozinho. A solitude é quase uma necessidade para mim na maior parte do tempo. A verdade é que sou meio anti-social mesmo. Só comprei um par de sapatos até hoje nesta minha existência.
    Dar um tempo no albergue de Santos foi muito bom e tudo mais, mas o quarto é muito apertado, ficando os beliches muito próximos uns dos outros. Ficava sentindo um pouco de claustrofobia, pois os pés dos beliches são pequenos, e quem ficava na parte de baixo acabava se sentindo meio que encaixotado.
sol de rachar, o jeito foi me proteger... 

    Voltando a viagem, o sol está de rachar na estrada. Dá para sentir a onda de calor vinda do asfalto, aumentando ainda mais a sensação térmica. Tive que tirar a camisa e colocá-la na cabeça, pondo o boné por cima. Para completar, uso o óculos escuro que ganhei quando fazia uns bicos descarregando andaimes. Nunca mais trabalhei como operador de som, não aguento mais ouvir som alto e ficar no meio de multidões.
Não sei com o que fiquei parecendo, mas que ficou esquisito, ficou...
    Na BR, o movimento de carros é intenso nos dois sentidos, mas, devido ao acostamento, a caminhada é bem tranquila. Nessas minhas andanças, pude perceber que as estradas paulistas estão em melhores condições do que as mineiras. Talvez isso explique o grande número de acidentes nas rodovias de Minas Gerais...
estradas bem conservadas e com acostamento facilitam a caminhada

   Caminhei em um bom ritmo até a hora do almoço, por volta do meio dia. Pego um marmitex com frango assado em um posto de gasolina e fui comer na primeira sombra que encontrei pelo caminho. Não demorou muito e um agente de segurança de um condomínio me "convida" a me retirar do local.
    Como não estava fazendo nada de errado(ou almoçar fora é crime?) perguntei o motivo daquele convite. o agente me respondeu dizendo que a área é monitorada e que um morador havia telefonado para ele, se queixando de minha presença no local. Não fiquei satisfeito com a resposta, pois não estava impedindo a passagem dos pedestres e perguntei novamente o que havia de errado almoçar naquele lugar. O cara, sem argumentos, apenas disse que estava fazendo o serviço dele e tals.
    Resolvi sair para evitar confusão. Almocei e tirei um bom cochilo na primeira sombra que encontrei depois do condomínio. Depois escovei os dentes, é claro. Creio que deva ter creme dental até 2015, que ganhei nas minhas passagens pelos albergues. Já o desodorante avanço, que ganhei no albergue de Bertioga, tive que jogar fora, pois ninguém que encontrei pelo caminho quis aceitar o presente. Uso desodorante barato, mas sem perfume. O cheiro do avanço é muito forte e não me agrada muito.
    O resto da caminhada é tranquilo, apesar do forte calor e da suadeira. Ainda bem que dá para pegar água na maior parte da estrada, o que não faltam são casas, lanchonetes e postos de gasolina. Geralmente é quente, mas é melhor do que nada...
galera pescando em um rio da região

    Por volta das quatro da tarde olho para a direita e vejo um caminho de terra que dava para uma praia. Essa BR segue em paralelo com o litoral, em alguns pontos basta atravessar alguns quarteirões para se tomar um bom banho de mar. Até então não havia dado um mergulho, mas não sei por que, resolvi ir até aquela praia, que estava praticamente vazia. Contei umas 19 pessoas que estavam ao alcance da minha vista. Essa praia é um pequeno paraíso, muito linda mesmo, não tem como descrever, por isso que gravei esse vídeo. Muita paz e um belo visual.
video

    Então pela primeira vez na viagem dou um mergulho(queria fazer isso apenas no final). A praia não tem ondas fortes, mas também não é aquela calmaria total, tem aquelas ondas médias para darmos aquele pulo e subirmos juntos com a onda, ou então mergulharmos por debaixo dela. Como é revigorante um banho de mar ou de cachoeira! Tira todo o cansaço e o stress do corpo! Fico encantado com aquele lugar maravilhoso e resolvo montar a minha barraca ali mesmo, para passar a noite, apesar do  horário ainda permitir uma boa caminhada ainda.
    Depois da residência montada, fiz a melhor coisa que se poderia fazer naquele momento e naquele lindo lugar: Nada!
    Passei o resto da tarde contemplando a beleza daquele pequeno paraíso e o belo pôr do sol. Foi mágico!

    -Música: Amanheceu
    - Artista: Jorge Vercilo

Amanheceu
como num segundo
Amanheceu
Apesar de tudo
Amanheceu
Um raio no escuro
Amanheceu
simples e absurdo
Amanheceu
uma nova era
Amanheceu
renasceu da guerra
Amanheceu
um planeta mudo
Amanheceu
Era o fim da estrada
Era o fim do mundo ali
mas o sol brilhava
inacreditável em si
Não se imaginava
foi o fim de tudo, eu vi
mas o sol teimava
em raiar e resistir
E no mesmo dia
em que a "profecia do fim"
se revelaria,
eu te conheci assim..

4 comentários:

  1. Uma coisa eu tenho certeza, sei que você é feliz. Feliz porque usa a sua liberdade como a quem não duvida dela; feliz porque seus passos sempre te conduzem a mais uma novidade; feliz porque porque sabe admirar o belo sem ambicioná-lo querer para si. Um abraço de seu amigo, Pr. Rogélio Melgaço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pr. pelas palavras. Quando alguém me pergunta o motivo de caminhar, até hoje não encontro as palavras que acho que definiriam o que sinto caminhando, mas um dos principais motivos é a contemplação de tudo de belo que Deus fez aqui na terra. A liberdade realmente para mim não tem preço, é uma das coisas mais valiosas e que me deixa ter momentos de felicidade neste mundo tão conturbado como o que vivemos hoje em dia. Claro que não sou sempre e completamente feliz, mas os momentos de alegria são maiores e melhores do que os de tristeza. Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  2. Parabéns por ter um pensamento pleno e real das coisas, e ao invés de ficar reclamando da doença foi ocupar sua vida, sua mente com algo tão maravilhoso q é desfrutar dessa liberdade admirando o q há de mais belo, pois nem todos tem essa coragem, não porque não querem e sim porque não conseguem ver liberdade achando-se prisioneiros dentro de si próprio .. abraços e fique com DEUS e caminhe sempre com ele..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, e não só a liberdade de ir e vir, e sim de ser quem eu sou, sem máscaras e sem querer agradar a todos, o que acho sim que é uma grande loucura, já que nem Jesus conseguiu. Obrigado.

      Excluir